Se não for verdadeiro, não bote um sorriso na cara | Mundo do Marketing

Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Blogs

Dicas do David

Se não for verdadeiro, não bote um sorriso na cara

Mais vale um choro sincero

Por: | 03/12/2014

pauta@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

Saber sofrer é um dom que a gente adquire quando alcança um determinado nível de maturidade. O sofrimento faz parte da vida e admiro quem admite que não, não tá nada bem, mas vai passar. Vai chorar hoje, talvez amanhã, mas logo logo se arregaça as mangas. Bato palmas pra quem não pinta sua dor em um sorriso falso, em um abraço que não quer ser dado, em uma felicidade forjada.

Todo mundo vê e sente pena da lágrima pesada que você não deixa cair, enquanto conta vantagens de uma alegria mentirosa. E eu tenho plena consciência que todos nós nos prestamos a isso, alguma vez na vida. Mas tem gente que não cresce. Tem gente que não aprende a se respeitar. Respeitar seu próprio tempo, seu próprio sentimento, vontades, sua tristeza, seu processo de luto. Gente que vive amargurada, porque não sabe deixar passar. Deixar o nó desatar.

Eu, mais do que ninguém cultivo a felicidade, o sorriso na cara e o amor no coração, mas sei que só podemos transmitir o que for verdadeiro, e que a vida nem sempre nos dá motivo para sorrir. Então, quando sentir que é necessário, deixa o choro rolar, meu amigo, que chorar é a única coisa que te dá algum tipo de alívio.

Bota tudo o que tiver de ruim pra fora, não segura, não. Tristeza é passageira, mas não existe nada mais triste do que enganar seu coração com um sorriso amargo.

 

Comentários

Acervo

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2018.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2018. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss