Marketing é circunstância | Mundo do Marketing

Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Artigos

Marketing é circunstância

Marketing é circunstância

Por | 17/08/2006

pauta@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

Marketing é circunstância

*Daniel Domeneghetti

Vivemos épocas de angústia generalizada. E é sabido que o consumo é dos melhores escapes que o ser humano encontrou ao longo de sua evolução para equilibrar as sensações de perda, derrota, fracasso, medo, insegurança e tristeza, tão naturais de nossa natureza. Assim, quando se diz que consumo é impulso, não se exagera em momento algum. Consumo, no fundo, é uma atividade motivada por algo; portanto, impulsionada.

A essência e o reason why desse impulso e motivações podem ter inúmeras origens e inúmeros propósitos. Freud definiu as motivações humanas em dois grupos: fugir da dor (compra por necessidade, restrição, desespero, imposição etc) ou buscar o prazer (compra por desejo, sonho, competição, satisfação etc). E é assim que funciona mesmo. Ou consumimos para fugir da dor (remédios e passagens aéreas) ou para buscar o prazer (medicamentos e passagens aéreas).

Explico: Se compramos um remédio para nos medicarmos contra uma infecção intestinal, adquirimos um produto para fugir da dor. Denomino isso de Consumo Defensivo. Ao contrário, se compramos um remédio para ajudar a definir esteticamente nosso abdômen, consumimos algo em busca do prazer. Denomino isso de Consumo Positivo.

Na mesma toada, se compramos uma passagem aérea para mudarmos de cidade porque não agüentamos mais a violência, praticamos consumo defensivo, ao passo que, se compramos uma passagem aérea para viajarmos por 15 dias de férias na Polinésia, praticamos consumo positivo. Isso significa que o tipo de consumo e nossas motivações DEPENDEM. Do quê? Das circunstâncias em que vivemos.

Essa talvez seja a principal lição da ciência da gestão proposta por Clemente Nóbrega em seu último livro: Marketing é circunstância. A essência do marketing é o ser humano; portanto, marketing é, antes de tudo, antropomarketing.

Desse modo, sugiro fortemente aos estrategistas e planejadores de Marketing que, ao definirem seu próximo mercado, planejarem seu futuro lançamento, construírem sua estratégia de posicionamento de marca e estrutura de alianças e distribuição, somente o façam se tiverem mapeado, em qualidade, as circunstâncias em que esse novo produto, serviço ou marca pode interagir com o consumidor potencial, se concentrando menos em atributos (tanto do consumidor quanto do produto/serviço em si) e mais no processo de interação (razões, momentos, valores).

Isso porque pessoas querem que tarefas sejam feitas e produtos e serviços sejam reforçados pela marca e por tudo mais que os envolve (distribuição, promoções, vantagens, embalagens, propaganda etc), e que as necessidades sejam supridas nas circunstâncias em que é necessário que sejam - e isso depende!

Neste caso, a pergunta certa a se fazer não é "Quem compraria esse novo produto que queremos lançar" ou "Quanto um cliente pagaria por este serviço extra", mas sim "Em que circunstância (momento, situação etc) esse meu produto (qual, como) resolveria (de que forma) algum problema (qual problema) de algum tipo de pessoa (os clientes potenciais)" ou "Quanto vale (valor de percepção traduzido em moeda) resolver (como, quando) este problema (qual) para aquela pessoa (qual) com esse serviço extra (qual, como)?".

Isso é planejar marketing para circunstâncias. Responder a essas questões é entender de consumo, bem como das motivações e aspirações dos consumidores. Quer testar?

Quanto você pagaria por um hot dog em uma van na Avenida Paulista (1)? Um, dois, até três reais... não mais do que isso, certo?

E quanto você pagaria por um hot dog em uma lanchonete do tipo New Dog ou Fifties (2)? Cinco, seis reais, certo? Opa! A marca e a experiência, que trazem consigo a percepção superior de qualidade pesaram e você aceitou pagar mais por, basicamente o mesmo produto, certo?

Agora pergunto: quanto você pagaria por um hot dog se estivesse na Somália em uma tribo passando fome (3)? Ah! Não tem preço?!

Obrigado por comprovar minha tese de que o preço não é atributo do produto, mas fruto da percepção do cliente, derivada de sua situação circunstancial. Nos três exemplos acima, passamos de comer, se alimentar (1), para sair, se divertir (2), para sobreviver (3).

O mesmo produto para a mesma pessoa, em circunstâncias diferentes, têm valores (portanto preços) diferentes.

Marketing circunstancial é isso. Menos atributos e mais circunstâncias. Sacar isso (e conseguir mapear e planejar em cima) é entender praticamente tudo!

*Daniel Domeneghetti é CEO da DOM Strategy Partners, sócio-fundador da E-Consulting Corp., presidente do Instituto Titãs e vice-presidente de Métricas e Conhecimento da Camara-e.net (Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico).

Por: Redação




Comentários

Artigos do autor:

Gas Natural Fenosa passa a se chamar Naturgy

Brasileiros dão mais atenção à qualidade do que ao preço

9 tendências de consumo entre brasileiros

4 livros de Marketing para leitura de fim de ano

Como alavancar sua estratégia de Inbound Marketing

Black Friday deve crescer 13,3% em relação a 2017

Marcas se destacam ao antecipar Black Friday

Como fidelizar clientes após a Black Friday?

Brasil é um dos principais mercados para diversidade em Marketing

Black Friday une empresas na Virada Black Liberdade

Discriminação de gênero é problema entre meninas da Geração Z

Centennials: o novo motor econômico para as marcas

Após 15 anos, Roberto Gnypek deixa McDonald’s

Consumo de disco de vinil aumenta no Brasil

Tinder abre espaço para criadores de conteúdo

7 dicas para impulsionar as vendas de PMEs na Black Friday

Transações via smartphones representam 41% das vendas no Brasil

Relevância do Trade Marketing aumenta em agências, indústria e varejo

CMOs colaborativos são essenciais para crescimento de negócios

Compras do Dia das Crianças serão maiores em lojas físicas

3 Livros para auxiliar no planejamento de Marketing

Eleições e instabilidade não barraram investimentos em Marketing

Apesar do avanço de streaming, rádio impacta 86% da população

Inovação é necessidade estratégica para manter vantagem competitiva

Youtube mira no streaming e apresenta Youtube Music e Youtube Premium

Metade dos profissionais não colocam consumidores em primeiro lugar

Mercado de panetone cresce no Brasil

Smartphone será meio mais utilizado para compras do fim de ano

Preferência por fast-food varia conforme região brasileira

Fundação e Instituto Arcor lançam campanha de incentivo ao brincar

Mobile avança como mídia no mercado brasileiro

Infraestrutura das lojas virtuais garante o sucesso na Black Friday

5 tecnologias que mesclarão o trabalho entre humanos e máquinas

Pesquisa Heineken: mais da metade dos adultos bebem quando dirigem

PMEs estão confiantes na era da Inteligência Artificial

O que muda no atendimento ao consumidor com a API do WhatsApp

As 10 marcas mais lembradas pela diversidade em propaganda

Vivo, Raízen e Ericsson abrem chamada de startups com foco em IoT

Brasileiros são receptivos a anúncios digitais e querem personalização

5 inovações do Google Brasil em anúncios

Cabify faz parceria e product Marketing com Grupo Rouge

5 insights da Beleza na Terceira Idade

Grupo Edson Queiroz cria nova divisão de águas

Nível de atenção dos profissionais está mudando

C&A cria Fashion Futures para debater o futuro da moda

Brasil é o segundo maior país em buscas sobre beleza

Supermercado online avança globalmente

Comportamento do consumidor no quarto trimestre

Número de investimentos em insurtech sobem

Publicidade em aplicativos movimenta mais de 3 bilhões de dólares



Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2018.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2018. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss