Dados obsoletos podem distorcer previsões acuradas | Mundo do Marketing

Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Blogs

Marketing Educacional

Dados obsoletos podem distorcer previsões acuradas

Dados obsoletos podem distorcer previsões acuradas

Por: | 04/02/2015

rafa_villas_boas@hotmail.com

Compartilhe

O atraso de um ano na publicação dos dados do Censo do Ensino Superior pode criar distorções e impressões equivocadas por parte daqueles que dependem exclusivamente dessa fonte de dados para seu processo de tomada de decisão. Ao gerir com base na análise retroativa de informações, o executivo assume o risco de não computar o presente ou projeções para o futuro, projeções essas a cada ano mais precisas. A recente publicação dos números de 2013 aumentou a sensação de insegurança dos gestores do segmento frente a uma queda no número de ingressos da graduação. Estatisticamente irrelevante (foram 6.900 alunos a menos entre os anos de 2012 e 2013 na base de ingressantes na educação superior, computando graduação e sequencial1), o indicativo disparou alertas em mantenedoras de todo o país e protagonizou os principais fóruns do segmento.

De fato, em um ambiente onde o crescimento médio foi de 5% (média aritmética calculada pela diferença positiva ou negativa dos ingressantes na educação superior, computando graduação e sequencial de um ano em relação ao ano subsequente no período de dez anos entre 2003 e 2013), o crescimento negativo de 0,25% entre 2012 e 20132 assusta quando observado fora de contexto. No entanto, para quem analisa as curvas históricas e as suas correlações, esse número preocupa menos que outros como a queda de alunos matriculados nos últimos anos do Ensino Médio, conforme demonstraremos abaixo.

A média de 5% de crescimento de ingressantes/ano da última década na Educação Superior foi pouco linear com altos e baixos. Entre os anos de 2012 e 2011, tivemos um crescimento de 14,41% e entre 2008 e 2009 um crescimento negativo de -13,39%3. Ao observarmos o passado desse ambiente de negócios, nos acostumamos com algumas turbulências.

Esse, no entanto, não é o único, ou principal indicador para mensuração dos resultados do sistema, cujo desempenho deve ser avaliado de maneira mais ampla.

O número de alunos ingressos é claramente um fator crítico para o sucesso de longo prazo. Contudo, a principal unidade de mensuração da educação superior no Brasil está no número total de matriculas. E esse número cresceu 4% (ainda que abaixo da média histórica da última década de 6% ao ano)4 conforme a tabela abaixo descreve:

Essa deveria ser em uma análise de ambiente endógeno a principal preocupação dos gestores educacionais: o número total de alunos matriculados e não apenas o número total de ingressantes. O faturamento global de suas operações e não somente o faturamento projetado de novas matrículas. Uma mudança de paradigma para muitos executivos preocupados mais com a captação cíclica de novos alunos do que a manutenção, satisfação, retenção e reposição de alunos/clientes perdidos. Basta comparar o montante investido em campanhas de Transferências e o montante investido em campanhas de Captação, para notar que o esforço de marketing é maior nas vendas para alunos de 1º ano. Muitas vezes o número de vagas ociosas em turmas de 2º, 3º e 4º anos equivale ao número de vagas ofertadas em processos seletivos de vestibular.

Ao deixar de olhar para o retrovisor, os dados retroativos, o gestor talvez possa mitigar a ansiedade dos números observando alguns indicadores em seu para-brisa.

O número de novos contratos de FIES vem crescendo todos os anos. As novas políticas trarão um crescimento projetado em 2014 de 70% no número de novos contratos5.

Esses contratos não figuraram nos indicadores publicados na última Edição do Censo do Ensino Superior. Os dados registrados no final de 2013 apontam os ingressantes daquele ano, relacionados, majoritariamente, aos contratos do FIES de 2010, 2011 e 2012, como demonstrado na tabela abaixo:

O número de estudantes inscritos no ENEM cresce positivamente uma média de 17% durante os últimos 11 anos, como pode ser visto na tabela acima. Isso é bom, e do batalhão de inscritos em 2014 um contingente de mais de 6,7 milhões estará em condições de ingressar na Educação Superior no final do ano. Entre os demais, os chamados "treineiros" e outros, mostram interesse e poderão se inscrever nos anos seguintes6.

Algumas lacunas, contudo, aparecem na estrada que desponta no para-brisa do gestor educacional. O número de alunos matriculados no Ensino Médio Regular vem caindo de modo linear todos os anos na última década. Por questões demográficas e sociais a taxa de crescimento negativo é espelhado nos últimos anos desse nível de ensino. No âmbito global o ensino médio perdeu -14,12% (mais de 1,2 milhões de estudantes) entre 2003 e 2013 e -6,69% (mais de 160 mil estudantes no último ano do curso).7

Algumas outras oportunidades não devem ser perdidas. Apenas 11,27% dos 110 milhões de brasileiros com 25 anos ou mais de idade possuem ensino superior e 24,56% possuem ensino médio completo e superior incompleto8. Um mercado de 27 milhões de potenciais universitários. Em um recorte conservador, são 81 milhões de pessoas entre 25 e 64 anos (ainda no mercado de trabalho). Um mercado de 23 milhões de profissionais aptos a ingressar na educação superior no próximo ano e muitas vezes fora do radar do planejamento estratégico da maior parte das mantenedoras brasileiras9.

  1. Calculo com base nos dados dos Ingressantes do Censo da Educação Superior 2012 e 2013.
  2. Calculo com base nos dados dos Ingressantes do Censo da Educação Superior 2012 e 2013.
  3. Calculo com base nos dados dos Ingressantes do Censo da Educação Superior 2008, 09, 10, 11, 12.
  4. Calculo com base nos dados dos Matriculados do Censo da Educação Superior 2002 a 2013.
  5. http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/conteudo.phtml?id=1465706
  6. Dados do Balanço das Inscrições do ENEM publicado pelo INEP http://download.inep.gov.br/educacao_basica/enem/downloads/2014/balanco_inscricoes_enem_2014.pdf
  7. Dados do Censo da Educação Básica do INEP
  8. Cálculo realizado com base na publicação da analise do IBGE presentes em http://educacao.uol.com.br/noticias/2012/12/19/ibge-quase-metade-da-populacao-com-25-anos-ou-mais-nao-tem-o-fundamental-completo.htm
  9. Calculos com base nos dados do Censo 2010 http://censo2010.ibge.gov.br/sinopse/webservice/frm_piramide.php
Comentários

Biografia

O Marketing Educacional é imperativo para o crescimento institucional e inspirar-se em boas práticas pode fazer a diferença nas operações e carreiras dos executivos do segmento.

Arquivos


Este blog reflete única e exclusivamente a opinião do seu autor e não necessariamente o posicionamento jornalístico que norteia o Mundo do Marketing.

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2018.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2018. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss