Artigos

Publicidade
Publicidade

Bienais cheias, bibliotecas vazias

Ter ou ler: eis a questão!

Por Marina Pechlivanis - 28/08/2014

Em semana de Bienal do Livro de São Paulo, as notícias sobre consumo de livros ganham espaço na mídia. A expectativa é de crescimento entre 10% a 15%, tendo como base os R$ 80 milhões em livros vendidos em 2013, uma média de R$ 95 investidos por cada um dos 700 mil visitantes do evento, segundo os organizadores.

Oh! Bonito de ver. Mas o que acontece depois do evento? As pessoas mantêm a mesma vontade de ler declarada nas entrevistas que passam na TV?

Segundo pesquisa ProLivro feita em 2011, quando perguntados sobre o que gostam de fazer em seu tempo livre, 85% dos brasileiros responderam assistir TV e apenas 28% ler (incluindo revistas, livros e textos na internet). Quanto ao que a leitura representa, para 64% é conhecimento para a vida, porém apenas 18% disseram ser um hábito prazeroso.

Traduzindo, ler é legal mas não é um hábito constante do brasileiro. Por isso a Bienal que vende livros está cheia, mas a biblioteca de bairro que oferece os livros para leitura está vazia e as pessoas ainda leem muito pouco no país.

O que está feito é complicado de mudar. Mas que tal repensar o relacionamento dos livros com a nova geração, atualizando e trazendo a sedutora tecnologia para esta história?

Soluções como o formato Epic!, por exemplo, são boas alternativas:

O slogan é “o futuro da leitura”, funciona com assinatura mensal e acesso via streaming. São mais de dois mil títulos para estimular crianças menores de 12 anos a ler de uma forma interessante, sustentável e contemporânea, com alguns charmes. Um, vindo do mundo real: organizar a sua própria biblioteca virtual com os livros de sua preferências. Outro, do mundo dos games: criar rankings com seus livros preferidos e ainda compartilhar com os amigos.

Novos rituais para a leitura na era digital: mais bagagem, que proporciona repertório, que auxilia no cruzamento de informações e no entendimento da realidade.

Quem sabe?
 

Por: Marina Pechlivanis

Autora dos livros Gestão de Encantamento: Dicas Mágicas e Gestão de Encantamento2: como a mágica acontece, entre outros 20 títulos. Mestra em Comunicação e Práticas de Consumo. Palestrante. Sócia da Umbigo do Mundo Comunicação. Criadora da Metodologia Matriz da Excelência Gestão de Encantamento. Professora do curso de extensão Gestão de Encantamento, na ESPM