Artigos

Publicidade
Publicidade
Promoção e Eventos

Pandemia transforma o mercado de eventos e cria novo normal

Experiências e eventos digitais já existiam antes da pandemia, o que não existia era algo híbrido, imersivo, uma extensão do nosso toque humano

Por Diogo Assis - 20/08/2020

A pandemia do coronavírus impactou diretamente os hábitos dos consumidores, ampliou a exposição das pessoas ao meio digital e acelerou a reinvenção de muitos setores e empresas. O setor de eventos foi um dos primeiros impactados com as restrições de convívio social e deve ser um dos últimos a ser reestabelecido. Com isto, empresas como a VOQIN', emotiontech, que há anos já trabalhava na integração de modelo físico com o online para proporcionar experiências e emoções reais, intensificaram o processo de digitalização e inseriram isso no core business, passando a oferecer produtos digitais proprietários.

Após reunir virtualmente os times das sedes de Portugal, Espanha, Estados Unidos e Brasil, a agência desafiou as pessoas a olharem para dentro de casa e trazerem novas ideias. Com base em estudos do cérebro, relacionados a Inconsciência, Neuroplasticidade e Sinestesia, adaptamos teorias neurocientíficas comprovadas ao momento de experiência tanto no ON quanto no OFF e criamos um método exclusivo chamado de Emotional Tracking, que mostra quais são os passos necessários para sensibilizar positivamente o ser humano. Trata-se de uma sequência de atos ou quebras de rotina em uma agenda controlada que garante a conexão simultânea de até 3 sentidos cognitivos, dos 5 existentes.

Essa técnica permite ampliar o tempo de retenção de atenção da audiência e aumentar a eficácia da transmissão do conteúdo em ambientes físicos ou digitais. A inteligência criativa e o conhecimento são pilares de construção de marcas para e novo mundo diário que vivemos. A empresa que conseguir entender que antes da viagem, o incentivo acontece no dia a dia com Vendas e endomarketing terá vantagem competitiva.

Experiências e eventos digitais já existiam antes da pandemia, o que não existia era algo híbrido, imersivo, uma extensão do nosso toque humano. Acredito que esse será o futuro, a democratização dos eventos e acesso a conteúdo de qualidade. O físico se manterá atraente e preponderante para a sociedade. Afinal, somente quando as pessoas estão juntas ao vivo que a magia acontece em sua plenitude. Mas por ora, a suspensão permite com que alarguemos nosso olhar e ampliemos nosso alcance dentro do ecossistema digital. Isso cria oportunidades infinitas. São imensuráveis as combinações e possibilidades no cross do real com o virtual. Um sem invalidar ou conflitar com o outro. Pelo contrário, um pontecializando o outro. A VOQIN' acredita muito no equilíbrio. Vemos que todo excesso gera entropia, desvirtua e padece. E isso acontece no físico ou no on-line. Porque quem dita o rumo da peça, não é o teatro, são os atores. Queremos um mundo sustentável. Um mundo de convergências e não divergências. Queremos que os eventos na rua ou em casa, continuem sendo aquilo que sempre foram para todos nós, grandes celebrações da vida. Grandes registros da nossa existência. E assim sendo, continuaremos criando. E assim sendo, continuaremos emocionando.

Por: Diogo Assis

Sócio-fundador da VOQIN´, emotiontech que provoca emoções com ativações de marcas no Brasil e no mundo