Uma nova visão do marketing de relacionamento | Mundo do Marketing

Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Artigos

Uma nova visão do marketing de relacionamento

Uma nova visão do marketing de relacionamento

Por | 28/06/2006

pauta@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

Uma nova visão do marketing de relacionamento

*Otavio Dias

Anualmente, acontece nos Estados Unidos o DMA Conference, ainda o maior e mais importante evento de marketing direto do mundo, por ser 100% voltado ao segmento. Cannes, por outro lado, já se transformou em parada obrigatória para os profissionais de marketing direto, que ainda são minoria por aqui. Depois de acompanhar todo o processo de julgamento de cases do mundo todo e assistir a v�rias palestras e debates com grandes nomes do nosso setor, encorajo-me a pontuar algumas percepções sobre o futuro da nossa disciplina.

1) A grande idéia criativa (a grande sacada) passa a ser tão importante quanto o detalhamento da estratégia:

Todo profissional de marketing direto (mesmo os criativos!) tende a valorizar muito a estratégia (normalmente bastante complexas na nossa disciplina, recheadas de freqüência e seqüência de impactos, segmentações sofisticadas, diferentes ferramentas (e-mails, sms, malas-diretas, telemarketing), testes, etc). No entanto, dado o controle que o consumidor passou a ter no processo de comunicação (opt-out e opt-down de listas, por exemplo), para conseguirmos engajá-lo em qualquer estratégia de relacionamento, a idéia deve estar acima de tudo: emocionando, chocando, fazendo rir, fazendo chorar. Enfim, acabou a era do marketing direto careta, estamos na era do marketing direto inovador, ousado e altamente criativo é o que não significa complexo. Normalmente, as grandes idéias são de uma simplicidade genial. Basta ver o Grand Prix de Cannes deste ano.

2) O marketing de relacionamento será cada vez mais "multimídia":

Vários cases demonstram que existe uma enorme sombra entre o marketing direto tradicional (DIRECT), o trabalho digital (DIGITAL) e as ações promocionais (EVENTOS, PROMOÇÕES, PONTOS-DE-VENDA/SHOPPER MARKET). Afinal, o consumidor é o mesmo e uma estratégia de relacionamento coerente deve estar permeada em todos estes pontos de contato. O conceito mais correto de CRM sempre afirmou isso: não importa onde está o contato com o consumidor. Se existe um banco de dados estruturado, ele deve viabilizar a sua identificação onde quer que a interação aconteça.

3) O resgate do diálogo e da voz do consumidor:

Apesar de toda a evolução tecnológica, houve um afastamento da essência do diálogo com o consumidor (que surgiu fortemente na década de 80 com o advento dos Call Centers). Percebi claramente um resgate da tentativa de ouvir mais o consumidor. Vários cases utilizaram cartas de consumidor (mesmo que simuladas) para conversar com diferentes públicos, numa demonstração evidente de que o consumidor quer ser mais (e melhor) ouvido. Um exemplo desta percepção é o case de lançamento da câmera da Sony, no qual o trade recebeu um pacote com várias cartas de consumidores estimulando a geração de demanda das câmeras pelas redes de varejo. Vale a pena conferir.

4) Conteúdo e Engagement :

O futuro da comunicação está nestas duas palavras-chave. O consumidor controlará cada vez mais a sua interação com as diferentes disciplinas de comunicação. Ele escolhe se quer ou não assistir a um comercial (pode bloqueá-lo, pode montar sua programação na web, etc), escolhe se quer ou não ouvir uma programação de rádio (ou se prefere manter seu iPOD ligado o dia todo com a programação que ele mesmo montou), se quer receber um e-mail (pois tem sempre a possibilidade de solicitar o opt-out). Enfim, ele realmente está no controle da situação. Isto não é mais um discurso, mas algo real. Assim, a atitude receptiva (marca -> consumidor) se inverte e o consumidor escolhe com que marca deseja interagir (consumidor -> marca). Neste contexto, as marcas deverão estar inseridas nos assuntos de seu interesse, num formato atraente e efetivamente RELEVANTE. Não basta comunicar, agora é preciso agregar VALOR no relacionamento com o consumidor. Exatamente por isso as agências estarão cada vez mais desafiadas a agregarem CONTEÚDO em suas estratégias. Aqui reside uma oportunidade incrível, pois apesar da dificuldade na captação da atenção deste consumidor, uma vez captada, a interação da marca poderá evoluir de alguns segundos para interações de muitos minutos. Tudo dependerá da criatividade de cada anunciante. A ponte entre a propaganda e o relacionamento já está acontecendo em vários lugares do mundo através da TV Interativa, que direciona em tempo real o consumidor para sites altamente interativos que, além de informações sobre produtos, traz diversos mecanismos de interação, como vídeos, games, blogs e chats. Aqui reside a nova onda da comunicação mundial: levar o CONTEÚDO certo para o consumidor certo, numa estratégia inteligente de captação de seus dados e de relacionamento continuado (cadastramento+opt-in+relacionamento contínuo = ENGAGEMENT).

Fica a grande dúvida: dentro deste cenário, qual o futuro da comunicação?

Volto com a sensação de um mundo realmente modificado. Por outro lado, desmistifico a visão de que a propaganda tradicional morrerá. Sempre haverá espaço para a propaganda tradicional, que apenas passará a dar muito mais atenção ao assunto CONTEÚDO e a dividir mais espaço com as disciplinas de relacionamento, em especial, as digitais.

Acredito firmemente que, nos próximos anos, os grandes anunciantes concentrarão seus esforços de comunicação em dois parceiros estratégicos:
1) Awareness = os guardiões da imagem da marca, com foco em Branding;
2) Relationship = os guardiões da experiência do consumidor com a marca.

A propaganda continuará cumprindo com o seu papel de construir uma imagem, transformar marcas em sonhos, aspirações, desejos. Todas as disciplinas de relacionamento (Direct, Digital, Design/Promotion/POS/Shopper Market) serão responsáveis por garantir que a experiência do consumidor com a marca, o seu contato direto na loja, no ponto-de-venda, no site, no Call Center, numa mala-direta, numa revista ou num evento seja extremamente coerente com a imagem que a propaganda construiu. É um trabalho que deve ser regido com total maestria pelo cliente e seus comitês de comunicação, recheados de especialistas em cada área. A propaganda continua com a missão de construir a imagem ideal para a marca. As estratégias de relacionamento serão cada vez mais responsáveis por manter esta imagem ao longo dos anos; entregando e, preferencialmente, surpreendendo o consumidor frente à "promessa" da marca: em cada atitude, em cada detalhe, em cada contato.

* Otávio Dias, presidente da GreyZest Direct, integrante da Holding MatosGrey e do Grey Global Group, foi júri na categoria Lions Direct do Festival de Cannes de 2006.

Por: Redação




Comentários

Artigos do autor:

Brasil é um dos principais mercados para diversidade em Marketing

Black Friday une empresas na Virada Black Liberdade

Discriminação de gênero é problema entre meninas da Geração Z

Centennials: o novo motor econômico para as marcas

Após 15 anos, Roberto Gnypek deixa McDonald’s

Consumo de disco de vinil aumenta no Brasil

Tinder abre espaço para criadores de conteúdo

7 dicas para impulsionar as vendas de PMEs na Black Friday

Transações via smartphones representam 41% das vendas no Brasil

Relevância do Trade Marketing aumenta em agências, indústria e varejo

CMOs colaborativos são essenciais para crescimento de negócios

Compras do Dia das Crianças serão maiores em lojas físicas

3 Livros para auxiliar no planejamento de Marketing

Eleições e instabilidade não barraram investimentos em Marketing

Apesar do avanço de streaming, rádio impacta 86% da população

Inovação é necessidade estratégica para manter vantagem competitiva

Youtube mira no streaming e apresenta Youtube Music e Youtube Premium

Metade dos profissionais não colocam consumidores em primeiro lugar

Mercado de panetone cresce no Brasil

Smartphone será meio mais utilizado para compras do fim de ano

Preferência por fast-food varia conforme região brasileira

Fundação e Instituto Arcor lançam campanha de incentivo ao brincar

Mobile avança como mídia no mercado brasileiro

Infraestrutura das lojas virtuais garante o sucesso na Black Friday

5 tecnologias que mesclarão o trabalho entre humanos e máquinas

Pesquisa Heineken: mais da metade dos adultos bebem quando dirigem

PMEs estão confiantes na era da Inteligência Artificial

O que muda no atendimento ao consumidor com a API do WhatsApp

As 10 marcas mais lembradas pela diversidade em propaganda

Vivo, Raízen e Ericsson abrem chamada de startups com foco em IoT

Brasileiros são receptivos a anúncios digitais e querem personalização

5 inovações do Google Brasil em anúncios

Cabify faz parceria e product Marketing com Grupo Rouge

5 insights da Beleza na Terceira Idade

Grupo Edson Queiroz cria nova divisão de águas

Nível de atenção dos profissionais está mudando

C&A cria Fashion Futures para debater o futuro da moda

Brasil é o segundo maior país em buscas sobre beleza

Supermercado online avança globalmente

Comportamento do consumidor no quarto trimestre

Número de investimentos em insurtech sobem

Publicidade em aplicativos movimenta mais de 3 bilhões de dólares

Dia dos Pais aquece segundo semestre de 2018

Marketing 60+: a importância do consumidor sênior

Geração Z quer tecnologia para testar produtos na loja física

Busca por experiências fazem brasileiros se presentearem mais

Brasileiros preferem comprar online e buscar na loja física

Falta de experiência afasta consumidor do e-commerce

Homens são mais conservadores em relação aos produtos de beleza

Marcas crescem no Youtube com a Copa do Mundo



Acervo

Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2018.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2018. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss