A Felicidade, Desesperadamente | Mundo do Marketing

Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Blogs

Consumo e Inovação

A Felicidade, Desesperadamente

Comportamento

Por: | 16/07/2009

bfurtado@aliasite.com.br

Compartilhe

O belo título é um livro de André Comte-Sponville, filósofo e professor da Universidade Paris I (Panthéon-Sorbone), que trata da busca maior do ser humano e da essência do desejo. A reflexão envolve a visão de alguns pensadores destacando-se dois entendimentos: um mais pessimista, o de Platão, e um mais otimista, o de Spinoza. A visão platônica pode ser esboçada no pensamento "o que não temos, o que não somos, o que nos falta, eis o objeto do desejo e do amor ".

Então, consumimos desenfreadamente, porque desejo é falta, porque tão logo obtemos o objeto de desejo - seja ele uma pessoa ou um bem - o desejo reinstala-se em algo ainda não acessível. E permanecemos infelizes continuamente, já que dependemos da próxima aquisição para sermos felizes. Seremos felizes se mudarmos de emprego, mas tão logo mudamos, encontramos os defeitos naturais de toda organização que nos deixam infelizes. Aquela viagem tão sonhada torna-se rapidamente saudade de casa. Mas é substituída tão logo compramos aquele celular fantástico e, tão logo o temos, constatamos que há outros mais modernos, com mais features e assim seguimos pela vida em busca do inatingível. E por isso esta visão é pessimista. Se o desejo é falta, a felicidade é inatingível.

Já para Spinoza, desejo não é falta, é potência. Potência de existir, potência de agir, potência de expressar-se. "O desejo é esta força em nós que nos permite comer com apetite, amar com apetite, agir com apetite." E neste sentido, desejo é expressão. Desejo coisas que me expressem e que reflitam minha potência. Adquiro o tal celular porque, com ele, me insiro em grupos que expressam minha potência e meu valor. Pago uma fábula naquela bolsa porque com ela tenho acesso ao grupo bacana que reflete minha potência. Meu poder. Entre nós e a felicidade existem requisitos. Por isso, a felicidade é inatingível. Principalmente em um mundo com tantas coisas inatingíveis para completar nossas faltas ou que reflitam nossa (im)potência. A tese do livro é que a felicidade é tão mais alcançável quanto menos esperada. Por isso, o título certo, segundo o professor da ESPM Clóvis de Barros Filho, seria: A felicidade, desesperançadamente.

Comentários
Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2019.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2019. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss