Segundos que valem muito | Mundo do Marketing

Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Artigos

Segundos que valem muito

Diminuir os 30 segundos atuais para passar o cartão para próximo dos dois segundos do cenário americano se torna uma variável-chave para agilizar a compra, aumentar a conveniência e o conforto

Por | 22/03/2010

pauta@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

Por Rafael D´Andrea e Marcelo de Lima*

Às vezes, poucos segundos podem prender nossa atenção por dias. Em Chicago, ao realizarmos o pagamento de uma compra com cartão de crédito, percebemos a imensa oportunidade que temos no Brasil de reduzir as filas nos caixas dos estabelecimentos de varejo e fazer os consumidores mais felizes com a velocidade do pagamento com cartões.
 
Nos Estados Unidos, uma visita ao supermercado leva em média 22 minutos, dos quais quatro na fila, um para escanear os produtos e dois segundos para o pagamento. Na Inglaterra, que usa cartões com chip como os nossos, a média de tempo em uma operação com cartão de crédito é de 10 segundos (gasto entre entregar o cartão para o operador do caixa e receber o recibo). No Brasil esse tempo é 15 vezes maior que nos Estados Unidos.  Aqui o pagamento leva por volta de 30 segundos. Parece pouco, mas o impacto acaba sendo enorme. Por exemplo, na hora do almoço, em um restaurante por quilo, a demora para concluir o pagamento no cartão fica evidente, pois invariavelmente gera a formação de fila. Nos supermercados, isso fica mais diluído, mas não é menos importante.
 
Na ponta do lápis: temos no país mais de dois mil supermercados com 10 ou mais checkouts. Por esses estabelecimentos passam cerca de três mil pessoas por dia. Se metade delas utilizar o cartão de crédito no pagamento, os 28 segundos que poderiam ser economizados representam 350 horas/homem num mês. Ou seja, é o trabalho de quase dois funcionários com jornada de 180 horas por mês. Se o local contar com 30 empregados, a economia seria de 5% a 7% dos gastos com mão de obra.
 
Isso do ponto de vista do varejista. Para o shopper, vejamos: se ele vai 15 vezes por mês ao mercado, os 28 segundos a mais no pagamento se tornam, ao final de um ano, 84 minutos. Ou seja, é o equivalente à duração de um filme ou à de uma partida que futebol que são perdidos enquanto se espera a operação ser completada. E é um tempo estéril, pois se o tempo na fila pode significar compras por impulso, esses segundos se passam após a compra ser concluída e, portanto, nenhum novo item será acrescentado.

Mudanças à vista
Diminuir os 30 segundos atuais para próximo dos dois segundos do cenário americano se torna uma variável-chave para agilizar a compra, aumentar a conveniência e o conforto e, assim, melhorar a experiência do shopper. E, mais do que nunca, agora é o momento de varejistas e adquirentes (Visanet/Cielo, Redecard, etc.) se debruçarem sobre essa questão.

Neste ano passaram a valer novas regras para o mercado de cartões. É um grande avanço para os varejistas, já que a concorrência deve levar a uma redução nas taxas de transação e os POS (point of sale) com pouca utilização poderão ser dispensados, liberando o comerciante dos cerca de 100 reais de aluguel mensal do aparelho. Os competidores buscarão conquistar os varejistas com descontos nas taxas e com oferta de serviços.
 
Os responsáveis pelos estabelecimentos comerciais também deveriam incluir a velocidade da operação como um dos requisitos, já que gera economia e melhora a experiência do shopper. Além disso, outro investimento deve ser feito pelos estabelecimentos: a conexão de Internet para os aparelhos, pois a maioria ainda utiliza linha discada e não banda larga. O mais importante, tanto para adquirentes como para varejistas, é ter em mente as necessidades do shopper. Com isso, todos ganharão.

* Rafael D´Andrea - diretor de Desenvolvimento da ToolBoxTM - Métricas de Ponto de venda. Formado em Administração de Empresas pela FEA-USP, possui especialização em Marketing pela UC-Berkeley (EUA) e pós-graduação em Economia pela  FIPE-USP. Consultor, palestrante, é professor de Trade Marketing do curso de pós-graduação em Marketing do Insper - Instituto de Ensino e Pesquisa (antigo IBMEC São Paulo)

* Marcelo de Lima é diretor de Marketing da VivoTech de Santa Clara, CA - USA

Por: Rafael DAndrea

Diretor da ShopperAge e sócio diretor da Toolbox - Consulting & Metrics


Comentários

Artigos do autor:

Gerenciamento de Categorias: ?caixa preta? ou ferramenta de negócios?

Brasileiro fala de sua experiência na Tailândia

Driblando o Showrooming: reflexões pós-Euroshop

STORY LIVING: revolução na jornada do shopper

Experience e Conexão dão o tom da EuroShop 2014

"Como será o amanhã de Shopper Marketing?"

Estímulos sensoriais ao shopper

Esta na hora de ir além do Gerenciamento por Categorias

Estratégias de canais nas empresas: gestão de canais em serviços

Como funcionam os canais em serviços?

Os 10 Passos do Planejamento de Trade Marketing de Êxito

O ?P? de canais na gestão dos 4 ?Ps" de Marketing

"In & Out" ToolReport: Melhores Práticas para Fabricantes

Derrubar barreiras para conquistar o Shopper

Ponto de vista: vitrines de Paris

Entropia em Trade Marketing

A aplicação da Neurociência em Marketing

Marketing de Experiência e Neuromarketing

Neuromarketing e a influência no comportamento de compra

A opinião de um ?insider? sobre a Shopper Marketing Expo

O Shopper Marketing aplicado

O encanto das vitrines no futuro do shopper marketing direcionado

Shopper Marketing direcionado, uma alternativa efetiva

Qual o potencial de sucesso do pequeno varejo brasileiro?

Cinco passos para influenciar o shopper na ?hora da verdade?

Shopper Marketing e Internet: O que há de novo nos movimentos do varejo e da indústria

O varejo no século XXI

Shoppability, a habilidade de entregar ao shopper o que ele busca

Segundos que valem muito

Tendências para o varejo pós-NRF

Big Retail Show 2010

Visões não tradicionais sobre Marketing de varejo e Shopper Marketing - Parte 3

Visões não tradicionais sobre Marketing de Varejo e Shopper Marketing ? Parte 2

Visões não tradicionais sobre Marketing de Varejo e Shopper Marketing ? Parte 1

O que vem pela frente em Trade e Shopper Marketing

Shopper Marketing: o novo desafio



Acervo

Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2019.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2019. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss