Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Artigos

Novas tendências do Globalshop 2006

Por | 16/05/2006

pauta@mundodomarketing.com.br

Compartilhe
Novas tendências do Globalshop 2006

Romano Pansera*

A Globalshop 2006 veio confirmar algumas tendências. Ficou claro que a única constante no varejo é a mudança. O teor das palestras apontava paradigmas que são quebrados, como lojas escuras e vitrines minimalistas que aumentam vendas e geram lucro. Nesse contexto, o ponto-de-venda está sendo usado como um ambiente envolvente, encantador, com um ritual que desperta os sentidos e provoca sensações no consumidor para levá-lo à compra.

A comida começa a ser tratada como algo fashion. Materiais ecologicamente corretos, de baixo custo e com maior durabilidade são os atuais insumos para displays. As soluções digitais, cada vez mais acessíveis e com preço baixo, estão sendo incorporadas pelas grandes cadeias varejistas.

Realizada no Orange Country Convention Center, em Orlando, no estado americano da Flórida, de 26 a 28 de março, a Globalshop 2006 reuniu seis feiras: a Store Fixturing Show, a Visual Merchandising Show, a Store Design & Operations, o POP Market-place, a Digital Store e a Retail Marketing Services. A produção do megaevento é de responsabilidade da VNU Expositions, empresa associada a ACNielsen Internacional.

O evento, assim como a Euroshop, acontece a cada três anos e apresenta todas as tendências, inovações, tecnologias e estratégias para o mercado varejista mundial. Os dois são complementares e reconhecidos pelo mercado como os maiores do mundo.

Mais uma vez, o Popai Brasil organizou uma caravana que contou com a participação de 30 empresários e executivos de várias empresas brasileiras. Ao todo, aproximadamente 20.000 executivos percorreram os corredores dos aproximadamente 25.000 metros quadrados de estandes.

A convenção aconteceu em vários auditórios, abordando temas inovadores, realizados pelas entidades patrocinadoras, sempre com a participação de profissionais de marketing do varejo, personalidades, professores, consultores e varejistas.

A importância do varejo, independentemente do canal ou formato, ficou destacada em todas as apresentações. O foco é o consumidor, realçando sua autonomia e autoridade em decidir em que momento, como e quanto quer comprar. Foram apresentadas diversas ferramentas de merchandising digitais, estruturas orgânicas e de ambientação cada vez mais necessárias ao varejista que precisa encantar o consumidor nos poucos minutos que ele fica no ambiente de compras.

Os fornecedores produzem todo tipo de produto ou serviço para atrair, muitas vezes, por segundos, a atenção do "shopper" que, em um ambiente médio de varejo, tem aproximadamente 12.000 itens expostos brigando pela sua atenção e disputando sua decisão de compra.

Dentre as diversas palestras, duas mereceram destaque. A primeira, do Chief Experience Officer - Brand Experience Lab, de David Polinchock. Ele comentou sobre a situação do mercado, em que muitos produtos e serviços têm ou estão se tornando commodities, com os consumidores e clientes tendo mais poder nas escolhas que fazem, colocando menos fé no mercado tradicional e no esforço para fazer vendas.

Para atuar nesse novo cenário, conforme o palestrante, é necessário mais do que táticas (um comercial criativo, um produto legal, ou um divertido e interativo display de loja) para criar uma identidade de marca que seja convincente para sua audiência. Os desafios são os seguintes: o fornecedor não controla mais a sua cadeia de distribuição e joga em campos lotados. Polinchock apresentou os componentes de uma experiência convincente de marca, necessários a qualquer organização empresarial que atua no varejo moderno:

Cultura - Uma experiência de marca que seja envolvente para o consumidor precisa de um entendimento perfeito de tendências culturais, necessidades, e sabedoria do que virá no futuro.

Criatividade - Apenas dizer aos consumidores as características e benefícios de seu produto não é suficiente. Para criar uma conexão mais forte com eles, os varejistas têm de levá-los, por meio de uma jornada, a descobrir a narração autêntica de suas marcas, para pular além da estratégia de contar estórias.

Tecnologia - Os públicos do varejo (leia-se consumidores) estão acostumados a usar a tecnologia no dia-a-dia. Para falar com eles na linguagem digital, para fazê-los felizes e os envolver, o varejista precisa encontrar novas tecnologias relevantes que ajudem a contar melhor a história da sua marca.

A outra palestra que mereceu destaque foi da Kate Ancketill, Managing Director da GDR Creative Intelligence, empresa inglesa que desenvolve projetos para Diageo, L´oreal, Marks & Spencer, P&G, Target, Tesco, Unilever, entre outras. Ela destacou o Novo Código Feminino "HEIDI - Highly Educated Independent Degree-carrying Individuals (crédito: Future Laboratory), afirmando que existem atualmente 10 milhões de consumidoras desse grupo no mercado europeu.

São consumidoras experientes que escolhem marcas, apóiam e respeitam seus estilos de vida, hábitos, desejos e ambições. Elas são "tudo de uma vez só", com alto conhecimento de marcas, e querem produtos que se encaixem em seu estilo de vida orientado socialmente. HEIDI é um setor crescente e exigente.

Comentou também que apresentar uma experiência desejável ao consumidor tornou-se uma arte em si. O varejo virtual acelera o processo de compras básico, dando para os consumidores maior tempo para "curar" suas experiências físicas de varejo, baseadas em prazer. Esclareceu que os consumidores respondem positivamente para o elemento de ritual ou cerimônia em suas experiências, uma oportunidade de se tornarem conhecedores de determinada marca.

Consumidores estão em busca de um novo nível de envolvimento e autenticidade nas ofertas que eles escolhem aceitar. Eles querem aprender mais sobre os produtos ou serviços, ver o processo nos bastidores e ter um poder de decisão maior em seu desenvolvimento.

A espontaneidade da marca quebra a comunicação de marcas para uma escala humana que pode responder rapidamente às mudanças e exigências do consumidor. Num mercado com crescente saturação de escolhas, a chave é o design e a apresentação. Ela sugere que se construam rituais para o processo de conhecimento e as experiências do consumidor com a sua marca.

A tecnologia pode aumentar o valor com a criação de centros de experiências humanas funcionais que são personalizados e que providenciam entretenimento. O zoneamento com cores, texturas e gráficos podem ajudar a fazer um ambiente mais facilmente navegável e compreensivo, o que ajuda nas vendas.

Porém, não se pode esquecer que nada disso vale sem uma equipe motivada e bem treinada que encante e satisfaça plenamente o seu consumidor.

*Romano Pansera é presidente da Promovisão Comunicação Estratégica e VP de Expansão do PopaI Brasil. Artigo Publicado originalmente pela Revista SuperVarejo nº70 edição de maio e cedido ao Mundo do Marketing

Por: Redação








Comentários

Artigos do autor:

Engajamento é fundamental para o sucesso do e-mail marketing

Santander cria serviço de transferência internacional com blockchain

Empresas consideram dados na definição da estratégia de negócios

Brasileiro está otimista e mais propenso a compras via mobile

Novos seniors são o futuro do crescimento do consumo

Tecnologia e mobilidade impactarão varejo nos próximos anos

Integração de canais fortalece campanhas multimídia

Ovos de Páscoa ficam até 40% mais baratos no e-commerce

Consumidores querem experiência omnichannel

Processo de compra se torna mais interativo e inteligente

Qualidade de vida: saúde é fator essencial para consumidores

Consumidores querem experiência omnichannel unificada

WhatsApp: usuários querem conversar com marcas, mas sem spam

Faturamento no comércio eletrônico de vestuário cresce 10% no Brasil

Royal resgata personagem Bocão em novo posicionamento

Por que o ano de 2018 é tão desafiador aos gestores?

Mobilidade é um dos elementos mais importantes pelas empresas

Livro traz coletânea de textos sobre o universo da inovação

Marketing de geolocalização é o tema de novo livro do IAB Brasil

Quatro tendências globais de beleza e cuidados pessoais para 2018

Seis tendências de Marketing de conteúdo em 2018

Natura &Co: Nova marca corporativa une Natura, Aesop e The Body Shop

Brasileiro teme compartilhar dados pessoais com empresas

Carros elétricos: uma tendência, múltiplos desafios

8 tendências de Marketing para o varejo em 2018

5 tendências em alimentos e bebidas para 2018

Brasileiros buscam economia em material escolar

Coca-Cola Brasil investe mais de R$ 1 bilhão em embalagens

Tendências em Digital e Mídia para 2018

Mundo do Marketing cria nova área com dicas de um minuto

Mercado brasileiro disputa varejo de conveniência

WGSN lista quatro tendências de consumo para 2018

TI e Marketing lideram a transformação digital

5 Tendências de Marketing para 2018

Shopping Crystal ganha mercado orgânico

2018: o ano do Marketing de Influência

Natal 2017: consumidor ainda mais maduro e compras moderadas

Gestores globais investem em tradução e localização para 2018

10 insights de mercado mais importantes de 2017

E-mail Marketing e o desafio da taxa de abertura baixa

Brasileiro busca serviço mais rápido e conveniente

Independência financeira é prioridade dos Millennials

7 estudos que tiveram destaque em 2017

Guia de Profissão Marketing Digital 2018

As 10 melhores ações de Marketing de 2017

10 fiascos de Marketing em 2017

10 pesquisas que tiveram destaque em 2017

Guia Salarial: profissional precisa se reinventar

Brasileiros estão mais conectados e desconfiados

Natal: Jornada de compra transita entre os universos digital e físico



Publicidade

Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2018.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2018. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss