Ainda não é a vez da China | Mundo do Marketing

Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Artigos

Ainda não é a vez da China

Vamos aos fatos, com uma visão de Marketing. A expansão da economia chinesa é ampla, mas não profunda. O País tem escala, mas ainda tem um longo caminho a percorrer ?fora de casa?

Por | 10/04/2013

marketing@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

Não é novidade que a China cresce, e muito, economicamente. Há alguns anos deixou de ser o país do futuro e já virou realidade. Mas será que esse aumento de dinheiro se traduz, ou se traduzirá, em liderança global? Minha opinião é que não. É errado afirmar, como muitos já fizeram, que o mundo está, ou estará, "sob a liderança da China". E não sou somente eu quem afirma. A tese é defendida também por David Shambaugh, especialista sobre China na George Washington University, que lançou recentemente o livro "China Goes Global: The Partial Power".

Vamos aos fatos, com uma visão de Marketing. A expansão da economia chinesa é ampla, mas não profunda. O País tem escala, pois abriga cerca de 1,3 bilhão de pessoas, mas ainda tem um longo caminho a percorrer "fora de casa". A marca "China" tem problemas. Ninguém no mundo - e acredito que nem os mandatários chineses - sabe o que ela quer e que tipo de poder ela quer ser e exercer. Há claramente uma crise existencial. Marcas e corporações estrangeiras têm dificuldades enormes de atuar no País por condições domésticas problemáticas, que vão desde relações de trabalho antiquadas até problemas políticos e a crescente dissidência de intelectuais e artistas, como é o caso do artista plástico Ai Wei Wei.

Quando as empresas chinesas se aventuram fora de seu território, raramente obtêm sucesso. Temos conhecimento de poucas marcas chinesas (Lenovo é exceção no mundo e a JAC aqui no Brasil). Inclusive, nenhuma figura no ranking Interbrand das melhores marcas globais. O mercado dos chineses é dominado por produtos "low-end", ou seja, com menor preço, para clientes que não desejam ou são capazes de gastar grandes quantias. Há, em suma, muito pouco sentimento e reconhecimento de marcas chinesas.

A lista das empresas que mais faturam do mundo da Forbes possui presença de corporações chinesas, mas apenas pouquíssimas (menos de cinco) captam a maior parte de sua renda fora da China. E não para por aí: uma potência mundial também pode ser reconhecida assim por seu poder militar (o que é uma pena). Mas a China se desenvolveu suficientemente para ser uma potência na Ásia, mas sem capacidade de intervenção global. O que se pode afirmar é que os chineses são fortes no campo militar cibernético.

É claro que o acontecido até o momento pode ser um pedaço do caminho chinês para o topo do mundo. Mas será preciso um acerto de rota. Os Estados Unidos estão se recuperando. O Japão é sempre o Japão, com seu poder de superação inimaginável. A Europa não ficará em crise para sempre. A China avança, em casa, mas a direção ainda é incerta.

Por: Gabriel Rossi




Comentários

Artigos do autor:

Os Fundamentos do Marketing Eleitoral em 2018

Branding do século 21: É Hora de Avançar

5 segredos das marcas que superam desafios econômicos

O Publicitário e profissional de marketing marxista

Extensão de marca: mitos e verdades

Empreendedores de Palco. Entenda como o setor do sonho funciona

Donald Trump e seu House of Cards

Economia Colaborativa, Uber e o Mercado Financeiro

As marcas precisam sair de cima do muro

"Novo normal" e a China: Um olhar pela ótica do marketing

Serão necessários vários anos para Petrobras recuperar a credibilidade

Como gerenciar marcas vencedoras durante a má fase econômica

Reserva e os patrulheiros de plantão

O líder charme e o inocente: arquétipos das marcas

Marketing pessoal, charlatões e os missionários digitais

O Marketing exposto no museu

IPO do Twitter não é suficiente para garantir sua estabilidade

O Marketing vai muito bem, obrigado, senhor Kevin Roberts

Chega de graça

A hora e a vez das mulheres

O passado como ferramenta do presente

Irene e o Marketing

As duas faces do Marketing de políticos eleitos

O Marketing da diversidade

Ainda não é a vez da China

Locaweb e as pragas do Egito

Reposicionando seu concorrente

A mamata acabou: bancos, bem-vindos ao mundo novo

Alice, este não é o País das Maravilhas

Marketing, branding e o fim do mundo

Eleição sem internet, mais uma vez

Lugar de guru e charlatão é fora do Marketing

Em defesa do Marketing

Sociografia: um novo conceito de análise para as marcas na internet

Ano Eleitoral. Marketing político digital é coisa séria

A verbalização das marcas

Eleições 2012: É hora de desmistificar o case Obama

Estado Digital e os webdesafios de Dilma Rousseff

A estratégia de Ben Self terá sucesso no Brasil?

Mídias sociais: o debate precisa desesperadamente evoluir

O real glamour do branding digital

Uma conversa com Denise Lee Yohn sobre branding moderno

Dança frenética do branding e o pensamento de VanAuken

A Bolha da Marca na Era Digital



Inteligência Inteligência

Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2019.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2019. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss