Artigos

Publicidade
Publicidade
Planejamento Estratégico

Qual a importância do comércio local?

Se antes era comum as pessoas se dirigirem às grandes lojas físicas para comprar seus produtos, hoje em dia, elas desejam conveniência, buscando o que precisa perto da sua residência

Por Cleison Dará - 23/05/2022

Encontrar o produto perto de casa, é o que o shopper deseja no mundo atual. Se antes era comum as pessoas se dirigirem às grandes lojas físicas para comprar seus produtos, hoje em dia, elas desejam praticidade e conveniência, encontrando aquilo que precisa perto da sua residência. É assim, que os famosos mercadinhos de bairro, por exemplo, ganham importância, já que o consumidor mudou os seus hábitos e agora opta por compras mais frequentes e nas proximidades do bairro. 

Segundo a pesquisa realizada pelo Sindicato do Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios do Estado de São Paulo (Sincovaga), com 100 varejistas de pequeno porte na cidade de São Paulo, revelou que 46% deles tiveram aumento de vendas com a pandemia, e 63% de crescimento das vendas à distância. É também neste cenário, que os pequenos comércios viram a necessidade de terem presença digital. Uma pesquisa realizada pela Opinion Box, em agosto de 2021, mostrou que metade dos brasileiros prefere comprar em lojas online a lojas físicas.

Além disso, o consumidor também está mudando seus hábitos e trazendo à tona um comportamento que chamamos de online-to-offline, no qual ele pesquisa online a mercadoria que deseja adquirir, compara preços entre os lojistas e conclui a compra na loja física. Assim, é imprescindível para o comércio local ter presença online, pois dessa forma o cliente já sai de casa sabendo que o produto que deseja está disponível no estoque do lugar que ele deseja ir. 

O consumidor não quer mais perder tempo procurando um item ou não tendo certeza se vai encontrar o que precisa, e muito menos gastar minutos do seu dia no trânsito, por isso a preferência pelo comércio do lado de casa. A praticidade se torna aliada desse comércio, já que o cliente, em geral, utiliza os pequenos varejos para as reposições do dia a dia, como um ingrediente que falta para determinada receita ou um produto que acabou e não vale a pena ir em um grande comércio só para comprar. Esse tipo de consumo mostra que há espaços para ambos, o grande varejista para as compras mensais ou de grande porte e o pequeno para as reposições e necessidades do cotidiano.

É importante reforçar que o comércio local é complementar para o consumidor. Diante desse cenário, as grandes marcas podem se tornar aliadas desses negócios, dando visibilidade para o pequeno comerciante que revende seus produtos, e é por isso que a presença online se torna fundamental para eles. Desse modo, os clientes não precisariam mais ir até o grande varejista adquirir um produto da grande marca. A comodidade de encontrar o produto perto de casa contribui para que o cliente tenha uma experiência melhor e fique satisfeito. 

Também é importante falar sobre esse tipo de comércio pela ótica das grandes marcas. Para elas é interessante incluir os pequenos varejos em suas estratégias de venda, pois se tornam um meio importante para a distribuição, ajudam na margem de lucro estando em locais estratégicos onde muitos concorrentes não chegam pelo fato de não incluírem essas localidades nos seus planos, além de se aproximarem dos consumidores. 

É inegável que o comércio local traz praticidade para o cliente, além de ser um canal de distribuição para o fornecedor. A comodidade de não precisar fazer grandes deslocamentos para encontrar o que quer, proporciona uma melhor experiência para o cliente final. 
 

Por: Cleison Dará

Analista de Marketing da Gofind, localizador de produtos que utiliza inteligência artificial para ajudar marcas a mostrar para o consumidor onde encontrar produtos disponíveis