Darwinismo digital aponta para criação de redes neurais | Mundo do Marketing

Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Artigos

Darwinismo digital aponta para criação de redes neurais

Novos serviços inovadores mudarão a forma de utilizar a tecnologia. Eles estão nascendo a partir de inspirações biológicas, como os estudos sobre o funcionamento do cérebro

Por | 04/09/2013

pauta@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

Novas tecnologias nos surpreendem todos os dias. Embora o que vem sendo apresentado nos últimos eventos mais se pareça com episódios de um filme de ficção científica, a criação de redes neurais que permite projetar máquinas inteligentes, capazes de processar informações de forma autônoma, como faz o cérebro humano, me fizeram ficar pasmo.

Em palestra durante a quarta edição do INFOTrends, em agosto desse ano, o ex- vice-presidente do Google para Android, o brasileiro Hugo Barra, que acaba de assumir a vice-presidência da divisão mundial de celulares da fabricante chinesa Xiaomi, afirmou que novos serviços inovadores mudarão nossa forma de utilizar a tecnologia, e que eles estão nascendo a partir de inspirações biológicas, como os estudos sobre o funcionamento do cérebro humano.

O executivo abriu o evento com sua palestra sobre o futuro da computação móvel, as principais tendências e a tecnologia de aproximação NFC. Ele levantou a questão sobre a habilidade de compreender o cérebro que avançará nos próximos anos e nos dará auxilio para desenvolver sistemas mais complexos que serão úteis para a descoberta de doenças incuráveis, como o Alzheimer, além de criar máquinas capazes de pensar como nós.

Dois exemplos de redes neurais foram apresentados no INFOTrends. O primeiro trata-se de carros autônomos, capazes de analisar padrões de forma neural e conduzir os passageiros por estradas onde ele nunca esteve antes, sem problemas. O segundo foram os tradutores automáticos que permitirão imitar os tradutores simultâneos que víamos nos episódios de Star Trek.

De acordo com o especialista, nossa habilidade de compreender o cérebro ainda é muito restrita, mas avançará muito em pouco tempo. De modo a nos dar subsídios para desenvolver sistemas muito mais complexos do que o temos hoje. Bruno afirmou ainda que o avanço das redes neurais dependerá dos pesquisadores e empresas terem maior capacidade computacional disponível.

Ele ressaltou também que o poder da inovação já está nas mãos de todos. Plataformas de processamento de baixo custo como o  Raspberry Pi e o Arduino, que permitem aos usuários inserir comandos básicos nestes chips, abrem espaço para o desenvolvimento doméstico de novos gadgets.

O fato de qualquer pessoa poder criar um produto e lançá-lo no mercado forçará as empresas a reverterem o processo de produção e acelerará o desenvolvimento de novas tecnologias. De acordo com Barra, embora seja difícil prever quais serão os resultados desse movimento, é possível assegurar todos os novos gadgets terão em comum o acesso à nuvem.

Esse darwinismo digital dá lugar ao fenômeno dos gadgets, que reinventa processos a partir de novas tecnologias. De motorista de aluguel a reservas de hotéis mais baratos depois das 17hs, passando por caixas de correio que transformam correspondências em arquivos digitais, como o da OUTBOX, o universo de serviços que mais cresce no mundo cabe dentro do celular.

A importância dos smartphones é compartilhada pelo futurista Gerd Leonhard, CEO da The Futures Agency, especialista em temas digitais, que falou sobre o futuro da mídia, da TV e da Publicidade em uma sociedade conectada. Autor de cinco livros e em sua 12ª visita ao Brasil nos dois últimos anos, ele sugeriu olhar para o futuro com olhos digitais. Literalmente.

Uma das inovações apresentadas por ele foi uma lente de contato que conecta a Internet. Dispositivos plugados ao nosso corpo serão cada vez mais comuns, segundo Leonhard. De óculos a relógios, aparelhos atuam no sentido de nos conectar e proporcionar uma experiência surpreendente.

O futurista que tem como lema o fato de que quando Noé construiu sua arca não estava chovendo, diz que a revolução será via móbile e que sociedade caminha para uma realidade online, em que novos ecosistemas de comunicação, energia, governabilidade, educação, não serão mais centralizados e sim compartilhados.

Ele alertou também sobre a importância das redes sociais, não como ferramenta, mas como sistema ou funcionamento de operações. E citou o presidente da TESCO, "Lead the Revolution or be the victim of Evoluction"; "Lidere a revolução ou seja uma vítima da Evolução".

O que é novo hoje, amanhã já não é mais. Com essa avalanche de inovações, manter-se antenado e em sintonia com pesquisas do que há de mais avançado é o que nos coloca mais próximos da construção da arca, enquanto a chuva não chega. E já dá para ver que o arco-íris é transmitido pelo sinal de um celular e vai até onde as redes neurais alcançam.

Por: Sandro Ari Pinto

Sandro Ari Pinto é Vice-presidente de Comunicação e Estratégia da CIAGROUP


Comentários


Inteligência Inteligência

Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2019.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2019. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss