Festa da geladeira | Mundo do Marketing

Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Blogs

Consumer Insights: A lógica do consumo pelo olhar da antropóloga Hilaine Yaccoub

Festa da geladeira

Consumir bens que trazem conforto para si, e principalmente para filhos e família, proporciona uma sensação de dever cumprido, inclusão social, status perante os seus pares

Por: | 03/04/2012

hilaine@gmail.com

Compartilhe

Recebi, no meio da semana, um telefonema emocionado. A voz do outro lado, um tanto eufórica, falava de uma grande "bênção" que merecia ser comemorada. Decidiu preparar um "churrasquinho" no domingo seguinte para familiares e poucos amigos selecionados - grupo no qual me incluía. Perguntei se deveria levar algo, minha anfitriã respondeu que não. Tudo seria oferecido por ela - o que ocorre raras vezes. Com isso, deixou bem claro que o acontecimento era realmente especial.

Cheguei, no dia e na hora combinados, diante de uma casa simples, bem velha, pintada de cal branca, portas e janelas de madeira desgastadas com o tempo. No quintal da frente, um pequeno espaço com piso de cimento rachado, cadeiras de plástico e uma caixa de isopor dividiam o espaço com as plantas do jardim. A festa estava sendo preparada.

No fundo do quintal, uma pia de cozinha de alumínio, suspensa por pés de ferro, e uma grelha tinham se transformado em churrasqueira. De longe se podia sentir o cheiro inebriante da carne assando, sob os cuidados do churrasqueiro, irmão da anfitriã.

Ela me recebeu entusiasmada, um tanto esbaforida. "Não me beija que eu tô suada", disse, enfática. Não me importei e a cumprimentei normalmente. Logo apontaram a caixa de isopor no canto do quintal. Apresentado o caminho para as bebidas, esperaram que eu me sentisse completamente à vontade.

A anfitriã começou a narrar a história da tal benção recebida pelo seu irmão mais novo, motivo do evento: uma moderníssima geladeira frostfree. Eu e alguns outros fomos convidados a adentrar a casa simples.

diário,c,d,e,festa,geladeira"Não repare na casa não, ela é velha, e a única coisa bonita é a minha nova geladeira branca na cozinha, é a única coisa que presta", desculpou-se ela, de antemão.

Achei curioso tanta ênfase à cor branca da geladeira. Até o momento, eu nunca havia reparado nessa forma descritiva de fazer referência a eletrodomésticos.

Entramos e seguimos por um pequeno corredor em direção à cozinha, que ficava logo após a sala. A anfitriã apontou a geladeira, enorme, de alta tecnologia, com luzes azuis piscando e um display digital na porta.

Lamentou-se: "Agora, minha cozinha nem combina com a geladeira nova. Ela é tão linda e minha cozinha, um horror".

Abriu, sem hesitação, a parte inferior da geladeira. Mostrou todos os recursos do novo bem, riu de felicidade. Disse que parou para ler todo o manual porque não sabia mexer em tanta "tecnologia de geladeira" com tantos compartimentos diferentes para colocar os alimentos.

Estava realmente feliz porque a geladeira era frostfree. Sem precisar descongelar para limpeza, lhe pouparia trabalho. Abriu cada gaveta, porta, apontou o termostato eletrônico, e se emocionou. "Eu nunca imaginei que pudesse haver algo assim". Fomos apresentados à geladeira e a tudo nela guardado.

Reparei que o plástico de proteção ainda estava nas alças externas nas portas, além do selo do Procel (indicando que era uma geladeira que poupava energia elétrica) e uma nota fiscal da garantia da loja. Perguntei por que ainda continuavam colados e logo veio a resposta, simples: "É pra proteger mais e não estragar".

Claro. Ela queria que o novo item, o mais bonito e importante da casa, durasse muito e fosse conservado ao máximo. Afinal de contas, era um bem valioso.

Não satisfeita, abriu a porta do freezer e mostrou como o espaço interno era amplo. "Agora vou poder receber visitas e dar festas, pois as bebidas vão gelar. Vou poder fazer pavê, comprar sorvete, fazer gelo para o refrigerante. Agora, sim", comemorou.

O tamanho e a capacidade do novo item adquirido, portanto, eram significativos para a sociabilidade dela, a reciprocidade do servir e receber bem. A grande geladeira serviria sua família, composta por um adulto - ela própria - e dois filhos, sendo uma criança e um adolescente. Era notório que aquele novo eletrodoméstico, devido a sua grande capacidade (entre outros fatores), seria um divisor de águas em seu cotidiano e em sua prática social.

Voltamos para o quintal. Hora de comer. As guarnições estavam servidas em potes plásticos em uma mesa improvisada: uma tampa de madeira forrada com toalha florida, em cima de um latão. A anfitriã se ocupou em nos servir, até que um novo grupo apareceu no portão. Como precisava recebê-los devidamente, ela organizou mais um tour até a cozinha. A história se repetiu algumas vezes até o fim da festa.

Quando vivenciei a situação descrita acima, comecei a imaginar a importância que um eletrodoméstico corriqueiro pode ter na vida de um grupo específico, denominado por muitos de "nova classe média". O "objeto de desejo", motivo da festa, era uma geladeira. Os argumentos favoráveis estavam visivelmente expostos: pouparia energia elétrica (o selo do Procel), havia um grande espaço interno suficiente para armazenar os alimentos (um valor para o grupo) e melhorar a recepção aos convidados (referente à economia da dádiva e reciprocidade de Mauss, 2003). Em suma, era moderna e traria conforto para aquela família. 

A noção de conforto ligado à posse de eletroeletrônicos estava clara naquela narrativa. Além do embelezamento e da modernização da casa, esses mesmos objetos, dotados de poder simbólico, proporcionariam mudanças significativas no modo de viver daquelas pessoas. Elas consomem hoje porque podem, e cultivam projetos de compra, fazem planos de consumo e atribuem significados que vão muito além da praticidade. Esses significados atribuídos às coisas (ou bens ou serviços) são de fato o grande interesse do fazer antropológico.

Consumir bens que trazem conforto para si, e principalmente para filhos e família, proporciona uma sensação de dever cumprido, inclusão social, status perante os seus pares, e estes argumentos encontram-se nas narrativas dos estratos mais populares quando realizo pesquisas etnográficas.

Da mesma forma que minha anfitriã, milhares - talvez milhões - de pessoas pertencentes às camadas populares no Brasil possuem (inconscientemente) a crença e percepção do poder simbólico em determinados objetos (em sua maioria, eletrodomésticos e eletroeletrônicos em geral). A posse e uso desses bens têm uma consequência que vai além do bem-estar, estetização e sensação de conforto, frequentemente subestimada ou ignorada: a "conta de luz" no fim do mês. Residiu aí meu problema inicial para desenvolver a pesquisa sobre furto e fraude de energia elétrica e sua relação com consumo doméstico.


*Este texto compõe o prólogo que faz parte da dissertação de mestrado defendida no Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal Fluminense.

Referência:
YACCOUB. Hilaine de Melo. Atirei o pau no "gato". Uma análise sobre consumo e furto de energia elétrica (dos "novos consumidores") em um bairro popular de São Gonçalo - RJ. Dissertação (Mestrado) em Antropologia - Universidade Federal Fluminense, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Departamento de Antropologia, Niterói, RJ, 2010.

Comentários

Biografia

PHD em Antropologia(UFF), há mais de 15 anos atua em pesquisas customizadas, consultorias, cursos in company e palestras

Arquivos


Este blog reflete única e exclusivamente a opinião do seu autor e não necessariamente o posicionamento jornalístico que norteia o Mundo do Marketing.

Acervo

Pesquisar por Tags

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2020.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2020. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss