Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Artigos

Publicidade

A hora e a vez das mulheres

Como seria se homens que são líderes pensassem e agissem um pouco mais como mulheres dentro das instituições e dos mercados que atuam? Acredito que as coisas seriam melhores

Por | 24/09/2013

marketing@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

Não é de hoje e não é mais novidade que, cada vez mais, as mulheres estão à frente de cargos estratégicos dentro das corporações. Atualmente elas tomam decisões de alto comando que influenciam não apenas as estratégias das empresas em relação ao mercado, mas elas também são peças sine qua non do processo de reorganização cultural em tempos de macrotransição como este que vivemos. Esta tendência é realidade no mundo inteiro, inclusive no Brasil. Promissor, não é mesmo?

As primeiras executivas a ocupar o poder dispunham apenas do modelo de liderança masculino, e incorporavam os traços típicos do sexo oposto, como a agressividade e a objetividade. No entanto, aos poucos as mulheres encontram um jeito de liderar de forma mais convergente com seu comportamento. As empresas mais inovadoras, inclusive, estão rompendo com as estruturas tradicionais e passando a ser mais flexíveis e colaborativas, reconhecendo o valor significativo dos traços femininos, como o carinho, a cooperação, a comunicação e a partilha. Isso faz com que, felizmente, o modelo venha caindo nas graças do mercado e as mulheres não precisem agir como homens para terem suas competências reconhecidas.

Defendo a tese que haja um grupo específico de mulheres ao redor do mundo (aproximadamente 70 milhões) que são extremamente estudadas, versáteis digitalmente, muito ambiciosas e influentes.  Esse "grupo de elite", que se diferencia substancialmente daquelas que não pertencem a ele, será o grande agente da transformação. O tema do livro "A Doutrina Athena - Como as mulheres (e os homens que pensam como elas) vão governar o futuro", de John Gerzema, que aborda a liderança feminina e seus valores, agora mais populares que o paradigma machista do passado, fortalece meu argumento. A "Doutrina Athena" mostra porque a feminilidade é o sistema operacional da prosperidade do século 21.

A naturalidade com que habitantes de Vênus cultivam, por exemplo, o bom relacionamento é um trunfo na carreira. Afinal, chefiar hoje em dia não se resume a dar ordens. Ao contrário, uma das funções primordiais do líder é atuar como um facilitador do processo, ajudando a equipe a se desenvolver.

Quando saímos das empresas já estabelecidas e entramos no mundo das mulheres empreendedoras, uma questão importante para as que estão fundando "start-ups" é que, estatisticamente, elas não conseguem tanto capital de investidor quanto o homem. Nos Estados Unidos apenas 5% do capital levantado de investidores são, em média, destinados a mulheres. É a prova de que ainda há estereótipo em relação ao sexo feminino. E que este pensamento estereotipado irá prejudicar investidores, pois as mulheres chegaram para inovar e avançar. Elas se comportam de maneira diferente quando estão fundando empresas: focam no varejo e setor de serviços e evitam capital externo. É uma característica que o mercado precisa absorver.

Quem não percebe que o mundo mudou irá ficar para trás. O estereótipo muçulmano, por exemplo, talvez seja o que mais se destaca na mente ocidental. Mas basta olharmos os exemplos de Shirin Ebadi, primeira muçulmana a ganhar o prêmio Nobel, Fahima Hashim, uma notória feminista do Sudão, Maria Bashir, primeira procuradora geral do Afeganistão, Samina Ali, curadora da exposição online "Muslima - Arte e vozes das mulheres muçulmanas", e Fawzia Koofi, que concorrerá à Presidência do Afeganistão. São mulheres no comando, que certamente irão mudar formas de pensar e agir. São exemplos de mulheres do planeta Terra, que já fazem a cultura e o mundo dos negócios mudarem.

Como seria se homens que são líderes pensassem e agissem um pouco mais como mulheres dentro das instituições e dos mercados que atuam? Acredito que as coisas seriam melhores.

Por: Gabriel Rossi




Comentários

Artigos do autor:

Os Fundamentos do Marketing Eleitoral em 2018

Branding do século 21: É Hora de Avançar

5 segredos das marcas que superam desafios econômicos

O Publicitário e profissional de marketing marxista

Extensão de marca: mitos e verdades

Empreendedores de Palco. Entenda como o setor do sonho funciona

Donald Trump e seu House of Cards

Economia Colaborativa, Uber e o Mercado Financeiro

As marcas precisam sair de cima do muro

"Novo normal" e a China: Um olhar pela ótica do marketing

Serão necessários vários anos para Petrobras recuperar a credibilidade

Como gerenciar marcas vencedoras durante a má fase econômica

Reserva e os patrulheiros de plantão

O líder charme e o inocente: arquétipos das marcas

Marketing pessoal, charlatões e os missionários digitais

O Marketing exposto no museu

IPO do Twitter não é suficiente para garantir sua estabilidade

O Marketing vai muito bem, obrigado, senhor Kevin Roberts

Chega de graça

A hora e a vez das mulheres

O passado como ferramenta do presente

Irene e o Marketing

As duas faces do Marketing de políticos eleitos

O Marketing da diversidade

Ainda não é a vez da China

Locaweb e as pragas do Egito

Reposicionando seu concorrente

A mamata acabou: bancos, bem-vindos ao mundo novo

Alice, este não é o País das Maravilhas

Marketing, branding e o fim do mundo

Eleição sem internet, mais uma vez

Lugar de guru e charlatão é fora do Marketing

Em defesa do Marketing

Sociografia: um novo conceito de análise para as marcas na internet

Ano Eleitoral. Marketing político digital é coisa séria

A verbalização das marcas

Eleições 2012: É hora de desmistificar o case Obama

Estado Digital e os webdesafios de Dilma Rousseff

A estratégia de Ben Self terá sucesso no Brasil?

Mídias sociais: o debate precisa desesperadamente evoluir

O real glamour do branding digital

Uma conversa com Denise Lee Yohn sobre branding moderno

Dança frenética do branding e o pensamento de VanAuken

A Bolha da Marca na Era Digital



Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2018.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2018. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss