Navegar é preciso | Mundo do Marketing

Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Blogs

Consumo e Inovação

Navegar é preciso

Marketing

Por: | 10/07/2010

bfurtado@aliasite.com.br

Compartilhe

Tom Tom é uma empresa holandesa que comercializa GPS - os sistemas portáteis de navegação para carros. Caso você compre o produto poderá escolher alternativas de voz gratuitas em diversos idiomas. Em português poderá escolher entre vozes masculinas, femininas, com sotaque carioca ou paulistano e algumas outras. Depois do lançamento do produto em 2002, além do aperfeiçoamento dos sistemas de navegação, a Tom Tom  inovou ao disponibilizar alternativas de voz com famosos como: Morgan Freeman, De Niro, Sean Connery, Ozzy Osborn e por aí vai. Este ano a empresa ampliou a oferta com as vozes de personagens da saga Star Wars.

 

O primeiro foi Darth Vader, seguido pelo C3PO e, mais recentemente, o Mestre Yoda -  vendidas por US$ 12,95 e em agosto será lançada a voz de Hans Solo. O interessante é que as orientações de navegação seguem as personalidades dos personagens, com os trejeitos  que aprendemos a conhecer e o motivo pelo qual as pessoas irão pagar. Star Wars foi uma das marcas mais licenciadas do entretenimemento, mas aqui encontou uma forma inovadora de uso. Encontrar formas para agregar valor percebido pelo mercado alvo e ampliar a rentabilidade de um negócio são funções essenciais em Marketing e muito bem resolvidas nestas inovações. Confira também os filmes de divulgação que mostram o making of com Yoda e Darth Vader.

 

Dica do ótimo: www.brainstorm9.com.br

 

Comentários

Acervo

Pesquisar por Tags

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2019.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2019. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss