Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Artigos

Publicidade

Alice no país das maravilhas e o desenvolvimento profissional

Síndrome de Alice no mundo corporativo. Saiba o que é preciso fazer para não se deixar tomar pelo mal de não saber onde quer chegar. Temos duas etapas

Por | 19/09/2012

pauta@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

 

Com duas filhas meninas, ao longo da minha vida como pai assisti quase todos os grandes clássicos da Disney. Porém, apesar de nesses momentos estar mais preocupado em agradar minhas crianças do que qualquer outra coisa, sempre procurei observar as histórias com uma visão mais adulta, procurando lições profissionais nos personagens infantis.
 
E foi assim que assistindo Alice no País das Maravilhas me lembrei da tal síndrome de Alice e pensei em como é possível adaptar esse termo para o mundo corporativo, mas dessa vez considerando outro problema vivenciado pela personagem criada por Lewis Carroll...
 
Em uma das primeiras cenas do filme, Alice sai saltitante pelo País das Maravilhas quando se depara com o Gato de Botas e diz a ele que está perdida. O animal, logo na sequência, pergunta: "Para onde você vai, menina?". Sem obter uma resposta, o bichano explicou uma simples - mas verdadeira - teoria: "se você não sabe para onde vai, qualquer caminho serve".
 
E foi esse trecho que me fez pensar que o grande problema de Alice é também um grande problema para profissionais das mais diversas áreas. Ela não tinha em mãos duas informações extremamente importantes para o desenrolar de sua história: ela não sabia onde estava e muito menos onde gostaria de chegar.
 
Mas se você se identificou com esses sintomas e acha que tem a tal Síndrome de Alice Corporativa, não precisa se preocupar. É sim possível acabar com esse mal, tornar-se uma pessoa mais produtiva e, assim, aumentar as chances de se destacar em qualquer área. Pensando em ajudá-lo, preparei um plano de ação que, para facilitar o entendimento, é dividido em duas etapas.
 
Etapa 1
1) Avalie sua atual situação, o "onde você está" - Liste as cinco tarefas que mais te motivam e as cinco que menos te motivam. Depois, coloque no papel os resultados que já alcançou com seu atual modelo de trabalho e, por fim, confira item por item da lista, avalie se está satisfeito com a situação e pense no que precisa fazer para seguir em frente.
 
2) Defina onde quer chegar - Nesta etapa, ser detalhadamente preciso é fundamental. Procure atividades que te desafiem, que causem desconforto. Aqui, pode constar uma simples meta pré-determinada por seus líderes, ou as suas aspirações individuais. Mas principalmente crie uma causa para defender.
 
Depois de colocar essas ideias em prática os dois grandes problemas vivenciados por você (e também pela Alice) já estão quase solucionados. Porém, é preciso dar sequência ao projeto de fim da Síndrome, e para isso eu ainda recomendo que se siga a segunda etapa.
 
ETAPA 2
Nessa fase do processo, confio em duas eficientes ferramentas. Eu as chamo de "OQCQ" e "Visões Externa e Interna".
 
A primeira diz respeito às perguntas fundamentais para qualquer decisão que precisamos tomar: o quê, quando, como, quem. Elas devem ser feitas a todo momento. Isso mesmo. Afinal, estas respostas tornam tudo mais simples e, principalmente, nos ajudam a tomar melhores decisões. Com isso, é possível melhorar o desempenho e deslanchar a carreira.
 
Já a segunda, que muitos conhecem como "SWOT", exige que o profissional detalhe em um papel ou planilha o Cenário Interno (suas forças e fraquezas) e o Cenário Externo (avaliando oportunidades e ameaças).
 
Com isso, reúne-se em mãos todas as informações necessárias para se concluir onde se está e para onde se quer ir e conhece-se nos mínimos detalhes os percalços de cada caminho e até mesmo as vantagens que cada rumo pode trazer.
 
Depois de concluir essas duas etapas, o caminho do seu sucesso estará traçado e você terá em mãos todas as informações que precisa para acabar com qualquer possibilidade da Síndrome de Alice Corporativa lhe incomodar. 
 

Por: Claudio Diogo

Autor de ?V.E.N.D.E.R. Mais e Melhor?, co-autor do livro ?POSSO AJUDAR? As 31 Dicas Para NÃO Vender?, autor no booklet ?101 Dicas de Gerenciamento de Equipes de Vendas? e sócio diretor da Tekoare Vending.


Comentários


Acervo

Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2018.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2018. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss