Planejamento Estratégico ? Que Monstro é este? | Mundo do Marketing

Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Artigos

Planejamento Estratégico ? Que Monstro é este?

Planejamento Estratégico ? Que Monstro é este?

Por | 17/07/2006

pauta@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

Planejamento Estratégico - Que Monstro é este?

*José Carlos Aguilera

Nos dias atuais, talvez o conceito mais impreciso utilizado nas empresas seja o "Planejamento Estratégico". Em algumas organizações, o termo pode representar uma camisa-de-força imposta pela burocracia que cerceia toda e qualquer flexibilidade e alinhamento com a realidade. Em outras, é confundido com o orçamento, normalmente anual, e se perde entre inúmeras tabelas de lucros e perdas e estruturas de custos. Afinal que monstro é este?

Para explicar este conceito, me lembro do diálogo entre o Gato de Botas e Alice, descrito no clássico Alice no País das Maravilhas de Lewis Carrol. Nesta passagem, Alice pergunta ao Gato:

"- Poderia me dizer, por favor, que caminho devo tomar para sair daqui?". E o Gato responde: "- Isso depende bastante de onde você quer chegar". Alice responde que o lugar não importa muito, desde que chegue a algum lugar. E o Gato diz que "então, não importa que caminho ela irá tomar", e alerta a menina de que irá "certamente chegar a algum lugar se caminhar bastante".

O "Planejamento Estratégico" é isto: definir exatamente onde está, para onde quer ir, o porquê quer ir e estabelecer o caminho de menor esforço para empreender tal transição. É uma peça conceitual que deriva da visão organizacional, passa pela materialização da Arquitetura Estratégica (de Prahalad & Hamel), se divide em diferentes visões e objetivos (através do Mapa Estratégico de Norton e Kaplan) e avalia detalhadamente cada atividade, considerando seu custo e benefício através de um Orçamento Base Zero (de Peter Phyr). Planejar a estratégia é criar o futuro de uma organização, de forma estruturada com sensibilidade e criatividade.

Temos que determinar em que grau nossa "indústria" se encontra no ciclo de turbulência econômica. Processo que o espectro vai de uma "indústria" tradicional - em que o conceito de evolução no tempo segue o modelo histórico com baixa evolução tecnológica, produtora de bens físicos, tangíveis, átomos - para uma "indústria" da nova economia - em que a evolução se dá por ruptura com o passado, com alta evolução tecnológica, produtora de conhecimento, idéias, bits. O entendimento de aonde nossa "indústria" se encontra é fundamental para determinar o tipo de estratégia que proporcionará melhores vantagens competitivas sustentáveis neste tipo de negócio.

Para o entendimento de onde estamos, é imprescindível a análise das forças que regem o mercado, que no modelo de M. Porter são cinco: poder de barganha dos fornecedores, rivalidade entre os concorrentes, poder de barganha dos clientes, entrada de novos concorrentes e produtos substitutos. A reflexão deve envolver fatores que determinam a margem do negócio e os riscos da indústria, buscando entender qual é a estratégia competitiva atual, ou seja, quais são as vantagens competitivas que conseguimos desenvolver, como elas nos permitem obter a preferência dos clientes e qual a rentabilidade de nossa empresa comparada a da concorrência.

Com base nos conceitos de M. Porter, há duas estratégias principais: a de liderança de custos e a diferenciação. A primeira implica que nossa empresa é a melhor do setor em eficiência operacional e por isso temos os menores custos. Já na diferenciação somos reconhecidos como a melhor marca ou a empresa mais inovadora do setor. Independente da estratégia, o importante é que ela se sustente no tempo. Para isso é fundamental que os clientes reconheçam esta estratégia e prefiram nossos produtos em função delas. Se nós temos melhores custos, então temos que ser capazes de manter e ganhar market share com estratégias agressivas de preços, mantendo um bom nível de lucratividade suportado por custos baixos. Por outro lado, se obtemos a preferência dos clientes pelos investimentos publicitários, ou por meio de investimentos em P&D para desenvolver produtos diferenciados, temos que ser capazes de obter um preço maior por nossos produtos que permita cobrir os custos da diferenciação. Isto determinará se nossas estratégias serão perenes e resistirão ao ataque da concorrência.

O caminho para atingir a estratégia é baseado no Mapa Estratégico do Balance Score Card (BSC) de Kaplan e Norton. Ao desmembrar o objetivo nas dimensões dos Acionistas, dos Clientes, dos Processos Internos e do Aprendizado e Crescimento, a metodologia permite o detalhamento e a correlação entre ações e a estratégia, envolvendo e comprometendo toda a equipe da organização. Em complemento, a ferramenta Orçamento Base Zero (Peter Phyr) permite o detalhamento total das atividades, a análise de custos e benefícios e uma visão futura da empresa sem o viés de orçamentos a anteriores.

Como último ponto cabe ressaltar, como diz um de meus sócios da Galeazzi&Associados, que o planejamento estratégico é uma trilha, um Norte e não um trilho fixo e imutável para a organização.

*J.C.Aguilera é sócio-diretor da Galeazzi & Associados, Graduado e Pós-Graduado em Administração de Empresas pela EAESP - FGV com curso de Strategic Marketing Management pela Harvard Business School. O artigo se baseia no livro "Turnaround, a verdadeira destruição criativa" dos autores JC Aguilera e LC Lazarini, em fase de produção. Contato: aguilera@galeazzi.com.br

Por: Redação




Comentários

Artigos do autor:

Brasil é um dos principais mercados para diversidade em Marketing

Black Friday une empresas na Virada Black Liberdade

Discriminação de gênero é problema entre meninas da Geração Z

Centennials: o novo motor econômico para as marcas

Após 15 anos, Roberto Gnypek deixa McDonald’s

Consumo de disco de vinil aumenta no Brasil

Tinder abre espaço para criadores de conteúdo

7 dicas para impulsionar as vendas de PMEs na Black Friday

Transações via smartphones representam 41% das vendas no Brasil

Relevância do Trade Marketing aumenta em agências, indústria e varejo

CMOs colaborativos são essenciais para crescimento de negócios

Compras do Dia das Crianças serão maiores em lojas físicas

3 Livros para auxiliar no planejamento de Marketing

Eleições e instabilidade não barraram investimentos em Marketing

Apesar do avanço de streaming, rádio impacta 86% da população

Inovação é necessidade estratégica para manter vantagem competitiva

Youtube mira no streaming e apresenta Youtube Music e Youtube Premium

Metade dos profissionais não colocam consumidores em primeiro lugar

Mercado de panetone cresce no Brasil

Smartphone será meio mais utilizado para compras do fim de ano

Preferência por fast-food varia conforme região brasileira

Fundação e Instituto Arcor lançam campanha de incentivo ao brincar

Mobile avança como mídia no mercado brasileiro

Infraestrutura das lojas virtuais garante o sucesso na Black Friday

5 tecnologias que mesclarão o trabalho entre humanos e máquinas

Pesquisa Heineken: mais da metade dos adultos bebem quando dirigem

PMEs estão confiantes na era da Inteligência Artificial

O que muda no atendimento ao consumidor com a API do WhatsApp

As 10 marcas mais lembradas pela diversidade em propaganda

Vivo, Raízen e Ericsson abrem chamada de startups com foco em IoT

Brasileiros são receptivos a anúncios digitais e querem personalização

5 inovações do Google Brasil em anúncios

Cabify faz parceria e product Marketing com Grupo Rouge

5 insights da Beleza na Terceira Idade

Grupo Edson Queiroz cria nova divisão de águas

Nível de atenção dos profissionais está mudando

C&A cria Fashion Futures para debater o futuro da moda

Brasil é o segundo maior país em buscas sobre beleza

Supermercado online avança globalmente

Comportamento do consumidor no quarto trimestre

Número de investimentos em insurtech sobem

Publicidade em aplicativos movimenta mais de 3 bilhões de dólares

Dia dos Pais aquece segundo semestre de 2018

Marketing 60+: a importância do consumidor sênior

Geração Z quer tecnologia para testar produtos na loja física

Busca por experiências fazem brasileiros se presentearem mais

Brasileiros preferem comprar online e buscar na loja física

Falta de experiência afasta consumidor do e-commerce

Homens são mais conservadores em relação aos produtos de beleza

Marcas crescem no Youtube com a Copa do Mundo



Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2018.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2018. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss