Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Artigos

Planejamento Estratégico ? Que Monstro é este?

Planejamento Estratégico ? Que Monstro é este?

Por | 17/07/2006

pauta@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

Planejamento Estratégico - Que Monstro é este?

*José Carlos Aguilera

Nos dias atuais, talvez o conceito mais impreciso utilizado nas empresas seja o "Planejamento Estratégico". Em algumas organizações, o termo pode representar uma camisa-de-força imposta pela burocracia que cerceia toda e qualquer flexibilidade e alinhamento com a realidade. Em outras, é confundido com o orçamento, normalmente anual, e se perde entre inúmeras tabelas de lucros e perdas e estruturas de custos. Afinal que monstro é este?

Para explicar este conceito, me lembro do diálogo entre o Gato de Botas e Alice, descrito no clássico Alice no País das Maravilhas de Lewis Carrol. Nesta passagem, Alice pergunta ao Gato:

"- Poderia me dizer, por favor, que caminho devo tomar para sair daqui?". E o Gato responde: "- Isso depende bastante de onde você quer chegar". Alice responde que o lugar não importa muito, desde que chegue a algum lugar. E o Gato diz que "então, não importa que caminho ela irá tomar", e alerta a menina de que irá "certamente chegar a algum lugar se caminhar bastante".

O "Planejamento Estratégico" é isto: definir exatamente onde está, para onde quer ir, o porquê quer ir e estabelecer o caminho de menor esforço para empreender tal transição. É uma peça conceitual que deriva da visão organizacional, passa pela materialização da Arquitetura Estratégica (de Prahalad & Hamel), se divide em diferentes visões e objetivos (através do Mapa Estratégico de Norton e Kaplan) e avalia detalhadamente cada atividade, considerando seu custo e benefício através de um Orçamento Base Zero (de Peter Phyr). Planejar a estratégia é criar o futuro de uma organização, de forma estruturada com sensibilidade e criatividade.

Temos que determinar em que grau nossa "indústria" se encontra no ciclo de turbulência econômica. Processo que o espectro vai de uma "indústria" tradicional - em que o conceito de evolução no tempo segue o modelo histórico com baixa evolução tecnológica, produtora de bens físicos, tangíveis, átomos - para uma "indústria" da nova economia - em que a evolução se dá por ruptura com o passado, com alta evolução tecnológica, produtora de conhecimento, idéias, bits. O entendimento de aonde nossa "indústria" se encontra é fundamental para determinar o tipo de estratégia que proporcionará melhores vantagens competitivas sustentáveis neste tipo de negócio.

Para o entendimento de onde estamos, é imprescindível a análise das forças que regem o mercado, que no modelo de M. Porter são cinco: poder de barganha dos fornecedores, rivalidade entre os concorrentes, poder de barganha dos clientes, entrada de novos concorrentes e produtos substitutos. A reflexão deve envolver fatores que determinam a margem do negócio e os riscos da indústria, buscando entender qual é a estratégia competitiva atual, ou seja, quais são as vantagens competitivas que conseguimos desenvolver, como elas nos permitem obter a preferência dos clientes e qual a rentabilidade de nossa empresa comparada a da concorrência.

Com base nos conceitos de M. Porter, há duas estratégias principais: a de liderança de custos e a diferenciação. A primeira implica que nossa empresa é a melhor do setor em eficiência operacional e por isso temos os menores custos. Já na diferenciação somos reconhecidos como a melhor marca ou a empresa mais inovadora do setor. Independente da estratégia, o importante é que ela se sustente no tempo. Para isso é fundamental que os clientes reconheçam esta estratégia e prefiram nossos produtos em função delas. Se nós temos melhores custos, então temos que ser capazes de manter e ganhar market share com estratégias agressivas de preços, mantendo um bom nível de lucratividade suportado por custos baixos. Por outro lado, se obtemos a preferência dos clientes pelos investimentos publicitários, ou por meio de investimentos em P&D para desenvolver produtos diferenciados, temos que ser capazes de obter um preço maior por nossos produtos que permita cobrir os custos da diferenciação. Isto determinará se nossas estratégias serão perenes e resistirão ao ataque da concorrência.

O caminho para atingir a estratégia é baseado no Mapa Estratégico do Balance Score Card (BSC) de Kaplan e Norton. Ao desmembrar o objetivo nas dimensões dos Acionistas, dos Clientes, dos Processos Internos e do Aprendizado e Crescimento, a metodologia permite o detalhamento e a correlação entre ações e a estratégia, envolvendo e comprometendo toda a equipe da organização. Em complemento, a ferramenta Orçamento Base Zero (Peter Phyr) permite o detalhamento total das atividades, a análise de custos e benefícios e uma visão futura da empresa sem o viés de orçamentos a anteriores.

Como último ponto cabe ressaltar, como diz um de meus sócios da Galeazzi&Associados, que o planejamento estratégico é uma trilha, um Norte e não um trilho fixo e imutável para a organização.

*J.C.Aguilera é sócio-diretor da Galeazzi & Associados, Graduado e Pós-Graduado em Administração de Empresas pela EAESP - FGV com curso de Strategic Marketing Management pela Harvard Business School. O artigo se baseia no livro "Turnaround, a verdadeira destruição criativa" dos autores JC Aguilera e LC Lazarini, em fase de produção. Contato: aguilera@galeazzi.com.br

Por: Redação








Comentários

Artigos do autor:

Livro traz coletânea de textos sobre o universo da inovação

Marketing de geolocalização é o tema de novo livro do IAB Brasil

Quatro tendências globais de beleza e cuidados pessoais para 2018

Seis tendências de Marketing de conteúdo em 2018

Natura &Co: Nova marca corporativa une Natura, Aesop e The Body Shop

Brasileiro teme compartilhar dados pessoais com empresas

Carros elétricos: uma tendência, múltiplos desafios

8 tendências de Marketing para o varejo em 2018

5 tendências em alimentos e bebidas para 2018

Brasileiros buscam economia em material escolar

Coca-Cola Brasil investe mais de R$ 1 bilhão em embalagens

Tendências em Digital e Mídia para 2018

Mundo do Marketing cria nova área com dicas de um minuto

Mercado brasileiro disputa varejo de conveniência

WGSN lista quatro tendências de consumo para 2018

TI e Marketing lideram a transformação digital

5 Tendências de Marketing para 2018

Shopping Crystal ganha mercado orgânico

2018: o ano do Marketing de Influência

Natal 2017: consumidor ainda mais maduro e compras moderadas

Gestores globais investem em tradução e localização para 2018

10 insights de mercado mais importantes de 2017

E-mail Marketing e o desafio da taxa de abertura baixa

Brasileiro busca serviço mais rápido e conveniente

Independência financeira é prioridade dos Millennials

7 estudos que tiveram destaque em 2017

Guia de Profissão Marketing Digital 2018

As 10 melhores ações de Marketing de 2017

10 fiascos de Marketing em 2017

10 pesquisas que tiveram destaque em 2017

Guia Salarial: profissional precisa se reinventar

Brasileiros estão mais conectados e desconfiados

Natal: Jornada de compra transita entre os universos digital e físico

Comércio eletrônico brasileiro deve crescer 10% em 2017

Black Friday: smartphones lideram intenção de compra

Como as campanhas de AdWords podem ajudar na Black Friday

Coca-Cola incentiva pequenos gestos em embalagens para o Natal

Petrobras faz reposicionamento para melhorar reputação da marca

Metodologia Lego para a prática do pensamento criativo

Bob’s inaugura loja 100% digital em Recife

Mais da metade das dívidas de brasileiros são por cartões de crédito

Três análises sobre mudanças que afetarão o Marketing até 2020

Empório da Papinha e Monama assinam fusão

Facebook lista 5 principais mudanças para 2020

Google lista 6 erros que as PMES não podem cometer na Black Friday

Case Volvo de Real-time Marketing

Gartner alerta: Transformação Digital exige agilidade dos gestores

Neurobranding: livro aborda conexão entre cérebros e marcas

Comunique-se faz pesquisa sobre Marketing de Influência

Natal 2017 terá mais personagens e menos Papai Noel



Publicidade

Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2015.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2018. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss