Artigos

Ao vivo - Hacks de Marketing Digital para enfrentar a crise
Publicidade
Publicidade
Digital

Nesta quarentena, aposte na newsletter!

Em tempos de isolamento social, newsletters são alternativas para se comunicar com o cliente e mantê-lo informado sobre suas ações, lançamento e atividades

Por Roberto Rocha - 31/03/2020

Com a crise que estamos vivendo, devido à Covid-19, muitas empresas têm liberado conteúdos gratuitos para profissionais em geral. E uma das formas de comunicar esse tipo de iniciativa é por meio de newsletters.

A newsletter tem uma metodologia particular, que deve ser bem compreendida para gerar bons negócios. Portanto, para fazer melhor uso dessa ferramenta, e conquistar novos leads, a leadlovers, plataforma de automação de marketing e vendas, criou um guia completo. Confira:

1 - Por que fazer uma newsletter?

Antes de entender como fazer uma newsletter, é importante identificar como o seu negócio pode se beneficiar com ela. As vantagens vão além de deixar os seus leads e clientes mais bem informados sobre as novidades do seu empreendimento.

Aqui estão quatro motivos para investir neste canal:

Formar uma boa lista de e-mails: Normalmente, a pessoa que recebe newsletters se cadastrou em uma lista. E não há público melhor do que aquele que demonstrou interesse em consumir seus conteúdos. Por isso, crie sua própria lista, convidando o público em redes sociais ou espalhando formulários em seu blog, por exemplo;

Criar e manter um relacionamento consistente com os consumidores: A partir disso, fica mais simples ter uma boa relação com os seus contatos. Sabe-se que eles têm ou já tiveram interesse na marca, e, com base nesta informação, produza e compartilhe conteúdos relevantes e segmentados para essa audiência;

Educar o mercado - As newsletters representam uma ótima chance de preparar melhor os prospects e leads para conhecerem mais o seu mercado, oferta e negócio. Clientes entendidos de um assunto tendem a valorizar mais as compras dentro dessa mesma área;

Ser visto como autoridade na sua área - Essa é uma das consequências de usar os conteúdos relevantes na sua newsletter. É natural que as pessoas se mostrem mais propensas a abrirem seus e-mails por acreditarem nas informações compartilhadas.

2 - Entenda a diferença entre newsletter e e-mail marketing

As newsletters são boletins informativos e periódicos enviados a uma lista mais apurada de contatos para compartilhar conteúdos de interesse do público, sem apelo comercial, tendo como finalidade a criação e a manutenção do relacionamento. São informações relacionadas às dúvidas e problemas da sua persona e ligadas à sua área de atuação, como links para publicações no blog, novidades sobre o negócio e, raramente, algum tipo de promoção de ofertas.

Já o e-mail promocional é constituído por mensagens comerciais. São modelos tão praticados quanto a newsletter, no entanto, com o único objetivo de conversão, ou seja, gerar vendas, assinatura ou downloads. Os e-commerces são investidores comuns desse tipo de e-mail marketing, até por proporcionar um contato direto e o retorno rápido do público.

As duas estratégias, apesar de diferentes, não se rivalizam, até porque é mais proveitoso usar os dois formatos juntos do que privilegiar somente um. Enquanto a newsletter pode ser aplicada para educar o público, o e-mail promocional aparece como opção quando uma conversão precisa ser estimulada. Aliás, uma depende da outra para avançar os leads pelo funil. Sem conteúdo não há interesse e sem oferta não há venda.

3 - Determine metas

Não inicie uma sequência de envios de newsletters sem metas definidas. É fundamental ter mapeados a estratégia em os resultados esperados. Para isso, seguem duas dicas:

Alinhe as metas com os seus objetivos: Elas são originadas de um objetivo principal definido para a campanha global de e-mail marketing. Logo, as metas estão espalhadas entre os formatos, e a newsletter, assim como o e-mail promocional, tem as suas próprias;

Crie metas alcançáveis: Outro princípio das metas é fazer com que elas sejam realistas. Independentemente de as metas serem delegadas para si mesmo ou para outras pessoas, é preciso planejar essa escolha para não criar expectativas altas ou baixas demais.

4 - Abuse de conteúdo!

O conteúdo ditará os resultados da sua newsletter. É o fator fundamental para trazer o sucesso ou o fracasso para esta estratégia. Por isso, destacamos três pontos essenciais nesta etapa: planejamento, produção e curadoria de conteúdos.

Panejamento - Adequar o seu conteúdo às preferências dos seus públicos. Para isso, a criação de personas é imprescindível, pois facilita a produção, a seleção dos tipos e o direcionamento dos seus conteúdos. Também é importante definir um cronograma de assuntos a serem abordados, baseados na persona e na linha editoria do blog, redes sociais e outros canais;

Produção - Ter como base o que é feito para o blog e redes sociais, não reproduzindo todo conteúdo no corpo de uma mensagem. É válido produzir e enviar conteúdos exclusivos para os assinantes da lista, como e-books, vídeos, promoção de eventos e acesso a grupos fechados de discussão;

Curadoria - A newsletter funciona como uma compilação de conteúdos, e o trabalho de seleção desses materiais é importantíssimo. Apesar de a prioridade ser a promoção de conteúdos próprios, também é permitida a seleção de materiais de terceiros. Mais interessante ainda seria estabelecer uma parceria com outros blogs para trocar conteúdos para os assinantes de ambos.

5 - Teste a sua newsletter

Após definir metas, preparar o conteúdo e criar modelos de newsletters para envio, chegou o momento de realizar o disparo para todos os contatos da sua lista, certo? Errado! Antes disso, é recomendável fazer testes com as suas mensagens para saber se o público não terá problemas para consumir as informações.

Os testes são fundamentais para evitar pequenos erros e, assim, obter mais resultados. Avalie a responsividade do design, se ele está se adaptando a diferentes telas e, principalmente, aos dispositivos móveis. Além disso, procure eliminar as possíveis dificuldades, como fontes, imagens e botões pequenos.

Também é possível enviar testes para uma minoria da sua lista (entre 5% e 15% do total de contatos) - uma espécie de "versão beta" do seu e-mail. Este disparo não servirá apenas para apontar falhas, mas, também, para medir a reação dos servidores, como as taxas de entrega, e das pessoas, como as taxas de abertura, cliques, respostas e outras métricas que veremos mais à frente.

6 - Seja pessoal

Essa dica é importante para criar empatia e proximidade com o contato logo de cara. A pessoalidade está em situações como quando começa a mensagem chamando o cliente pelo nome. Por exemplo: "Olá, 'Fulano'. Confira as novidades dessa semana do nosso blog", ou se apresenta com o seu nome na linha de assunto, no campo "de" (o remetente) e na assinatura do e-mail (aqui pode adicionar um link para sua rede social).

7 - Não exagere na frequência de envios

A frequência ideal é aquela em que sua marca não fica nem sumida ou inconveniente. Se achar prudente, envie um e-mail aos seus contatos com um questionário simples, perguntando o intervalo de dias em que ele deseja receber o e-mail.

Caso não seja possível, pode aumentar ou diminuir o ritmo dos disparos de acordo com as interações do público. Logo, quanto maior o engajamento, maior pode ser a frequência e vice-versa.

8 - Coloque um CTA voltado para vendas

Você pode até estranhar uma dica estimulando algo que vai contra os princípios de uma newsletter. O negócio é que, apesar de o foco ser o conteúdo, nada te impede de usar um canto pequeno na sua mensagem para fazer uma chamada para ação de conversão ou vendas, como um "Clique aqui para conhecer os nossos produtos", "Baixe nosso novo eBook sobre [...] gratuitamente" ou um "Compre até meia-noite na pré-venda e ganhe 20% de desconto".

9 - Use KPIs e mensure resultados

Apenas com mensuração é possível avaliar resultados. Aliás, esse também é um dos motivos para que essa prática voltasse a ganhar força, visto que a internet dispõe de ferramentas capazes de analisar, inclusive em tempo real, o desempenho das suas campanhas. A amostragem detalhará os pontos em que deve melhorar, eliminar ou testar.

Para isso, deve-se fazer o uso dos KPIs, sigla para Keys Performance Indicador ou Indicadores-chave de performance. São métricas mais relevantes, diretamente ligadas às suas metas e servem como parâmetro para analisar os resultados da sua estratégia. Os cinco principais KPIs para analisar em uma campanha de envio de newsletters são: taxa de entrega, taxa de abertura, taxa de cliques, taxa de conversão e oscilação da lista.

Ser bem-sucedido com o envio de newsletters requer planejamento, execução e mensuração diferentes de outras estratégias de marketing. Como não é uma ferramenta focada primeiramente em vendas, a preparação deve ser mais cuidadosa, pois a essência está na criação de um bom relacionamento com o público, no compartilhamento de informações relevantes e na agregação de valor para a marca. Enfim, são fatores que tornam o caminho até as vendas mais longo e trabalhoso, porém, mais certeiro e com melhores resultados.

Por: Roberto Rocha

CMO da leadlovers, plataforma completa de automação do marketing digital