Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Artigos

Economia Colaborativa: 3 formas de engajar a sua empresa

Uma tendência é a de "servitização", que vem caminhado a largos passos junto a economia colaborativa, visto que o consumidor hoje prioriza o acesso à posse de bens e serviços

Por | 16/11/2015

pauta@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

Não restam mais dúvidas de que a economia colaborativa veio para transformar modelos de negócio, causando verdadeiras disrupções em setores há muitos anos enraizados no mercado. A magnitude destas transformações pode ser exemplificada em uma frase do estudo "The sharing economy", da consultoria global Price Waterhouse Coopers, sobre este fenômeno: "Independente de como a sua empresa se pareça, a economia colaborativa é uma oportunidade grande demais para se perder - ou um risco muito grande para não se mitigar".

O estudo aponta que os cinco principais setores da economia colaborativa - hospedagem; mobilidade; finanças; musica, TV e video streaming e mão de obra online - podem crescer de um faturamento atual de cerca de $15 bilhões de dólares, para $335 bilhões em 2025.

Nós da Colmeia apontamos algumas formas da sua empresa se engajar nesta nova realidade:

1) Parcerias entre empresas tradicionais e colaborativas: este talvez seja o caminho mais rápido e simples, como é o caso da parceria entre a Telsa, uma fabricante de veículos elétricos da economia "tradicional", com o Airbnb, o maior site de reservas de acomodações, de pessoas para pessoas, no mundo.

A Tesla buscou a solução de um dos problemas para o mercado de veículos elétricos: a baixa capilaridade de postos de abastecimento, na grande cobertura do Airbnb. "Juntos, estamos construindo um mundo sem limites para o quão longe você pode viajar e como chegar lá. De desertos remotos para florestas exuberantes, nós estamos desbloqueando estradas, estradas secundárias, aventuras e hospedagens exclusivas".

2) Adaptação da lógica tradicional à colaborativa: Seja por oportunidade ou sobrevivência, algumas empresas com raízes sólidas na economia tradicional estão se adaptando à lógica colaborativa. Um bom exemplo é a Home Depot, maior empresa de material de construção, decoração e ferramentas do mundo. Fundada em 1978, a empresa passou a oferecer este ano o serviço de aluguel de ferramentas, como alternativa à compra.

Uma enorme quebra de paradigma, transformando a oferta de um produto que comercializa há décadas, em um serviço. Esta nova tendência de "servitização" vem caminhado a largos passos junto a economia colaborativa, visto que o consumidor hoje prioriza muitas vezes o acesso à posse de determinados bens e serviços. Principalmente aqueles de alto valor e baixa utilização;

3) Inserção da economia colaborativa na cadeia de valor: A inovação tem sido fortemente impulsionada por ferramentas colaborativas como o Quirky, que já é um importante canal de inovação para a GE por exemplo. Outro bom exemplo é a parceria da Hasbro, importante fabricante global de brinquedos, com o site indiegogo para lançar um novo jogo "face a face".

Por: Fernando Terra

Sócio Diretor da Colmeia Performance Digital. Vinte anos de marketing na veia, passando por empresas como a Coca-Cola Company, Nielsen, iBEST e Enel. Nos últimos 5 anos trabalhou no mercado de agências, com foco no digital, sendo responsável mais recentemente pelo planejamento de performance e inbound de marcas como Reserva Mini, Instituto Ronald McDonald, Enel e MR2.






Comentários


Acervo

Publicidade

Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2018.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2018. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss