Serão necessários vários anos para Petrobras recuperar a credibilidade | Mundo do Marketing

Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Artigos

Serão necessários vários anos para Petrobras recuperar a credibilidade

Uma gestão que recupere as finanças pode aliviar a desvalorização e há quem acredie na recuperação. Já a imagem é outro assunto. Ou: marketing tornou-se proselitismo político

Por | 02/03/2015

marketing@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

Sempre digo a meus alunos e colaboradores: toda análise de marketing coerente precisa estar desvinculada de preferências políticas, partidárias e/ou fanatismo. Concedi, semana passada, uma entrevista ao portal Bloomberg/Infomoney, na qual afirmei que a Petrobras demoraria uma geração para recuperar sua credibilidade. Sim, uma geração e olhem lá! Alguns colegas, claramente tentados por ideologia política calorosa, não apenas foram contra minhas declarações (opiniões contrárias são respeitadas) como também sugeriram (maliciosamente) vínculo partidário da minha pessoa ou algum tipo de interesse escuso. Meus caros: A minha ideologia é o marketing, oras. Minha independência, integridade e honestidade intelectual prevalecerão sempre. Sempre. Enfim, vamos a Petrobas...

Um escândalo atrás do outro, falta de transparência na divulgação de dados, morosidade na tomada de decisões e de esclarecimento junto à população. Todos estes fatores somados contribuíram para a descrença da companhia. A conclusão, como citei acima, só pode ser uma: a recuperação da imagem da Petrobras, até há pouco considerada empresa símbolo do sucesso econômico brasileiro, irá levar anos. Com as inúmeras denúncias de corrupção, a petrolífera perde valor de mercado diariamente. No entanto, o aspecto mais preocupante é o da imagem da empresa. Uma gestão que recupere as finanças pode aliviar a desvalorização no pregão etc. E os especialistas acreditam na recuperação em longo prazo. Já a imagem é outro assunto.

A estatal do petróleo nacional fazia parte de um seleto grupo de empresas com tamanha força, relevância e credibilidade que a população até permitia alguns deslizes. Tais atributos levaram o governo a contar com a inocuidade da marca. Mas o que ocorreu foi uma sucessão de erros e falta de providências imediatas, riscando profundamente sua imagem externa e interna.

Tentando reverter o quadro, a empresa apostou em uma solução equivocada. Recentemente, ela lançou uma campanha publicitária em tom épico sob o mote de "superação".  Claro que uma simples campanha neste tom não basta.  Isso é, neste momento, dinheiro jogado fora. Falta autenticidade! Não há dúvidas de que será muito mais do que isso para uma retomada firme da instituição junto ao mercado, ao povo brasileiro e aos seus funcionários. O governo não tem cumprido seu papel pois precisa mostrar agilidade em suas decisões e desburocratizar. Só assim, a Petrobras poderá recuperar sua, até então, não abalada imagem cristalina.

Fundamental lembrar que a credibilidade das marcas está totalmente ligada à conjuntura sócio-política e econômica de um país. Consumidores, que também são cidadãos e atores políticos, tendem a ser mais críticos em relação à fibra moral das empresas quando o cenário é de recessão, crise ou falta de perspectiva. Esta realidade, com ares do Brasil atual, é um fator decisivo que degringola a imagem de uma corporação que já foi orgulho nacional.
 

Por: Gabriel Rossi




Comentários

Artigos do autor:

Os Fundamentos do Marketing Eleitoral em 2018

Branding do século 21: É Hora de Avançar

5 segredos das marcas que superam desafios econômicos

O Publicitário e profissional de marketing marxista

Extensão de marca: mitos e verdades

Empreendedores de Palco. Entenda como o setor do sonho funciona

Donald Trump e seu House of Cards

Economia Colaborativa, Uber e o Mercado Financeiro

As marcas precisam sair de cima do muro

"Novo normal" e a China: Um olhar pela ótica do marketing

Serão necessários vários anos para Petrobras recuperar a credibilidade

Como gerenciar marcas vencedoras durante a má fase econômica

Reserva e os patrulheiros de plantão

O líder charme e o inocente: arquétipos das marcas

Marketing pessoal, charlatões e os missionários digitais

O Marketing exposto no museu

IPO do Twitter não é suficiente para garantir sua estabilidade

O Marketing vai muito bem, obrigado, senhor Kevin Roberts

Chega de graça

A hora e a vez das mulheres

O passado como ferramenta do presente

Irene e o Marketing

As duas faces do Marketing de políticos eleitos

O Marketing da diversidade

Ainda não é a vez da China

Locaweb e as pragas do Egito

Reposicionando seu concorrente

A mamata acabou: bancos, bem-vindos ao mundo novo

Alice, este não é o País das Maravilhas

Marketing, branding e o fim do mundo

Eleição sem internet, mais uma vez

Lugar de guru e charlatão é fora do Marketing

Em defesa do Marketing

Sociografia: um novo conceito de análise para as marcas na internet

Ano Eleitoral. Marketing político digital é coisa séria

A verbalização das marcas

Eleições 2012: É hora de desmistificar o case Obama

Estado Digital e os webdesafios de Dilma Rousseff

A estratégia de Ben Self terá sucesso no Brasil?

Mídias sociais: o debate precisa desesperadamente evoluir

O real glamour do branding digital

Uma conversa com Denise Lee Yohn sobre branding moderno

Dança frenética do branding e o pensamento de VanAuken

A Bolha da Marca na Era Digital



Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2018.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2018. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss