Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Artigos

Os Fundamentos do Marketing Eleitoral em 2018

Neste ano de eleições, as discussões políticas estão fortemente baseadas em valores e princípios morais. Ambiente polarizado ajuda a delimitar territórios

Por | 26/04/2018

marketing@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

Nenhuma campanha, marca política ou projeto de marketing eleitoral tende ser vencedor se estiver dissociado daquilo que definimos como princípio de realidade. Um trabalho deste tipo deve sempre estar em contexto histórico e em uma conjuntura dados.

No estudo do Marketing Eleitoral aprendemos que, de modo geral, existem duas tipologias de conjunturas: a da conservação (continuidade) e a da mudança. A vitória, em parte, depende da eficácia do agente na utilização dos meios. Dizemos "em parte" porque, muitas vezes, uma campanha pode utilizar boas formas de convencimento e mesmo assim não se sagrar vencedora. Isto ocorre porque existe sempre a determinação da realidade vinculada às conjunturas políticas, sociais e econômicas.

Ademais, gosto de dizer em palestras que dou pelo Brasil e aos meus alunos da ESPM que quanto mais incerto e desafiador for a conjuntura política, mais os princípios fundamentais do marketing serão amplificados. Sendo assim, a geografia do voto não mudou. Respectivamente: estômago, bolso, coração e cérebro. A economia continua tendo uma importância sine qua non no processo decisório, assim como é imprescindível o uso da emoção por parte dos candidatos.

Embora similares em certos aspectos, o marketing comercial e o eleitoral/político se mostram antagônicos e incongruentes em diversos outros. Há técnicas de análise completamente diferentes. E os marinheiros de primeira viagem que se aventuram em um ou em outro setor tendem a fracassar e falar bobagem (como já é observado). Por isso separei os principais fundamentos do marketing eleitoral para quem busca conhecer mais sobre a disciplina. São eles:

Branding e os arquétipos 
Roger-Gérard Schwartzenberg escreveu "O Estado Espetáculo" (1977). Há quatro arquétipos que podem definir um político. São eles: herói, homem simples, pai e o líder-charme. Fernando Collor de Mello surgiu em um momento que o Brasil passava por alta inflação (entre outras mazelas). Com o codinome de "caçador de marajás" e personalidade audaciosa, prometeu passar a limpo o país e alavancá-lo para a prosperidade. O arquétipo deste político era do herói. Bem, o resto você já sabe... 

Luiz Inácio Lula da Silva: emergiu das massas e chegou ao poder (homem simples). Getúlio Vargas, quem consolidou as leis trabalhistas e todo dia pela manhã falava ao povo pelo rádio - "trabalhadores do Brasil". Este era o pai. Passava a ideia de protetor e `cuidador'.  

O líder-charme é aquele que, com sua presença, beleza e carisma, consegue despertar encantamento e persuasão. Juscelino Kubitschek. 

Propaganda  
Propaganda sem marketing é como um coqueiro sem raiz. Marketing é a leitura da realidade. É a arte de ouvir o eleitor e se organizar pela perspectiva do mesmo. A propaganda é um mecanismo posterior que entra como arma de convencimento durante o pleito eleitoral.

Os políticos "não profissionais"  
Quando os eleitores buscam o novo mas o corpo político vigente não sustenta tal figura, as pessoas tendem a recorrer para comunicadores e personalidades influentes da opinião pública. Foi assim com Silvio Santos em 1989 e agora com Luciano Huck. A pergunta que fica é se essas mesmas figuras terão substância política para se sustentar até o fim de uma campanha. Isso acontece porque o eleitor médio trabalha com grandes símbolos e ideias, mas também compara frequentemente os candidatos.

Ademais, há de se considerar as peculiaridades e mazelas do sistema político brasileiro. Se faz necessário jogo de cintura, capacidade de articulação e nem sempre alguém que é bem-sucedido na área privada, consegue se adaptar ao universo da política brasileira. Há variáveis completamente diferentes.

Novas figuras são muito bem-vindas, mas precisam estar preparadas e terem consistência no discurso e na atuação.

 O que, de fato, é "o novo"?  
Nas últimas eleições houve uma quantidade alarmante de votos nulos e brancos: recado claro que a população está cansada do status-quo. Essa tendência é mundial. As pessoas estão cansadas de políticos profissionais. O atual eleitor quer sintonia com as demandas sociais (corpo a corpo) mas também quer candidatos com identidade forte - história, propostas, arquétipo e autenticidade. Sairá na frente quem tiver um aspecto de liderança forte assim como viabilidade nas propostas e uma história repleta de conexões emocionais. 

O neoeleitor enxerga a política e participa politicamente de modos específicos. É com esta especificidade que os políticos e os partidos precisam lidar. É preciso saber perceber sentimentos, sensibilidades e expectativas, estimular a participação e oferecer respostas para as demandas não resolvidas ou não satisfeitas. 

 O eleitor em 2018 
O eleitor tem uma lógica, um certo pragmatismo que precisa ser estudado e respeitado. Os principais fatores que definem o processo decisório do voto são:

1) Conjuntura de continuidade ou mudança (avaliação do atual governo);

2) Identidade do candidato, ou seja, a imagem formada na mente do eleitor;

3) Grau de lembrança (recall)

4) História de vida/currículo e como isso pode capacitar o político a melhorar a vida do eleitor

5) O potencial de crescimento

A questão egóica inerente em boa parte de nossos políticos/candidatos passa a ser cada vez mais mal vista. Precisam falar mais diretamente sobre benefícios, valores e contar boas e autênticas histórias. É seguro afirmar que o eleitor de 2018 vai querer que políticos saiam de cima do muro. Com as redes sociais e tantas outras plataformas presentes no cotidiano das pessoas, "marcas políticas" precisam sempre buscar uma forma direta de interação e humanização. Cada vez mais os candidatos precisarão mostrar, através de ideologias e causas, personalidade para estreitar o relacionamento com seus stakeholders. Mas não vale opinar apenas pelo ato de opinar. Que os futuros candidatos aprendam que neste contexto é fundamental uma avaliação profunda para realmente obter resultados positivos.

Em adição, teremos eleições fortemente baseadas em discussões que envolvem valores e princípios morais. Em um ambiente eleitoral polarizado, isso ajuda a delimitar territórios. 

Para discutir todos esses aspectos, convido você a bater um papo comigo sobre o tema durante o meu curso sobre marketing politico na plataforma EAD da ESPM.

Curso: Comportamento do Eleitor - como construir campanhas vencedoras

Inscrições pelo site: http://www2.espm.br/cursos/ead/o-comportamento-do-eleitor-de-2018-e-como-construir-campanhas-vencedoras

Data: 2 de maio de 2018

Local: plataforma EAD da ESPM

Por: Gabriel Rossi








Comentários

Artigos do autor:

Os Fundamentos do Marketing Eleitoral em 2018

Branding do século 21: É Hora de Avançar

5 segredos das marcas que superam desafios econômicos

O Publicitário e profissional de marketing marxista

Extensão de marca: mitos e verdades

Empreendedores de Palco. Entenda como o setor do sonho funciona

Donald Trump e seu House of Cards

Economia Colaborativa, Uber e o Mercado Financeiro

As marcas precisam sair de cima do muro

"Novo normal" e a China: Um olhar pela ótica do marketing

Serão necessários vários anos para Petrobras recuperar a credibilidade

Como gerenciar marcas vencedoras durante a má fase econômica

Reserva e os patrulheiros de plantão

O líder charme e o inocente: arquétipos das marcas

Marketing pessoal, charlatões e os missionários digitais

O Marketing exposto no museu

IPO do Twitter não é suficiente para garantir sua estabilidade

O Marketing vai muito bem, obrigado, senhor Kevin Roberts

Chega de graça

A hora e a vez das mulheres

O passado como ferramenta do presente

Irene e o Marketing

As duas faces do Marketing de políticos eleitos

O Marketing da diversidade

Ainda não é a vez da China

Locaweb e as pragas do Egito

Reposicionando seu concorrente

A mamata acabou: bancos, bem-vindos ao mundo novo

Alice, este não é o País das Maravilhas

Marketing, branding e o fim do mundo

Eleição sem internet, mais uma vez

Lugar de guru e charlatão é fora do Marketing

Em defesa do Marketing

Sociografia: um novo conceito de análise para as marcas na internet

Ano Eleitoral. Marketing político digital é coisa séria

A verbalização das marcas

Eleições 2012: É hora de desmistificar o case Obama

Estado Digital e os webdesafios de Dilma Rousseff

A estratégia de Ben Self terá sucesso no Brasil?

Mídias sociais: o debate precisa desesperadamente evoluir

O real glamour do branding digital

Uma conversa com Denise Lee Yohn sobre branding moderno

Dança frenética do branding e o pensamento de VanAuken

A Bolha da Marca na Era Digital



Acervo

Publicidade

Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2018.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2018. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss