Brasil. Um país que desaprendeu a sonhar | Mundo do Marketing

Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Artigos

Brasil. Um país que desaprendeu a sonhar

Brasil. Um país que desaprendeu a sonhar

Por | 15/05/2007

pauta@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

Brasil. Um país que desaprendeu a sonhar

Por Ruy Lindenberg*

O brasileiro sempre achou o seu país maravilhoso, abençoado por Deus e pela natureza. Em resumo, o melhor lugar do mundo para se viver. Acontece que nos últimos tempos ele tem andado um tanto desconfiado desse paraíso tropical. A violência, a corrupção, o desemprego, o apagão dos aeroportos, as trapaças do judiciário parecem apenas reafirmar que este é o país do futuro, ou seja, um lugar onde talvez os sonhos nunca se realizem. Depois que a nação se empolgou com a eleição de Lula quando a esperança venceu o medo, o novo mandato se inicia de uma forma burocrática, onde parece que a esperança venceu o medo de sonhar. Não deve ser por acaso que numa recente pesquisa feita para revelar quais são os brasileiros mais admirados do século, dois dos mais votados são justamente políticos: Getúlio Vargas e Jucelino Kubitscheck.

Acredito que, além de governar, de fazer o dia-a-dia bem-feito (o que, por sinal, não acontece), está faltando ao senhor presidente da República, como líder maior do País, ser o canalizador de sonhos, de esperanças e projetos que tragam o futuro mais para perto dos brasileiros. E quando digo isso não estou falando de planos imediatistas, como o PAC, ou do marketing político barato das frases feitas a que estamos acostumados, o marketing de ocasião e de balcão.

No momento em que a destruição da natureza é reconhecida internacionalmente como uma ameaça à sobrevivência do homem no planeta, é surpreendente que um país como o nosso não tenha acordado para isso. Uma nação que possui 28% das florestas nativas do mundo, o maior manancial subterrâneo de água doce, a quinta maior extensão territorial, uma diversidade fabulosa como a Amazônia, o Pantanal e os 7.000 km de litoral, deveria ser o primeiro a reconhecer, preservar e cuidar do seu potencial.

Há muito tempo deveríamos ter assumido essa vocação natural, o Brasil Verde, explorando racionalmente nossas riquezas naturais, seja em madeiras, em turismo, em pesquisas, na fabricação de medicamentos, cosméticos, etc.

Além disso, surge agora a oportunidade de liderar o mercado mundial de etanol, uma vez que temos a melhor tecnologia e a maior produtividade, uma agroindústria capaz de transformar regiões inteiras nos próximos anos e de resgatar os neo-escravos desta cultura.

Outra coisa que não consigo entender é por que um povo como o nosso é considerado uma despesa, e não um patrimônio pelos Governos. Quando vejo entrevistas dos pobres que moram em favelas, mocambos ou cortiços, sempre me surpreende encontrar tanta gente com valores, garra e que dão para o País muito mais do que foi oferecido a elas. 

É comovente vermos pais criando filhos de forma tão decente em morros ou periferias infestados por traficantes apenas porque eles ainda acreditam na honestidade, no trabalho. Isso no mesmo país onde temos um senador da República que quer dividir seu Estado natal em dois porque uma metade do povo não o apóia.

Numa nação onde tantos roubam, sejam deputados, policiais ou juízes, é sempre notícia de jornal quando faxineiros, taxistas ou lixeiros candidamente devolvem carteiras recheadas de dinheiro encontradas em lugares públicos. Ao mesmo tempo, vemos atletas de esportes populares ganharem provas internacionais correndo descalços, músicos que nunca freqüentaram uma escola fazendo sucesso no exterior e um ex-catador de lenha se transformar no dono da empresa aérea que mais cresce neste país.

Num mundo onde a tecnologia é criada, transformada e substituída cada vez mais rapidamente, é chocante a classe dirigente tratar o povo como se fosse uma imensa senzala. E quando sabemos que o Estado arrecada quase 40% do PIB em impostos, temos de reconhecer que a nossa pobreza não é material, mas de idéias e ideais. E, de certa forma, essa falta de ideologia, de capacidade e vontade de sonhar está contaminando toda a vida brasileira, os negócios, a arte, até mesmo a propaganda.

Curiosamente, na mesma pesquisa sobre os brasileiros mais influentes do século, um dos mais votados foi o arquiteto Oscar Niemeyer. Acho que deveríamos nos preocupar quando vemos que um dos mais jovens, revolucionários, visionários e idealistas brasileiros da atualidade tem 99 anos de idade.

* Ruy Lindenberg é vice-presidente de Criação da Leo Burnett.

Por: Redação




Comentários

Artigos do autor:

Brasil é um dos principais mercados para diversidade em Marketing

Black Friday une empresas na Virada Black Liberdade

Discriminação de gênero é problema entre meninas da Geração Z

Centennials: o novo motor econômico para as marcas

Após 15 anos, Roberto Gnypek deixa McDonald’s

Consumo de disco de vinil aumenta no Brasil

Tinder abre espaço para criadores de conteúdo

7 dicas para impulsionar as vendas de PMEs na Black Friday

Transações via smartphones representam 41% das vendas no Brasil

Relevância do Trade Marketing aumenta em agências, indústria e varejo

CMOs colaborativos são essenciais para crescimento de negócios

Compras do Dia das Crianças serão maiores em lojas físicas

3 Livros para auxiliar no planejamento de Marketing

Eleições e instabilidade não barraram investimentos em Marketing

Apesar do avanço de streaming, rádio impacta 86% da população

Inovação é necessidade estratégica para manter vantagem competitiva

Youtube mira no streaming e apresenta Youtube Music e Youtube Premium

Metade dos profissionais não colocam consumidores em primeiro lugar

Mercado de panetone cresce no Brasil

Smartphone será meio mais utilizado para compras do fim de ano

Preferência por fast-food varia conforme região brasileira

Fundação e Instituto Arcor lançam campanha de incentivo ao brincar

Mobile avança como mídia no mercado brasileiro

Infraestrutura das lojas virtuais garante o sucesso na Black Friday

5 tecnologias que mesclarão o trabalho entre humanos e máquinas

Pesquisa Heineken: mais da metade dos adultos bebem quando dirigem

PMEs estão confiantes na era da Inteligência Artificial

O que muda no atendimento ao consumidor com a API do WhatsApp

As 10 marcas mais lembradas pela diversidade em propaganda

Vivo, Raízen e Ericsson abrem chamada de startups com foco em IoT

Brasileiros são receptivos a anúncios digitais e querem personalização

5 inovações do Google Brasil em anúncios

Cabify faz parceria e product Marketing com Grupo Rouge

5 insights da Beleza na Terceira Idade

Grupo Edson Queiroz cria nova divisão de águas

Nível de atenção dos profissionais está mudando

C&A cria Fashion Futures para debater o futuro da moda

Brasil é o segundo maior país em buscas sobre beleza

Supermercado online avança globalmente

Comportamento do consumidor no quarto trimestre

Número de investimentos em insurtech sobem

Publicidade em aplicativos movimenta mais de 3 bilhões de dólares

Dia dos Pais aquece segundo semestre de 2018

Marketing 60+: a importância do consumidor sênior

Geração Z quer tecnologia para testar produtos na loja física

Busca por experiências fazem brasileiros se presentearem mais

Brasileiros preferem comprar online e buscar na loja física

Falta de experiência afasta consumidor do e-commerce

Homens são mais conservadores em relação aos produtos de beleza

Marcas crescem no Youtube com a Copa do Mundo



Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2018.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2018. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss