Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Artigos

A transformação digital na comunicação

Não temos uma área de tecnologia ou gente que trabalha com dados apenas. Nos transformamos em uma empresa camaleônica, um mix que mantém a criatividade e comunicação como cerne

Por | 27/10/2017

pauta@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

Em meados de 2015, durante um almoço com um dos meus principais clientes, fui colocado contra a parede: "a visão criativa e a forma como a sua agência consegue colocar super-bonder nas ideias através do planejamento é ótimo e estamos muito felizes, mas você precisa reconhecer que isso não basta e o que sinto falta, é vocês nos ajudarem a traduzir para a prática, a inovação que precisamos no dia a dia. Vocês precisam de uma dose cavalar de transformação digital. E não sei se este é o seu modelo de negócio."

A expressão "dose cavalar" me dá calafrios até hoje.

Voltei para a agência claramente incomodado e com a sensação de ser dispensado em breve pelo cliente que certamente refletia na contratação de dezenas dos nossos funcionários. Tínhamos construído um relacionamento duradouro e confiável (para ambos os lados), mas estava claro que o tradicional output de uma agência e o modelo mental de sempre (nosso e deles para conosco) tinha data de validade.

Lá se vão dois anos e eu sentia na pele pela primeira vez o que hoje estamos vendo de forma bem clara: o frenesi com as consultorias unindo o tradicional papel consultivo ao entendimento profundo de dados e tecnologia e o nosso setor inteiro em choque.

Na época, iniciávamos um mergulho profundo no universo de tecnologia, com um dos nossos negócios sendo transformado para outro lado. Deixávamos de ser B2B para sermos exclusivamente B2C. Fizemos uma empresa de 8 anos e pioneira no seu setor virar novamente uma start up, só que agora, totalmente digital.

O futuro é ser veloz e certeiro. "Velocidade extrema", são as palavras de ordem. E, de novo, enxergávamos que isso não rimava com a nossa indústria.

Essa rica experiência do dia a dia que se seguiu, as parcerias e modelo de negócio totalmente novo e a avalanche de inovação que sofremos nos últimos tempos, de todos os lados na agência, naturalmente nos colocou numa sala de reunião com um quadro branco na frente e uma frase no alto: "Em 3 anos não vamos mais existir como hoje. O que faremos?"

Sempre foi dolorido pensar em mudar algo que está dando certo, trocar a roda de um carro que está rodando aparentemente macio. Escrever um novo propósito, então? Impensável.

Mas quando decidimos parar de negociar com o inevitável, com a revolução do setor, da comunicação, da sociedade e, principalmente, com nós mesmos,  a criatividade falou muito mais alto e a transformação vem acontecendo em todas as frentes. Foi primeiramente interna, comigo de frente do espelho e com meus sócios, e, agora, estamos desdobrando no time, nos clientes. Uma jornada que já dura mais de dois anos e não tem sido fácil. Mas é riquíssima e incrível.

A transformação digital não significa, obviamente, contratar alguém especialista em SEO, em mídias digitais ou criar uma área de dados como temos visto alguns movimentos. Não basta. Não transforma mind set da empresa e dificilmente a percepção do cliente para com a agência.

Na prática: dos últimos 18 meses, não lembro de um sequer dia sem que tenhamos mudado macro e micro processos internos, reinventado estratégias e produtos, adicionado funções e sistemas, e mudado o organograma sempre com a ótica de testar, errar e aprender para nos transformarmos realmente e verdadeiramente.

Da porta para fora, negociamos com clientes entregas diferentes, mais amplas das que estávamos acostumados e contratados e, além disso, avançamos em áreas que sequer considerávamos, como supply chain, sistemas de compras e treinamento de equipes.

Lembro de uma concorrência em uma gigante de telefonia, que ao final da nossa apresentação, as palavras do cliente, foram: "vocês nos apresentaram coisas que sequer estavam no mapa e precisaremos envolver outras áreas para o assunto seguir". A concorrência voltou a estaca zero e, logo depois, deixou de existir devido a esse fato.

Hoje não temos uma área de tecnologia ou gente que trabalha com dados apenas. Nos transformamos em uma empresa camaleônica, um mix, que sim, mantém a criatividade e comunicação como cerne, mas a cada dia que passa, felizmente, somos cada vez mais reconhecidos pelo envolvimento no negócio do cliente, da velocidade de implementação de projetos complexos e da transformação digital que passamos. 

Por: Rodolfo Carvalho

Head Client Services da AskMe






Comentários


Publicidade

Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2015.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2017. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss
Evento: Influenciadores Digitais