Artigos

Publicidade
Publicidade
Planejamento Estratégico

Como criar a cultura de privacidade e segurança de dados na sua empresa

André Palis traz alguns passos para empresas aprenderem a lidar com dados de maneira estratégica

Por André Palis - 20/05/2022

No mundo corporativo, cultura quer dizer um modo de fazer as coisas, uma maneira de pensar e agir que se reflete nas ações de todos que trabalham na empresa. São pessoas diferentes compartilhando o mesmo ambiente, então, logicamente, fazer alterações em uma cultura empresarial não é fácil. Mas, em alguns casos, é absolutamente necessário.

O modo como as empresas lidam com dados está mudando, acelerado pela legislação e pelos desejos da própria sociedade. Essa é uma transformação já em curso, que está deixando para trás as companhias que não conseguem se adaptar.

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) é o principal exemplo das novas exigências nesse sentido. É mais do que alterar alguns programas de automação e alguns algoritmos: a lei requer mudanças estruturais nas empresas para que a privacidade e a segurança de dados sejam levadas tão a sério quanto devem.

Para começar, todos os fluxos de operação de dados devem ser avaliados para se adequar à LGPD. Isso não está apenas na área de TI ou de marketing — na verdade, os fluxos estão espalhados por diversos setores. A área comercial muitas vezes possui acesso a nomes, telefones e endereços; o RH cadastra currículos e informações das mais diversas sobre colaboradores; a área financeira computa dados bancários e outros extremamente sensíveis.

Tudo isso deve estar adequado às novas regras. E para que as coisas entrem e permaneçam em conformidade com a lei, o esforço de toda a equipe será necessário. Não são apenas gestores que lidam com dados, portanto, outros profissionais também precisam de diretrizes para saber como agir daqui para frente.

Aí entra a mudança de cultura. Aprender por repetição não costuma funcionar muito bem em situações como essa, em que casos distintos podem exigir atuações distintas dos colaboradores. O que eles precisam é, de fato, aprender a tratar os dados de uma nova maneira. A cultura está nisso: no modo como o trabalho é encarado e na importância dada à privacidade de dados.

Para desenvolver essa nova forma de trabalhar dentro de uma empresa, alguns passos são valiosos:

1. Estude o modelo de negócio, as demandas e os riscos
Cada empresa precisa de mais ou de menos dados para funcionar. Em algumas situações, muitos dados podem ser descartados sem impacto real no negócio; em outros, não. A primeira análise deve considerar essas necessidades, bem como os riscos mais comuns nos fluxos que permanecem.

2. Classifique os riscos
Tendo em mente quais as ameaças possíveis, procure classificá-las em níveis. Na hora de repassar os cuidados em relação a cada uma, é importante saber definir quais as consequências e quanta atenção deve ser desprendida para evitá-las.

3. Ensine e demonstre
Treinamentos são mais que bem-vindos para explicar à equipe a razão das mudanças e quais as responsabilidades de cada um. É provável que as pessoas precisem de tempo para se habituar, os ritmos devem variar entre elas. Tenha paciência e ajude-as a se adaptar.

4. Crie um departamento ou comitê de privacidade/segurança de dados
Se possível, é recomendável ter profissionais especializados na LGPD para ajudar nas adaptações e para fiscalizar constantemente os processos. As áreas de TI e jurídica são as mais envolvidas, então ter um membro de cada setor é o ideal. Quando não for possível, ao menos um profissional dedicado é aconselhável.

Com o tempo e dedicação, toda a equipe entrará no mesmo ritmo e pensará sobre os dados da mesma maneira. Talvez seja intimidador a princípio, afinal, os dados se tornaram tão comuns na rotina de trabalho que, quando as coisas mudam em relação a eles, parece que estamos vivenciando uma revolução. Mas a própria chegada dos dados foi uma revolução, não foi? Portanto, lembre-se que temos capacidade de nos acostumar com uma nova realidade rapidinho, mesmo que com alguns tropeços no caminho.

Por: André Palis

Nascido em Ituiutaba - MG, é formado em Administração pela UFSC.