Artigos

Publicidade
Publicidade
PDV

Como será o futuro do varejo e das ações promocionais?

Quando olhamos para o setor podemos perceber inúmeras adaptações que tiveram que ser feitas para se adequar ao momento e continuar promovendo uma boa experiência

Por Stenio Souza - 29/07/2020

Não é novidade para ninguém que a pandemia de coronavírus chegou de maneira avassaladora, gerando mudanças em toda a sociedade e na maneira que vivíamos o nosso dia a dia. Ela também acelerou processos que já estavam em andamento, como a digitalização de serviços e a descentralização dos ambientes de trabalho, por exemplo.

Quando olhamos para o setor varejista podemos perceber inúmeras adaptações que tiveram que ser feitas para se adequar ao momento e continuar promovendo uma boa experiência de compra para o consumidor tanto no ambiente online como offline. Porém, quais delas tendem a perdurar para o período pós pandemia? O que podemos esperar do futuro do varejo e do merchandising?

Para responder à essas perguntas, farei uma divisão em tópicos com as principais mudanças que muito provavelmente continuarão em um futuro próximo:

Ambiente digital em evidência e crescimento do omnichannel (multicanalidade)

O isolamento social fez com que boa parte dos consumidores mudasse os hábitos de consumo, dando ainda mais preferência para as compras no ambiente digital. Isso era algo que já vinha ganhando força, mas que foi completamente impulsionado e deu um salto gigante depois do início da pandemia.

Esse comportamento é algo que vai se estender para o futuro e que também fez com que as marcas e grandes varejistas investissem em ter todos os canais de venda em sincronia, fazendo com que a então tendência da multicanalidade se tornasse, finalmente, uma realidade.

O omnichannel já era muito usado em países mais desenvolvidos como Estados Unidos entre outros na Europa e aqui no Brasil ainda caminhava bem devagar. Porém, com a grande virada que o Covid-19 proporcionou, esse processo que já estava em andamento teve de ser acelerado, se tornando uma realidade que tende a continuar mesmo após a reabertura de todos os estabelecimentos e a volta da rotina normal.

Preocupação com a sustentabilidade e ações com propósito

Além das mudanças comportamentais, o coronavírus fez com que muitas empresas e fábricas parassem, gerando uma severa diminuição na poluição do ar do planeta. Isso fez com que tanto a população como as próprias empresas olhassem para como estavam cuidando do mundo e das pessoas, fazendo com que a preocupação com ações de sustentabilidade aumentassem.

Há algum tempo já os clientes procuram e dão preferência por produtos ou serviços de marcas com as quais têm algum tipo de identificação, que promovem ações com propósito e não apenas de faixada. E, nesse momento, isso entrou completamente em evidência. As marcas que realizaram ou estão realizando ações para minimizar os efeitos da pandemia para as pessoas mais afetadas com a crise, como moradores de periferias, por exemplo, com certeza serão lembradas para o momento pós-crise, pois isso é algo que o shopper leva em consideração na hora da decisão de compra.

Lowtoucheconomy

Com as novas medidas de segurança e restrição, ações como degustação ou demonstração de produtos não estão sendo executadas e muito provavelmente não voltarão tão cedo, pois estamos entrando na tendência da lowtoucheconomy, ou também economia de pouco contato. Com isso, o mercado de trade marketing está passando por uma reformulação, tentando encontrar novas maneiras de fazer a divulgação das marcas no ambiente físico e, em grande parte, migrando e concentrando a maior parte dos esforços para o ambiente digital.

Essa tendência se baseia em gerar a melhor experiência com o menor contato possível e fez com que a construção das relações comerciais mudasse completamente. Com isso, é necessário que cada tipo de negócio pare para pensar em como atingir seu público de acordo com esse novo modelo de vendas, que com certeza continuará nos próximos anos.

Leia também o Estudo sobre o Futuro dos Supermercado no Brasil. Conteúdo exclusivo para assinantes. 

Por: Stenio Souza

CEO da iTrade Smollan