Embalagem & Consumo | Mundo do Marketing

Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Artigos

Embalagem & Consumo

Uma relação simbiótica

Por | 14/02/2011

pauta@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

Por Fabio Mestriner*

O consumo não se refere apenas à posse de bens e objetos de forma isolada, mas também à apropriação coletiva do que é produzido, atribuindo assim um caráter sócio-cultural a suas práticas. Este mecanismo foi evidenciado pela Pop Art, especialmente na obra de Andy Warhol que chamou a atenção para as mensagens subjacentes contidas em produtos banais de uso cotidiano. Uma de suas dimensões, portanto, inclusive a que mais vem ganhando evidência na atualidade, é a dimensão cultural do consumo, entendida como a maneira como as pessoas enviam e recebem mensagens através dos produtos que consomem.

O consumo contemporâneo evoluiu para uma forma de apropriação do que é consumido que vai muito além da simples aquisição de bens materiais, objetivos desprovidos de outros significados, uma vez que através dele o sujeito transmite a si mesmo e aos demais indivíduos do corpo social a que pertence mensagens que o qualificam e posicionam da maneira como desejam ser vistos e compreendidos.

O Consumo contemporâneo se tornou assim uma forma elaborada de relacionamento sócio-cultural que vai muito além dos produtos. Existem alguns conceitos relacionados com as ciências biológicas que estão sendo transpostos para outras áreas do conhecimento por expressarem de forma clara como certas coisas funcionam na natureza. Um destes conceitos é a "simbiose", definida como a relação mutuamente vantajosa na qual dois ou mais organismos diferentes são beneficiados por esta relação.

Existe uma relação simbiótica entre a embalagem e o consumo que se transformou em objeto de estudo da ESPM através do seu Centro de Altos Estudos da Propaganda e do Marketing, o CAEPM, e o Núcleo de Estudos da Embalagem desta escola que estão desenvolvendo, em conjunto, pesquisas e estudos neste tema que serão apresentados num Forum que ocorrerá no segundo semestre deste ano.

Este estudo, que conta com a participação da empresa de pesquisas GFK, vai analisar a relação do consumidor com o produto através da embalagem para compreender como ela participa e contribui para o sucesso desta relação. Num artigo anterior, mencionei que "Steve Jobs da Apple passa quase tanto tempo pensando na embalagem de seus gadgets quanto nos próprios produtos, pois, para ele, o ato de tirar um iPad de sua caixa é uma parte importante da experiência do usuário".

Sabemos que no momento decisivo em que o consumidor vive a relação com o produto, a embalagem é o representante da marca que está presente desempenhando um papel decisivo neste momento crucial onde os vínculos se estabelecem. Conhecer em profundidade esta relação deverá trazer informações valiosas que serão discutidas e analisadas por especialistas e divulgadas para contribuir com aqueles que são responsáveis por conduzir seus produtos num cenário cada dia mais competitivo e precisam contar com ferramentas que os ajudem nesta missão.

A simbiose da embalagem com o produto e com a própria relação de consumo foi evidenciada numa pesquisa realizada pelo Comitê de Estudos Estratégicos da ABRE - Associação Brasileira de Embalagem -, onde o consumidor afirmou que não faz distinção entre a embalagem e seu conteúdo, pois, para ele, os dois constituem uma única entidade indivisível. A embalagem mostrou nesta pesquisa que também é importante por agregar significado ao produto, transformando o que era uma simples mercadoria numa entidade mais rica e desejável.

Ao agregar significados ao produto, a embalagem se torna ela própria uma mensagem que se incorpora ao conjunto de valores que é entregue ao consumidor. Seu papel, portanto, transcende a função de invólucro, estendendo-se para outros campos que precisam ser compreendidos para que se tornem operacionais de forma mais consciente e precisa.

A mensagem conduzida pela embalagem deve estar conectada com a marca, com a propaganda e até mesmo com a presença da empresa na WEB para que ela funcione efetivamente como componente do branding. Nenhum gestor de marketing pode ignorar estas funções que a embalagem pode desempenhar, sobretudo num momento em que os recursos estão reduzidos e fragmentados, como mostrou Philip Kotler em seu livro Marketing 3.0.

Kotler foi enfático ao afirmar que os profissionais de marketing precisarão fazer mais com menos recursos e, neste sentido, a embalagem pode contribuir muito, pois seu custo já está embutido no custo do produto e ela deve ser considerada uma ferramenta de marketing a custo zero que a empresa tem dentro de casa para utilizar. A simbiose embalagem & consumo é um tema fascinante que entra na pauta e deve trazer muitas novidades que compartilharemos aqui neste espaço conforme as informações forem surgindo.

* Fabio Mestriner é Professor Coordenador do Núcleo de Estudos da Embalagem ESPM, Coordenador do Comitê de Estudos Estratégicos da ABRE e Autor dos livros Design de Embalagem Curso Avançado e Gestão Estratégica de Embalagem.

Por: Fabio Mestriner

Professor da ESPM e da Escola de Engenharia Mauá; Autor dos Livros: Design de Embalagem Curso Avançado e Gestão Estratégica de Embalagem


Comentários


Acervo

Pesquisar por Tags

Inteligência Inteligência

Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2019.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2019. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss