Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Artigos

Onde está a crise? Uma lição do e-commerce

Nosso dever como profissionais de marketing é enxergar onde há oportunidades e manter nossas marcas em destaque, trazendo relevância à comunicação. E o e-commerce é um deles

Por | 06/10/2015

pauta@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

Uma pesquisa recente feita pela Confederação Nacional da Indústria mostrou que mais da metade dos brasileiros mudou seus hábitos de consumo em decorrência da crise. Além disso, 90% dos entrevistados estão pesquisando muito mais antes de comprar - o que torna a concorrência ainda mais acirrada, principalmente na indústria de bens de consumo.

Na contramão da instabilidade econômica, o e-commerce brasileiro tem mantido o crescimento. De acordo com o último WebShoppers - relatório que analisa a evolução do comércio eletrônico, suas tendências, estimativas, mudanças de comportamento e preferências - no primeiro semestre de 2015, o e-commerce brasileiro registrou um aumento nominal de 16%, se comparado com o mesmo período de 2014. Talvez isso corrobore o comportamento mostrado no estudo da CNPI, de que nós estamos pesquisando mais antes de comprar - afinal, existe lugar mais fácil de fazer isso do que na internet? O que nos leva à questão principal deste texto: devemos levar nossos esforços de marketing aonde as pessoas estão. Devemos investir em soluções mais baratas e efetivas, fazer mais por menos. Tecnologia é a resposta. Mais precisamente o e-mail marketing.

E-mail é a atividade número um das pessoas na internet - mesmo se comparado às buscas do Google. Também é a maior atividade dos dispositivos móveis, conforme estudo da Litmus. Uma pessoa comum, durante o expediente de trabalho, chega a checar seus e-mails 30 vezes (!) em uma hora (!!), de acordo com a B2B Marketing Insider.

É em torno dessa ferramenta que muitas empresas têm dedicado o desenvolvimento de tecnologias, porque o e-mail é individual, direto. Mas se não houver estratégias bem delineadas, qualquer comunicação por e-mail vai se perder no inbox em meio a tantas outras. Ou ainda, desastre total, vai cair no spam.

Para estratégias efetivas de e-mail marketing, há dois passos básicos:

1. Tenha uma base de contatos bem higienizada e com dados consistentes, atualizados constantemente;

2. Contrate uma plataforma para desenvolver e executar as réguas de relacionamento individualizadas (boas-vindas, aniversário, abandono de carrinho, `baixou de preço´, pós-compra - para citar as mais simples) que respeitam o ciclo de vida do consumidor.

Esse tipo de ferramenta permite transformar dados em informação e fazer cruzamentos entre aqueles que dizem respeito ao comportamento do consumidor - de navegação, de compra, histórico e outros -, tornando a comunicação por e-mail individualizada e, portanto, relevante. Tudo de modo automático. Para se ter uma ideia, há a possibilidade de desenhar módulos dinâmicos de comunicação e ofertas que reduzem o tempo de criação de uma peça de e-mail de dois a três dias para, apenas, 40 minutos. Isso é fazer mais por menos.

Mudamos nossos hábitos de consumo, mas continuamos consumindo. Nosso dever, como profissionais de marketing, é enxergar onde há oportunidades e manter nossas marcas em destaque, trazendo relevância à comunicação. Talvez o e-commerce tenha muito a ensinar ao Brasil sobre desenvolvimento.

Por: Suelen Giacomele

Content marketing da Pmweb






Comentários


Publicidade

Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2018.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2018. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss