Artigos

Publicidade
Publicidade
Digital

O segredo do alcance do Instagram foi revelado

De acordo com o próprio Instagram, quando a rede social mostrava conteúdos em ordem cronológica, as pessoas não viam nem 70% das publicações que tinham no feed

Por Maria Carolina Avis - 27/06/2021

Finalmente, depois de tanto achismo por parte dos criadores de conteúdo sobre como as publicações podem ter um maior alcance de forma orgânica, o chefe do Instagram, Adam Mosseri, se pronunciou e explicou abertamente sobre como funcionam os algoritmos de relevância da rede social queridinha.   

Atualmente existe muita gente tentando descobrir como operam os algoritmos e acabam compartilhando conteúdo, de forma equivocada, ensinando como fazer para o conteúdo alcançar mais gente. O que antes era feito no achismo e no teste, agora é certeiro, mas lembrando que os algoritmos podem sofrer mudanças a qualquer momento. Mas vamos entender como o Instagram decide o que vai compor o seu feed, por que alguns posts têm mais visualização do que outras, como o Instagram decide o que vai aparecer no ‘explorar’ e, principalmente, como usar isso a favor do criador de conteúdo.  

É claro que é interesse do Instagram que a experiência do usuário seja prioridade, já que quanto mais tempo as pessoas passam na rede social, melhor para a empresa. E como fazer com que as pessoas passem mais tempo na rede social? A melhor forma é trazendo conteúdos que são relevantes. Essa é a primeira lição: seu conteúdo precisa ser bom. O foco sempre deve ser na experiência do usuário, e ‘agradar’ o algoritmo como algo secundário. A grande briga das empresas de tecnologia é pelo seu tempo, e você só vai passar mais tempo rodando feed ou assistindo a vídeos que sejam bons. Tentar alcançar mais gente antes de ajustar sua estratégia de conteúdo é só errar pra mais gente. Conteúdo é o combustível.  

De acordo com o próprio Instagram, quando a rede social mostrava conteúdos em ordem cronológica, as pessoas não viam nem 70% das publicações que tinham no feed. Agora, com os algoritmos que entendem a relevância dos posts e ordenam do mais para o menos interessante naquele momento, os usuários visualizam aqueles conteúdos que fazem mais sentido naquele momento. Mesmo assim, a maior parte dos seus seguidores não vê seus conteúdos, porque a maioria das pessoas olha menos da metade do que aparece no feed. Nada mais assertivo do que produzir conteúdo relevante.  

Sobre os critérios de classificação de conteúdo no Instagram, existem sistemas diferentes para o feed, stories, reels e explorar.  

No feed e nos stories, as pessoas querem ver conteúdos dos amigos e da família, geralmente de pessoas mais próximas. Mas para definir a ordem, muitas coisas podem interferir, como o horário em que uma publicação foi ao ar, se você está acessando pelo celular ou via desktop, e até sua frequência de curtidas em vídeos. Quanto mais curtidas um conteúdo receber, maior é a chance de ele aparecer para mais gente. Até mesmo a duração do vídeo e a localização podem interferir nesse ranqueamento. Mas o que mais importa é o nível de relação entre você e as pessoas que segue. Quanto mais você demonstra interesse no conteúdo de alguém (através das interações nas últimas semanas), maior a chance do conteúdo daquele criador de conteúdo aparecer bem posicionado no seu feed ou nos stories. De acordo com o Instagram, o que mais demonstra interesse é: comentar, curtir, salvar e tocar na foto do perfil do criador do conteúdo.  

Já no ‘explorar’, os conteúdos mostrados são de pessoas que você não segue, mas são conteúdos que provavelmente você se interesse. Serve para descobrir novos perfis. Os conteúdos lá mostrados são classificados de acordo com seu comportamento: publicações que você curtiu, salvou ou comentou. Por isso existem as bolhas digitais, mas isso é assunto para outra hora.  

Por fim, nos reels, a maior parte dos conteúdos são de contas que você não segue, justamente para descobrir novos criadores de conteúdo. O Instagram faz uma varredura nos vídeos postados e mostra os que provavelmente sejam interessantes para você. Quem vai determinar isso, é você. Quanto mais tempo passar assistindo e engajando com aquele tipo de conteúdo, mais fácil fica para os algoritmos te recomendarem conteúdo.  

Resumindo em três pontos: 1- conteúdo de qualidade é rei, e isso envolve conhecer muito bem seu público. Aposte em um plano de marketing e não só divulgação em redes sociais. 2- quem faz seu Instagram é seu comportamento, ou seja, a forma com a qual você usa a rede social determina quais conteúdos serão relevantes para você. 3- o Instagram não tenta te boicotar, ao contrário do que muita gente pensa. Ele só prioriza a experiência, portanto você, no papel de criador de conteúdo, precisa focar em melhorar sua estratégia de conteúdo se quiser alcançar mais gente. Mas reforço que o esforço maior deve ser em marketing, experiência e conteúdo, e não em agradar os algoritmos.   

Por: Maria Carolina Avis

(*) Maria Carolina Bianchi de Avis Neves é coordenadora adjunta do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Mídias Sociais e professora dos cursos SuperMarketing do Centro Universitário Internacional UNINTER