Artigos

Publicidade
Publicidade
Mercado

Varejo e esporte: mais similares do que se imagina

Caio Camargo traça paralelo entre categorias e mostra como o avanço de diversas tecnologias abriu leques de oportunidade de crescimento

Por Caio Camargo - 27/10/2021

Esse ano vivenciamos uma Olimpíadas fora de época e acompanhamos diversos campeonatos esportivos que continuaram acontecendo, se apoiando em certos pilares como adaptação, coletividade e foco. À primeira vista pode até soar estranho, mas existem vários pontos de conexão e similaridade entre o esporte e o mundo dos negócios, principalmente dentro do varejo. Pensando em futuro pós-pandemia, trabalhar essas semelhanças pode ser o segredo para se manter no páreo de competição de forma saudável.  

Começando pela competitividade, essa é uma engrenagem que desafia o esporte e o varejo. Competir exige espírito de liderança, de querer fazer mais e da melhor forma, e funciona como uma alavanca para inovar. O esporte cresce e se adapta: basta observar uma apresentação de ginástica de 40 anos atrás e outra de agora. As manobras estão mais técnicas e de difícil execução e apenas atletas de alto nível conseguem se manter no páreo – ou nesse caso, no pódio. Isso porque a tecnologia abriu espaço para novos estudos de exercícios, rotinas alimentares e de equipamentos mais evoluídos que tornaram o esporte e os atletas no que conhecemos agora.

Trazendo para o varejo, nos últimos tempos, o avanço de diversas tecnologias abriu leques de oportunidade de crescimento para quem está à frente do negócio. A digitalização e omnicanalidade vieram para ficar, seja nas lojas virtuais ou físicas. Segundo relatório da empresa CB Insights, cerca de 85% dos clientes ainda preferem interagir com as marcas tanto pelo meio físicos, quanto pelo digital. Isso significa que, para agradar o consumidor, o alinhamento de qualidade deve ser visível em ambas as frentes, pois o protagonista do varejo é realmente quem está comprando. Não é mais possível se manter competitivo sem aderir ao que o mercado oferece de vantagem, principalmente quando o consumidor também está se tornando mais tecnológico. Adaptação é a chave para não ficar estagnado no que antes funcionava e agora não faz mais sentido.

Em alguns esportes, existem réguas que definem as vantagens: maior velocidade, força ou técnica, são exemplos do que pode ser o determinante para ganhar ou perder. Esses detalhes de diferença, no varejo, determinam que marca se destacará mais, quais conseguirão manter relacionamentos com clientes fidelizados e derrotar a concorrência. Tudo depende de como está sendo o investimento em fatores importantes, como a agilidade de processos logísticos, qualidade dos produtos e serviços e um atendimento que proporcione uma jornada de compras livre de atritos. Um estudo global da PwC revelou que, se tratando de compras on-line, 41% dos consumidores estão dispostos até a pagar mais para receber um produto no mesmo dia, e 24% para receber em até duas horas.

O futebol, basquete e vôlei são esportes que engajam e cativam milhões de torcedores ao redor do mundo de forma significativa. Todos os citados são esportes coletivos e exigem que todos os envolvidos, desde equipe técnica até atletas, tenham sinergia e união para competir e entregar bom desempenho. Cada loja do varejo também se apoia na coletividade, contando às vezes com diversos times de atuação que mantém o negócio a todo vapor. A liderança possui aqui a equivalência dos técnicos e precisa saber manter a equipe motivada, desenvolvida e com ótima performance.

Foco e determinação são palavras muito comuns no âmbito esportista, mas que, novamente, fazem parte do contexto varejista, principalmente quando se fala do período de pandemia enfrentado. Diversos lojistas enfrentaram dificuldades, mas seguiram pelo caminho da adaptação para manter o negócio funcionando – e nem sempre todas as estratégias foram bem-sucedidas. Assim como no esporte, todo erro deve se tornar parte do processo de aprendizado, principalmente da evolução dentro da jornada entre onde o negócio está e em que ponto quer chegar. As Olimpíadas do varejo nunca param e quem entender que a busca por inovação, investimento em tecnologia, foco na qualidade em cada etapa do processo e a coletividade entre equipes é crucial para o sucesso, definitivamente irá ganhar medalha.
 

Por: Caio Camargo

Diretor Comercial da Linx