Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Artigos

5 segredos das marcas que superam desafios econômicos

Diante do cenário político e econômico, o consumidor começa a apontar a sua preferência por serviços e produtos simples e que de fato, tragam uma solução prática para o dia a dia

Por | 03/07/2017

marketing@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

Mesmo em tempos de crise, há marcas que seguem absolutamente estelares, ou seja, seguem avançando muito à frente dos seus concorrentes, enquanto outras são deixadas de lado pelo consumidor porque não acompanharam algumas mudanças. O público agora parece estar cativado por uma qualidade que reflete a experiência mais excitante, dinâmica e criativa que eles possam ter. Por isso, concentram a paixão e o poder de compra, em marcas especiais que não são apenas diferentes, mas continuam sendo diferentes em estado de evolução constante. E esse poder de diferenciar-se dos milhares disponíveis no mercado é que os mantém na liderança e na memória. 

Devido ao advento das tecnologias sociais e de constantes desafios culturais, políticos e econômicos, o mundo mudou muito rápido, e principalmente o público de interesse das marcas. Vivemos uma época marcada pelo fim dos estereótipos e da construção da identidade. Juventude, por exemplo, para de ser contada por meio da idade, enquanto o termo da vez é idade de espírito. Ademais, através de um diálogo franco e transparente, as empresas e gestores conseguem fazer com que as mensagens transmitidas interpretem, de fato, a força da marca. Assim, a marca terá a sua imagem reforçada e será validada de uma maneira apropriada.

Os princípios fundamentais das marcas vencedoras do século 21 são:

1.Autenticidade
Começa com uma empresa sendo totalmente clara sobre os valores e atributos que sua marca incorpora - e então os comunicando e entregando-os em tudo o que ela faz. Isso é o que uma empresa pode controlar, exceto conversa nas redes sociais sobre sua marca, mas pode conduzi-la.

2.Energia Diferenciada
Não basta ser diferente, se faz necessário continuar sendo diferente. Essa característica recebe o nome de "energia diferenciada" e seus três componentes são visão, que leva a proposta e aspirações da marca, geralmente originada da liderança, das convicções e da reputação da organização. Invenção, dimensão tangível mais importante, que demonstra a marca através de inovação de produto e serviço, design, conteúdo, entre outras experiências táteis de marca e o dinamismo, que explora como se expressar para criar "persona", emoção e evangelismo através de suas ações.

3.Segmentação por "Lifestyle"
Não é mais possível entender o consumidor pelas gerações e consequentemente idade. As transformações de comportamento acontecem de forma mais voraz e com muito mais frequência. As pessoas com mais idade que acompanham o mundo acelerado em que vivemos e muitas vezes conseguem se adaptar, reconstruindo a própria vida e entorno. A questão referente a classe social também é alterada e pode ser observada pelos padrões de consumo, pois não é algo determinado por diferença de classe, mas sim por afinidade e pessoalidades. A influência não vem mais apenas do topo da pirâmide, ela flui de todos os lados, por isso as pessoas interagem com mais frequência.

4.Simplicidade e Precisão
Diante do cenário político e econômico atual, o consumidor começa a apontar a sua preferência por serviços e produtos simples e que de fato, tragam uma solução prática para o dia a dia ou que sejam criados de maneira cirúrgica para atender aos anseios pessoais. Finalmente notou-se que ser simples não remete ao simplório, mas sim a algo sofisticado por levar em consideração o conceito de sustentabilidade e preocupação com o meio ambiente, entre outras questões.

5.Princípios Fundamentais
Os alicerces cardinais de marketing e branding são os mesmos, mas o advento das redes sociais e das tecnologias digitais amplificou o que profissionais como Peter Drucker, Theodore Levitt e David Aaker haviam nos mostrado em artigos, livros e na vida real. De forma bastante empírica, como estes pensadores teorizaram, não é possível fazer marcas sem cumprir promessas, sem ter foco e clareza nas mensagens, e sem ser consistente. Muito menos sem ouvir o consumidor. Não é possível esquecermos o legado que estes estudiosos deixaram, ou seja, usar janelas e não espelhos.

Conteúdo de Acesso Premium Para continuar tendo acesso a esse e outros conteúdos exclusivos, faça sua assinatura.
  • Conheça diferentes perfis de consumo
  • Desenvolva embasamentos para suas campanhas
  • Otimize sua gestão de Marketing
  • Projete cenários para o seu negócio
  • Descubra potenciais de mercado
  • Tome decisões mais assertivas

Já é premium/cadastrado?
Faça o login para ver o conteúdo:

Por: Gabriel Rossi




Comentários

Artigos do autor:

5 segredos das marcas que superam desafios econômicos

O Publicitário e profissional de marketing marxista

Extensão de marca: mitos e verdades

Empreendedores de Palco. Entenda como o setor do sonho funciona

Donald Trump e seu House of Cards

Economia Colaborativa, Uber e o Mercado Financeiro

As marcas precisam sair de cima do muro

"Novo normal" e a China: Um olhar pela ótica do marketing

Serão necessários vários anos para Petrobras recuperar a credibilidade

Como gerenciar marcas vencedoras durante a má fase econômica

Reserva e os patrulheiros de plantão

O líder charme e o inocente: arquétipos das marcas

Marketing pessoal, charlatões e os missionários digitais

O Marketing exposto no museu

IPO do Twitter não é suficiente para garantir sua estabilidade

O Marketing vai muito bem, obrigado, senhor Kevin Roberts

Chega de graça

A hora e a vez das mulheres

O passado como ferramenta do presente

Irene e o Marketing

As duas faces do Marketing de políticos eleitos

O Marketing da diversidade

Ainda não é a vez da China

Locaweb e as pragas do Egito

Reposicionando seu concorrente

A mamata acabou: bancos, bem-vindos ao mundo novo

Alice, este não é o País das Maravilhas

Marketing, branding e o fim do mundo

Eleição sem internet, mais uma vez

Lugar de guru e charlatão é fora do Marketing

Em defesa do Marketing

Sociografia: um novo conceito de análise para as marcas na internet

Ano Eleitoral. Marketing político digital é coisa séria

A verbalização das marcas

Eleições 2012: É hora de desmistificar o case Obama

Estado Digital e os webdesafios de Dilma Rousseff

A estratégia de Ben Self terá sucesso no Brasil?

Mídias sociais: o debate precisa desesperadamente evoluir

O real glamour do branding digital

Uma conversa com Denise Lee Yohn sobre branding moderno

Dança frenética do branding e o pensamento de VanAuken

A Bolha da Marca na Era Digital



Acervo

Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2015.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2017. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss