Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Artigos

Publicidade

Visões não tradicionais sobre Marketing de Varejo e Shopper Marketing ? Parte 2

Enquanto as lojas de supermercados foram desenhadas tradicionalmente para os clientes que vão fazer a compras do mês, com grandes corredores, enorme variedade e preços baixos, a necessidade de economizar tempo vem compelindo os shopper

Por | 02/12/2009

pauta@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

Por Rafael D´Andrea*

Quebrando o pensamento tradicional
Certa vez, li que o que impediu o homem de descobrir antes a forma da Terra e dos continentes não foi a ignorância, "mas a ilusão de já saber". Concordo, assumimos que sabemos como funciona a mente e o coração dos clientes, mas pouco fazemos para observar as mudanças que ocorreram nesta década. Enquanto as lojas de supermercados foram desenhadas tradicionalmente para os clientes que vão fazer a compras do mês, com grandes corredores, enorme variedade e preços baixos, a necessidade de economizar tempo vem compelindo os shoppers a comprar na loja de vizinhança, na internet ou em vending machines.

Em todo o mundo, menos é mais. Simplicidade é o nome do novo jogo de varejo. Simples, mas não simplório. É compreendendo o shopper que um varejista poderá adequar sua loja para o novo momento de consumo. Um exemplo: nos Estados Unidos, cerca de 50% das visitas a supermercados geram tíquetes de cinco itens ou menos. Isso mostra uma tendência de redução da cesta média, e os números apontam para o aumento da frequência de idas ao ponto-de-venda.

Sem tempo, os clientes compram mais vezes, em menor quantidade e escolhem lojas menores e com sortimento reduzido. De fato, a loja com maior faturamento por metro quadrado dos Estados Unidos tem apenas dois mil itens cadastrados, contra 30 mil itens na média de seus concorrentes. Reduzindo as opções de compra, esta loja diminuiu a ansiedade de seus clientes e alavancou cinco vezes as suas vendas.

Enquanto a maioria dos varejistas se pergunta como bater seus concorrentes em preço, os varejistas mais espertos indagam seus clientes e se preocupam em expor os produtos de forma a lhes dar uma experiência de compra adequada à proposta de sua visita. Seja uma visita de compra para reposição, estocagem de produtos ou para comprar poucos itens e sair rapidamente.

Criando layouts de loja "em camadas", os varejistas utilizam o duplo posicionamento de produtos e um layout que privilegia o cliente que quer encontrar os produtos. É possível adequar a loja ao propósito da visita do shopper. Quando isso acontece, o cliente tem a impressão de que a loja foi feita para ele, independentemente do tempo e dinheiro que dispõe-se a gastar.

A escolha do canal de vendas é uma decisão do shopper. Não há como o varejista ter controle sobre essa parte do processo de compra, mas dentro da loja, basta dar ao shopper o que ele quer, sem armadilhas para fazê-lo andar pela loja, que ele retornará mais e mais vezes.

* Rafael D´Andrea é diretor de Desenvolvimento da ToolBoxTM - Métricas de Ponto-de-venda. Formado em Administração de Empresas pela FEA-USP, possui especialização em Marketing pela UC-Berkeley (EUA) e pós-graduação em Economia pela  FIPE-USP. Consultor, palestrante, é professor de pós-graduação do Insper - Instituto de Ensino e Pesquisa (antigo IBMEC São Paulo).

Por: Rafael DAndrea

Diretor da ShopperAge e sócio diretor da Toolbox - Consulting & Metrics


Comentários

Artigos do autor:

Gerenciamento de Categorias: ?caixa preta? ou ferramenta de negócios?

Brasileiro fala de sua experiência na Tailândia

Driblando o Showrooming: reflexões pós-Euroshop

STORY LIVING: revolução na jornada do shopper

Experience e Conexão dão o tom da EuroShop 2014

"Como será o amanhã de Shopper Marketing?"

Estímulos sensoriais ao shopper

Esta na hora de ir além do Gerenciamento por Categorias

Estratégias de canais nas empresas: gestão de canais em serviços

Como funcionam os canais em serviços?

Os 10 Passos do Planejamento de Trade Marketing de Êxito

O ?P? de canais na gestão dos 4 ?Ps" de Marketing

"In & Out" ToolReport: Melhores Práticas para Fabricantes

Derrubar barreiras para conquistar o Shopper

Ponto de vista: vitrines de Paris

Entropia em Trade Marketing

A aplicação da Neurociência em Marketing

Marketing de Experiência e Neuromarketing

Neuromarketing e a influência no comportamento de compra

A opinião de um ?insider? sobre a Shopper Marketing Expo

O Shopper Marketing aplicado

O encanto das vitrines no futuro do shopper marketing direcionado

Shopper Marketing direcionado, uma alternativa efetiva

Qual o potencial de sucesso do pequeno varejo brasileiro?

Cinco passos para influenciar o shopper na ?hora da verdade?

Shopper Marketing e Internet: O que há de novo nos movimentos do varejo e da indústria

O varejo no século XXI

Shoppability, a habilidade de entregar ao shopper o que ele busca

Segundos que valem muito

Tendências para o varejo pós-NRF

Big Retail Show 2010

Visões não tradicionais sobre Marketing de varejo e Shopper Marketing - Parte 3

Visões não tradicionais sobre Marketing de Varejo e Shopper Marketing ? Parte 2

Visões não tradicionais sobre Marketing de Varejo e Shopper Marketing ? Parte 1

O que vem pela frente em Trade e Shopper Marketing

Shopper Marketing: o novo desafio



Acervo

Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2018.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2018. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss