Em defesa da Mídia Online | Mundo do Marketing

Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Artigos

Em defesa da Mídia Online

Por | 27/03/2006

pauta@mundodomarketing.com.br

Compartilhe
Em defesa da Mídia Online

Por Felipe Morais*

Há séculos, somos bombardeados por inúmeras mensagens. Começou com pequenos cartazes na idade média e foi crescendo. Veio o jornal e no século passado o rádio, a televisão e a grande revolução da comunicação e mídia: a Internet. Unindo computadores do mundo todo, permitindo que as pessoas pudessem conhecer qualquer parte do planeta sentados na frente de uma tela de computador, a Internet chegou como revolução, com uma grande arma: o fator real time proporcionado pela facilidade de inclusão e retirada de conteúdo em segundos.

A Internet hoje é a 1a fonte de informação, passando a frente de outras mídias tradicionais como televisão e rádio.Em março de 2006, são 33 milhões de usuários no Brasil, sendo que desses, 13,2 milhões são residenciais. A penetração nas classes AB é quase 100% e a classe C está em ritmo acelerado de crescimento, o que vai ajudar muito na conquista dos 40 milhões de usuários até o final de 2006, como muitos especialistas estão apontando.

Hoje, quase que 100% das empresas possuem acesso a Internet, e em poucas a conexão ainda é discada. Criou-se uma cultura o mercado, onde é impossível se trabalhar sem e-mail. Analisar a concorrência, pesquisas, se atualizar com o noticiário e até mesmo relaxar ou fazer contatos via mensagens instantâneas são outros benefícios que a Internet proporciona. Vale aqui lembrar, que os brasileiros são os recordistas em horas navegadas: 17h por mês, o que contribui para o aumento número de acessos a sites, como por exemplo UOL e TERRA que possuem mais de 15 milhões de acessos/mês. O Orkut, maior site de relacionamento no mundo, tem a sua maior base de cadastrados no Brasil.

Baseado nesses números defendo o uso da mídia online e explico o porque. Cerca de 1/6 da população tem acesso a essa mídia. O alto poder de compra - classes AB - possuem uma penetração de quase 100%. São 17h navegáveis e um detalhe primoroso: De segunda a sexta, das 9h às 18h a grande maioria das pessoas que computam os números acima estão em suas mesas de trabalho. Sem acesso a televisão, jornal, revista, rádio; não estão nas ruas para ver os outdoors, painéis e nem dentro de táxis, ônibus ou metrôs vendo as mídias desses veículos. Eles estão na frente do computador. A porta de entrada para a Internet. Estão vendo e-mail, conversando em programas de mensagens instantâneas, usando sites de busca, pesquisando a concorrência ou pagando uma conta no banco.

Sabe-se que 85% das decisões de compra são feitas no ponto de venda. A Internet pode ser um ponto de venda, uma vez que ao clicar em uma mídia em um site, o usuário é reportado ao site da empresa / produto ou em algum portal de compras como Submarino.com por exemplo.

Em 2005, o comercio online movimentou quase 10 bilhões de reais, aumento de 32% em relação ao ano anterior. A previsão para 2006 é que o mercado continue a crescer.

Links patrocinados podem ser considerados um fenômeno, pois as empresas criam anúncios voltados a usuários que realmente estão à procura do produto. Pode-se entrar em um site de busca, digitar "celular" e ter uma propaganda de uma loja de celular. Clicou, escolheu e comprou. Tudo isso em menos de 5 minutos e sem sair da frente do computador. As pessoas buscam facilidades, mordomias. O produto lhe é entregue no dia seguinte, pagamento feito na hora. Uma maravilha.

Enquanto países como os Estados Unidos gastam milhões de dólares em mídia online, o Brasil está apenas começando. Em 2004, apenas 1,6% de toda a verba publicitária foi destinada ao online. Mesmo sendo uma mídia barata em relação a outros veículos. Em 2005, 1,66%, cerca de R$ 265 milhões. Comparando 2004 com 2005, apenas a mídia online cresceu 19,1%. Ainda é pouco. Especialistas acreditam que em 2006, cerca de 5% da verba será destinada ao online. Até 2010 pode se chegar a 9 ou 10%, mas isso só vai acontecer se as empresas começarem a ver com "outros olhos" o poder que a Internet possui, a começar, dos seus próprios sites.

A Internet vem se transformando em uma plataforma de comunicação, a Web 2.0 é a dominação da mudança de Internet como sites para essa nova tendência. Os Blogs surgiram há pouco tempo e como uma brincadeira; hoje é uma forma de comunicação empresa-consumidor extremamente eficaz. Até o Orkut possui um lado comercial. Empresas avaliam como suas marcas estão sendo analisadas pelos consumidores com essas ferramentas. Acessam blogs e Orkut para ver as listas de discussões ou comunidades que levem o nome de sua empresa. Para se conseguir uma vaga em uma empresa, passa-se por entrevistas, dinâmicas, provas e avaliação do perfil no Orkut.
Existem milhões de sites na rede. É preciso analisar bem os veículos para não pulverizar a mensagem da empresa; focar em canais específicos onde o consumidor de cada marca realmente se interessa em acessar. É preciso também sair da mesmice e distribuir de forma organizada e planejada a mídia. O baixo "Custo por mil" da Internet possibilita isso.

O Internauta opta pelo o que ele quer ver na Internet, assim como opta na televisão e rádio. Ele escolhe as emissoras, os sites que deseja visitar. Os planejadores de mídia online devem estudar as métricas e os perfis dos sites, estudar o comportamento do usuário, o produto e oferecer a melhor solução aos clientes, que por sua vez, devem olhar com mais carinho a um veículo de comunicação em franca expansão. Não basta fazer mídia online, é preciso saber fazer.

* Felipe Morais é formado em publicidade e propaganda pela FMU e pós-graduado em planejamento estratégico em comunicação pela Univ. Metodista de São Paulo. Atualmente é gerente de projetos da Navigators e assessor de marketing da Upmkt e Celso Rangel produções.


Contato: lfmm@bol.com.br

Por: Redação




Comentários

Artigos do autor:

Brasil é um dos principais mercados para diversidade em Marketing

Black Friday une empresas na Virada Black Liberdade

Discriminação de gênero é problema entre meninas da Geração Z

Centennials: o novo motor econômico para as marcas

Após 15 anos, Roberto Gnypek deixa McDonald’s

Consumo de disco de vinil aumenta no Brasil

Tinder abre espaço para criadores de conteúdo

7 dicas para impulsionar as vendas de PMEs na Black Friday

Transações via smartphones representam 41% das vendas no Brasil

Relevância do Trade Marketing aumenta em agências, indústria e varejo

CMOs colaborativos são essenciais para crescimento de negócios

Compras do Dia das Crianças serão maiores em lojas físicas

3 Livros para auxiliar no planejamento de Marketing

Eleições e instabilidade não barraram investimentos em Marketing

Apesar do avanço de streaming, rádio impacta 86% da população

Inovação é necessidade estratégica para manter vantagem competitiva

Youtube mira no streaming e apresenta Youtube Music e Youtube Premium

Metade dos profissionais não colocam consumidores em primeiro lugar

Mercado de panetone cresce no Brasil

Smartphone será meio mais utilizado para compras do fim de ano

Preferência por fast-food varia conforme região brasileira

Fundação e Instituto Arcor lançam campanha de incentivo ao brincar

Mobile avança como mídia no mercado brasileiro

Infraestrutura das lojas virtuais garante o sucesso na Black Friday

5 tecnologias que mesclarão o trabalho entre humanos e máquinas

Pesquisa Heineken: mais da metade dos adultos bebem quando dirigem

PMEs estão confiantes na era da Inteligência Artificial

O que muda no atendimento ao consumidor com a API do WhatsApp

As 10 marcas mais lembradas pela diversidade em propaganda

Vivo, Raízen e Ericsson abrem chamada de startups com foco em IoT

Brasileiros são receptivos a anúncios digitais e querem personalização

5 inovações do Google Brasil em anúncios

Cabify faz parceria e product Marketing com Grupo Rouge

5 insights da Beleza na Terceira Idade

Grupo Edson Queiroz cria nova divisão de águas

Nível de atenção dos profissionais está mudando

C&A cria Fashion Futures para debater o futuro da moda

Brasil é o segundo maior país em buscas sobre beleza

Supermercado online avança globalmente

Comportamento do consumidor no quarto trimestre

Número de investimentos em insurtech sobem

Publicidade em aplicativos movimenta mais de 3 bilhões de dólares

Dia dos Pais aquece segundo semestre de 2018

Marketing 60+: a importância do consumidor sênior

Geração Z quer tecnologia para testar produtos na loja física

Busca por experiências fazem brasileiros se presentearem mais

Brasileiros preferem comprar online e buscar na loja física

Falta de experiência afasta consumidor do e-commerce

Homens são mais conservadores em relação aos produtos de beleza

Marcas crescem no Youtube com a Copa do Mundo



Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2018.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2018. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss