Publicidade: um princípio democrático | Mundo do Marketing

Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Artigos

Publicidade: um princípio democrático

Publicidade: um princípio democrático

Por | 20/02/2008

pauta@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

Publicidade: um princípio democrático

Por Moisés Efraym*

"Pode-se mesmo dizer que a polis existe apenas na medida em que se distinguiu um domínio público, nos dois sentidos diferentes, mas solidários do termo: um setor de interesse comum, opondo-se aos assuntos privados; práticas abertas, estabelecidas em pleno dia, opondo-se a processos secretos"

Pode parecer estranho que um artigo inicie por uma citação. Mas, segundo Aristóteles, é exatamente assim que começa a Filosofia: um espanto; um estranhamento ou uma sensação de que as coisas a nossa volta não são exatamente como a gente se habituou a perceber. As palavras acima pertencem ao clássico As Origens do Pensamento Grego do helenista Jean-Pierre Vernant e destacam um dos três princípios que nortearam o surgimento da sociedade democrática na Grécia do século VI a.C.: preeminência da palavra, publicidade e isonomia.

Com a criação da agência N.W. Ayer & Son em 1841 por Volney Palmer e a conseqüente e progressiva profissionalização da intermediação entre "anunciantes" e "consumidores", constituiu-se um sentido para o termo "publicidade" que, por um lado, divide os especialistas quanto a definição mais precisa e, por outro, se confronta com aquele sentido originário de que Vernant nos dá notícia.

Conforme foi destacado no artigo Filosofia do Consumo, o debate acerca da "responsabilidade social" no segmento publicitário está em pleno andamento e consiste em descobrir maneiras de diluir o contra-senso entre o estímulo ao consumo por intermédio de estratégias que caracterizam a profissão e a necessidade de promover a conscientização para um "desenvolvimento sustentável". 

Segundo o helenista, "um setor de interesse comum" e "práticas abertas", caracterizam a publicidade naquele sentido que ensejou a sociedade democrática. Ao praticar atividades que vão desde a construção de estratégias de venda e sedução até a compra de mídia - que já era praticada por Palmer pela cobrança de 25% dos jornais para a venda de espaço publicitário - a publicidade, em sentido mercadológico, favorece interesses privados (anunciantes) em detrimento do interesse público (consumidores).

Essa reversão dos princípios não indica um "defeito congênito" do segmento publicitário, mas a conformação de uma profissão que nasceu e se desenvolveu sob a égide de um regime econômico liberal. Ou seja, o problema é que não há nada de errado com a prática publicitária! O "pecado" que o debate sobre a "responsabilidade social" tenta consertar não tem solução ou perdão porque, simplesmente, ele não existe.

O que há, de fato, é um momento de crise de identidade social e profissional lastreado, respectivamente, na função historicamente consagrada para o segmento e na ausência de uma clareza e distinção (como diria Descartes) que caracterize os profissionais de Marketing e Publicidade. E o que é uma crise senão uma transição histórica de definição de um novo paradigma?

As práticas de Marketing e Publicidade são multidisciplinares por princípio. Isso demonstra o quanto o seu objeto, que auxiliaria na definição da atividade profissional, é algo que ainda deve ser constituído. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que a crise atual é um reclame da publicidade pelo resgate de um sentido original que aponta para o fato de que o seu único objeto é aquele para o qual ela surge: tornar possível a sociedade democrática.

Mas o que é essa "publicidade" personificada a que a metáfora se refere senão o próprio conjunto social - incluindo todos os profissionais do segmento publicitário - ansiando pela transição dos valores estabelecidos pelo chamado "terceiro ciclo do Capital". Em se tratando de "farinha pouca meu pirão primeiro", é compreensível o investimento em marketing científico ou nanomarketing que buscam maximizar o acesso ao consumidor na busca de um full service perfeito, mas quando se trata de traduzir em um pouco mais do que discurso politicamente correto o apelo para um consumo responsável, há que se observar o resgate do sentido próprio do termo Publicidade.

* Moisés Efraym é filósofo.

Por: Redação




Comentários

Artigos do autor:

Gas Natural Fenosa passa a se chamar Naturgy

Brasileiros dão mais atenção à qualidade do que ao preço

9 tendências de consumo entre brasileiros

4 livros de Marketing para leitura de fim de ano

Como alavancar sua estratégia de Inbound Marketing

Black Friday deve crescer 13,3% em relação a 2017

Marcas se destacam ao antecipar Black Friday

Como fidelizar clientes após a Black Friday?

Brasil é um dos principais mercados para diversidade em Marketing

Black Friday une empresas na Virada Black Liberdade

Discriminação de gênero é problema entre meninas da Geração Z

Centennials: o novo motor econômico para as marcas

Após 15 anos, Roberto Gnypek deixa McDonald’s

Consumo de disco de vinil aumenta no Brasil

Tinder abre espaço para criadores de conteúdo

7 dicas para impulsionar as vendas de PMEs na Black Friday

Transações via smartphones representam 41% das vendas no Brasil

Relevância do Trade Marketing aumenta em agências, indústria e varejo

CMOs colaborativos são essenciais para crescimento de negócios

Compras do Dia das Crianças serão maiores em lojas físicas

3 Livros para auxiliar no planejamento de Marketing

Eleições e instabilidade não barraram investimentos em Marketing

Apesar do avanço de streaming, rádio impacta 86% da população

Inovação é necessidade estratégica para manter vantagem competitiva

Youtube mira no streaming e apresenta Youtube Music e Youtube Premium

Metade dos profissionais não colocam consumidores em primeiro lugar

Mercado de panetone cresce no Brasil

Smartphone será meio mais utilizado para compras do fim de ano

Preferência por fast-food varia conforme região brasileira

Fundação e Instituto Arcor lançam campanha de incentivo ao brincar

Mobile avança como mídia no mercado brasileiro

Infraestrutura das lojas virtuais garante o sucesso na Black Friday

5 tecnologias que mesclarão o trabalho entre humanos e máquinas

Pesquisa Heineken: mais da metade dos adultos bebem quando dirigem

PMEs estão confiantes na era da Inteligência Artificial

O que muda no atendimento ao consumidor com a API do WhatsApp

As 10 marcas mais lembradas pela diversidade em propaganda

Vivo, Raízen e Ericsson abrem chamada de startups com foco em IoT

Brasileiros são receptivos a anúncios digitais e querem personalização

5 inovações do Google Brasil em anúncios

Cabify faz parceria e product Marketing com Grupo Rouge

5 insights da Beleza na Terceira Idade

Grupo Edson Queiroz cria nova divisão de águas

Nível de atenção dos profissionais está mudando

C&A cria Fashion Futures para debater o futuro da moda

Brasil é o segundo maior país em buscas sobre beleza

Supermercado online avança globalmente

Comportamento do consumidor no quarto trimestre

Número de investimentos em insurtech sobem

Publicidade em aplicativos movimenta mais de 3 bilhões de dólares



Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2018.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2018. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss