Artigos

Publicidade
Publicidade
Digital

Cancelamento, o novo normal

Apontar o erro do outro, seja famoso ou não, mostra viés extremamente crítico que não faz bem nem ao acusado nem ao acusador

Por Alex Monteiro - 23/03/2021

"Fulano foi cancelado!". Com certeza você ouviu essa frase nos últimos dias, principalmente devido às polêmicas da 21ª edição do Big Brother Brasil (BBB 21), da Rede Globo de Televisão. O "cancelamento", ou seja, o boicote a pessoas e marcas, deixou a casa mais vigiada do Brasil e passou a fazer parte das conversas e do cotidiano.

Cancelar as pessoas virou o novo normal - pensou e agiu diferente, está bloqueado e excluído. No BBB e na vida vestimos a nossa "toga de juiz" e partimos para o veredito. Se merecido ou não, rapidamente, já temos uma decisão e um lado. Mas será que cabe a nós cancelar alguém?  

Quando uma pessoa, seja ela famosa ou anônima, decide se expor em um reality show, obviamente ela deve estar consciente de que mostrará lados de sua personalidade que, normalmente, não aparecem nas redes sociais. Já para quem assiste a esse tipo de programa, é importante acompanhar com um olhar de que todos nós, seres humanos, possuímos um lado mais frágil e complicado, que tentamos não mostrar. Quem não tem um dia ruim? Quem nunca foi o lado mau de uma história, no sentido de ser impulsivo ou ter um sentimento ruim, por exemplo? A diferença é que, na vida real, evitamos nos expor a situações e pessoas que despertam esses lados. 

É justamente por isso que sou totalmente contra a cultura do cancelamento e ao linchamento virtual. É necessário percebermos que esse tipo de situação sempre gera dor em diversas pessoas, afinal, existe um ser humano por trás de um perfil na internet, uma família envolvida e diversas pessoas e profissionais que sofrem diretamente com esse tipo de ataque. Então, afinal, qual o sentido de continuarmos incitando o ódio? Se não concordamos com algo, basta deixar de seguir. 

Além do cancelamento, temos também aquela parte do público que se decepciona com a personalidade em questão. Por isso, sempre reforço a importância de ser verdadeiro e fiel à sua essência. O que não podemos defender são pessoas que pregam um valor e, na prática, são totalmente diferentes. Isso não funciona em reality show, não funciona nas redes sociais e muito menos na vida real.

Gritamos aos quatro cantos que "errar é humano", mas, muitas vezes, isso só se aplica quando se trata de nós ou de alguém que não queremos que vá para o "paredão". Com a minha experiência gerenciando a carreira de grandes influenciadores, vejo o quanto eles buscam usar as suas influências de forma ética e responsável, procurando sempre aprender com os erros e acertos. 

Não estou aqui defendendo quem já foi cancelado, mas, sim, que o julgamento e a sentença não sejam feitos apenas com base em 140 caracteres, sem levar em conta a perspectiva e a história do outro. Não podemos sempre partir direto para o linchamento virtual. O diálogo é uma atitude que deve fazer parte de uma sociedade que deseja evoluir e se tornar mais justa. 

Quer cancelar alguém? Que tal dar espaço para a pessoa se posicionar, reparar seu erro e amadurecer? Foi você quem errou? Assuma, peça desculpas, aprenda e não erre novamente – toda crise exige uma mudança.

O cancelamento traz consequências para o cancelador e para o cancelado. Quando proferimos discursos repletos de ódio e xingamentos, corremos o risco de nos tornarmos pessoas extremamente críticas. Já quando somos cancelados, podemos desenvolver sérios problemas emocionais e físicos.

Existem outras formas de mostrar ao outro o seu erro. Acredito em algo bem parecido a uma escola, onde erramos, aprendemos e temos a chance de tentar novamente.  Ainda há muito a ser feito, mas, com empatia, chegaremos lá.

Saiba mais sobre o tema acessando o estudo Cultura do cancelamento: como e por quê ela pode afetar sua marca – Conteúdo exclusivo para assinantes.

Por: Alex Monteiro

CEO da Ensinança e sócio-fundador da Non Stop, a maior agência de talentos digitais da América Latina