Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Blogs

1 to 1

O Maior Desafio do Negócio: Fugir do Passado

A convenção é muito forte na gestão de empresas

Por: | 22/05/2014

pauta@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

Pouco tempo atrás, ao utilizar um adesivo feito de acrílico, similar ao que uma manicure utiliza nas unhas de suas clientes, os cientistas finalmente conseguiram prender etiquetas de rastreamento por satélite nos cascos de tartarugas marinhas jovens, que foram chocadas nas praias do Atlântico da Flórida. Isto lhes permitiu acompanhar as tartarugas durante o ano seguinte, uma vez que elas migraram para o outro lado do Oceano Atlântico, onde poderiam conviver e acasalar com outras tartarugas marinhas ao longo da costa ocidental da Europa. Depois de alguns anos, as tartarugas marinhas recém-grávidas fariam a migração de volta para o outro lado do oceano, para colocar seus ovos nas praias da América do Norte, e o ciclo se repetirá novamente.

Esta é uma façanha admirável de navegação dos répteis, mas a pergunta que pode ocorrer a você é o que (e como) a primeira tartaruga marinha descobriu como atravessar todo o Oceano Atlântico só para colocar seus ovos no lado ocidental, enquanto continuava a viver no lado oriental.

Ninguém pode saber ao certo, mas a teoria mais provável é a de que há milhões de anos, quando os ancestrais das tartarugas marinhas evoluíram, a deriva continental ainda não havia separado as Américas da Europa e da África. Os continentes eram unidos (junto à Austrália e à Ásia) em um grande continente que os paleontólogos chamam de "Pangeia", e as tartarugas marinhas que viviam ali não atravessavam todo o mar. Essas tartarugas antigas foram simplesmente se aventurar de um lado das águas do mar para o outro. Mas as placas tectônicas deslocadas estavam movendo as margens à taxa de talvez um a dez centímetros por ano e, depois de cerca de 200 milhões de anos, houve uma distância de quatro mil milhas para as tartarugas percorrerem.

Assim é o poder da convenção, e este poder é especialmente forte quando se trata da gestão de uma empresa. Nós desenvolvemos nossos hábitos, padrões de trabalho e rotinas, e os adaptamos para um ambiente competitivo e tecnológico em constante mudança. Com o tempo, teremos que nos esforçar cada vez mais para preservar nossas rotinas tradicionais, até muito em breve cruzarmos um oceano inteiro apenas para sermos capazes de fazer as coisas do jeito que sempre fizemos. E, além disso, nem percebemos que o ambiente mudou radicalmente.

O problema é que, quanto mais nós simplesmente criamos acomodações mínimas para lidar com um ambiente que mudou radicalmente (mesmo que a mudança tenha sido gradual), mais frágeis nos tornamos - e isso é tão real para as empresas quanto para os répteis. A própria existência das tartarugas marinhas hoje é facilmente ameaçada por muitos pedestres nas praias dos Estados Unidos, por excesso de tráfego de barcos comerciais ao longo da costa ou por furacões e outras anomalias climáticas de grande escala. As tartarugas marinhas já se ajustaram tanto à sua mudança de ambiente, que elas não têm posição de recuo. Sem redundância.

Empresas caem na mesma armadilha o tempo todo. Elas se esticam e esticam e esticam para se acomodar a um ambiente alterado, até estarem muito frágeis, sem nenhuma posição de recuo, sem capacidade redundante. Elas se tornam frágeis, por isso são catastroficamente vulneráveis ​​à primeira inovação irruptiva ou à primeira mudança regulatória imprevista.
Se você não quer que sua empresa se torne frágil, então pense sobre o que você faria se fosse construir sua empresa hoje, começando do zero, no ambiente atual. Será que você construiria de forma diferente?

Se as empresas fossem projetadas para o novo ambiente atual, em vez do ambiente do passado:

  • Os bancos teriam filiais?
  • As companhias telefônicas ou de cartões de crédito teriam programas de fidelidade?
  • Companhias de carro teriam redes de concessionárias?
  • Alguma empresa pediria a um cliente para fazer milhares de procedimentos extras, para conseguir um reembolso?

Comentários

Biografia

Blog sobre gestão de clientes, envolvendo estratégia, experiência, fidelidade, redes sociais, tendências e engajamento

Arquivos


Este blog reflete única e exclusivamente a opinião do seu autor e não necessariamente o posicionamento jornalístico que norteia o Mundo do Marketing.

Acervo

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2018.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2018. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss