Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Blogs

Relacionamento Digital

Você está preparado para o marketing móvel?

Você fica sem saber o que fazer, sente-se perdido ou sente-se despido, quando esquece o telefone celular? O celular é seu objeto mais pessoal, que não desgruda de você 24 horas por dia?

Por: | 12/07/2006

pauta@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

Autor: Gil Giardelli


Engarrafado no trânsito, na fila do aeroporto ou à espera de sua namorada na hora do almoço, não hesite em sacar o celular e assistir a um filme. É o que propõe a produtora Zoie Films (www.zoiefilms.com) com seu Cellular Cinema Festival, o primeiro festival de vídeo para MobiTV.

Entediado no táxi ou na viagem de trem, ligue o celular e assista ao vivo aos programas da CNBC, CNN e ABC News, um serviço de MobiTV a US$ 9,99 por mês, lançado no início do ano pela Cingular Wireless, a maior companhia de telefonia móvel dos EUA.

A utopia de se manter conectado 24 horas por dia atingiu um patamar raras vezes alcançado. O marketing não precisa mais se contentar com territórios pré-determinados como a televisão, o rádio ou a revista para abastecer a sociedade de consumo.

Hoje, a comunicação pode se exprimir através de uma tela de seis centímetros de um celular de última geração. Levando filmes, palestras, comercias ou desenhos. Você sente o vento uivando, balançando a folhagem? Estou falando de "Mobile Marketing", um movimento, a desmaterialização, captando o transespacial, e a eternidade no instante com sonoridades e multisensorialidade.

O "Mobile Marketing" amplia as fronteiras da comunicação, destruindo convenções, é a precedência do fantástico sobre o prosaico, um ordenador do trânsito entre o homem e o mundo. É o invisível sobre o visível, o imaterial sobre o material.
Transforma o olhar do consumidor sobre a publicidade, transforma o passivo e contemplativo, em interativo. No "Mobile Marketing" a presença vigora, é uma orquídea rara na paisagem.

Você está preparado para o "Mobile Marketing"? No início, era apenas uma ferramenta de alerta, brevemente será a maior ferramenta de interação para alcançar o consumidor, fornece meios de entretenimento, construção de diálogos, através de técnicas de Mobigames, MobiTv e Moblogging, sendo tudo instantâneo e imediato.

No front corporativo, são os anunciantes - e não as agências - que avançam na tecnologia, as equipes de marketing das grandes companhias estão tentando se pôr à frente das inovações de comunicação que estão mudando a forma como os consumidores enxergam suas mensagens - e estão pressionando suas agências a se adaptarem.

Antes eram as agências que incitavam os clientes, hoje, os clientes incitam as agências. Essas atitudes viraram o mundo da publicidade de cabeça para baixo.

Você duvida? Um belo dia na sede da BBDO Worldwide, de Nova York, após a agência oferecer à GE mais uma coletânea de idéias de marketing tradicionais, baseada no comercial padrão de televisão, de 30 segundos. Judy Hu, gerente-geral de publicidade e de marcas globais da GE, exigiu algo audacioso, alegou que a gigante da publicidade não estava entendendo a mensagem do novo consumidor.

É preciso acabar com a proliferação da mesmice, tenho minhas dúvidas se as agências tradicionais serão ágeis o suficiente para deter um declínio lento.

Contra fatos nunca haverá argumentos. As maiores agências enfrentam o encolhimento de suas margens de lucro. As ações da maior agência do mundo em receita, a Omnicom Group, matriz da BBDO, tiveram uma queda de 13,8% nos últimos cinco anos atrás. Já no WPP Group, que possui agências como a Y&R o preço da ação está 29,1% mais baixo, mas as ações da Jamdat Mobile, que desenvolve soluções de "Mobile Marketing", subiram 10% em um único dia. Muitos nomes famosos já estão desaparecendo, como Bates, Bozell e Lintas.

As grandes agências também enfrentam um grande número de novos rivais mais afinados com as novas tendências, que agarraram a oportunidade e estão na expectativa de roubar seus clientes. Um grande número de pequenas agências que começaram a capitalizar em cima do desejo entre os especialistas em marketing de fazer coisas de formas diferentes - e em cima da incapacidade de muitas das grandes agências de dar uma resposta a isso.

Essas "rivais" usam nomes de vanguardas, como VoxBlue, Kwead, G2, Tenda Digital, 10 minutos, Tesla, Popcom, TV1 e Ouvi - como bandeiras para indicar que não estão dispostas a trabalhar do jeito de sempre.

Fabiana Sabatini, diretora de marketing da Ouvi (www.ouvi.com.br), acredita em um tipo de publicidade além daquela produzida para TVs, rádios e jornais. "Em um mundo conectado, onde iPods, celulares cheios de recursos e internet fazem parte do dia-a-dia das pessoas, é preciso usar a criatividade para alcançar esse novo público", contou.

A publicidade está passando por uma revolução, obrigando executivos e diretores de criação a mudarem radicalmente a forma de trabalhar. As agências se agarram ao que fazem há décadas porque é conveniente, é mais fácil. Há muita conversa e pouca ação.

Enxergando esse cenário, lembro-me dá célebre frase de Picasso ao ver pela primeira vez as esculturas negras dos antigos artistas da África: "Não sei de onde vêm, não sei para que servem, mas compreendo muito bem o que o artista quis fazer".

Até a próxima meu amigo móvel! Mande e-mails, SMS ou MMS.
Comentários

Acervo

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2018.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2018. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss