Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Blogs

Consumer Insights: A lógica do consumo pelo olhar da antropóloga Hilaine Yaccoub

Estabelecidos x outsiders: cariocas x conterrâneos

A rixa eterna entre os moradores locais e os que vêm de fora da favela

Por: | 20/07/2012

hilaine@gmail.com

Compartilhe

favela,classe c,carioca,diário

favela,classe c,carioca,diário

favela,classe c,carioca,diário

Interessante perceber como existem classificações e disputas dentro de um mesmo grupo e/ou comunidade. No caso da favela em que estou morando uma rixa é clara, entre os estabelecidos, cariocas que são locais desde a gênese da favela, e os outsiders, moradores que chegaram na área posteriormente oriundos do nordeste, chamados de conterrâneos pelos locais.

Essa diferenciação e disputa local não são claras logo no primeiro contato. É preciso a convivência diária, ouvir os vizinhos e suas reclamações; é preciso estar lá para perceber essas questões que estão dentro do campo tácito.

Os chamados "conterrâneos" são culpados de tudo, são acusados por terem aumentado demasiadamente as construções e verticalizado a favela, acarretando problemas de insalubridade por falta de sol e de acesso à água e esgoto, que não suporta tamanho crescimento. Além de tudo, são acusados de não se misturarem, de serem individualistas por apenas pensarem em benefício próprio ou sectaristas; se envolvem por problemas que sejam comuns ao seu grupo, ou seja, de conterrâneos que primam pelos mesmos objetivos, valores, vivências. E, para piorar, são acusados de terem destruído na favela o sentimento de família e comunidade numa época remota e nostálgica em que todos conheciam as famílias dos outros, ancestrais, descendentes, todos unidos, partilhando tudo, festas, comida, diversão e sofrimento.

Por outro lado, esses nordestinos são extremamente focados, empreendedores, "raçudos" mesmo. A maior parte do comércio local está nas mãos deles, têm um sorriso solto, são mais desconfiados sim, mas uma vez entrando em seu círculo de confiança, pronto, você os ganhou. E pode contar com eles para tudo, para ajudar na mudança e carregar peso, fazer uma faxina, ou então sentar num bar e comer até se fartar. São extremamente cuidadosos com os filhos, que são proibidos de andar sozinhos pela favela, os pais levam e buscam na escola, lutam por uma boa educação. É como se estivessem dentro do universo da favela, usufruíssem dele, mas não fizessem parte dele. Não se envolvem em campanhas, não se misturam em dias festivos, não partilham nada, nem positiva nem negativamente.

Até mesmo nos momentos de lazer essa separação é evidente: de um lado da praça o samba come solto, os cariocas (grande parte negra) sambam, se divertem, cantam, paqueram... Enfim, aquele pagodão de mesa bem característico do Rio de Janeiro. Do outro lado da praça, mais próximo aos brinquedos infantis, encontram-se os nordestinos, sentados à mesa com suas famílias, vigiando as crianças que brincam nos aparelhos montados (balanço, pula pula, etc) e ficam ali, comendo, conversando ao som do sertanejo universitário e forró (de uns cantores que não conhecemos, mas que fazem parte de um circuito Norte/Nordeste). Quase não há negros no grupo dos nordestinos, mas sim muitos "cabeças-chatas" como eles mesmos se autodenominam.

É notório que os nordestinos têm um compromisso e uma fome de vencer, de sair da mesmice, são extremamente empreendedores e levam o trabalho tão a sério que muitas vezes são motivos de chacota na favela, como se não se divertissem. Suas casas são em sua maioria bem cuidadas, e abrigam muitas outras famílias. É muito comum que na favela os familiares, parentes e conhecidos passem um tempo nas casas dos nordestinos já estabelecidos até se fazerem no Rio. Uma vez, um morador (carioca) me disse "O problema daqui são os conterrâneos, eles são igual aquele filme, em que jogava água no bichinho e quando vê já tem uma dezena deles!" (fazendo alusão aos "Gremilins").

Morar e viver na favela é fazer parte de tudo isso: conflitos, disputas e classificações. É aí que está a magia do fazer antropológico, perceber e partilhar desse contexto todo, interagindo e observando esses modos de ser, usar, consumir.

Comentários

Biografia

PHD em Antropologia(UFF), há mais de 15 anos atua em pesquisas customizadas, consultorias, cursos in company e palestras

Arquivos


Este blog reflete única e exclusivamente a opinião do seu autor e não necessariamente o posicionamento jornalístico que norteia o Mundo do Marketing.

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2018.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2018. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss