Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Reportagens

Endomarketing ganha ainda mais importância na crise

Para engajar funcionários neste momento de reestruturações e incerteza, a comunicação com o público interno assume papel estratégico, demandando transparência das organizações

Por | 19/01/2016

renata.leite@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

Analisa de Medeiros Brum, Fundadora e Presidente da HappyHouse BrasilNo cenário econômico e político atual, que vem impondo uma série de obstáculos ao mercado brasileiro, muitas empresas precisam passar por reestruturações e realinhar metas e objetivos. Em meio a congelamento de salários, atrasos e demissões, elas ainda dependem do engajamento dos profissionais. A comunicação interna e o Endomarketing não podem ser menosprezados neste momento, inclusive em corporações de menor porte, que tradicionalmente não lidam com essas áreas de forma estratégica, mas de um modo informal.

A profissionalização da atividade nas companhias passa pelo entendimento de que a comunicação interna é muito mais do que celebrações de aniversário, a realização de uma boa festa de fim de ano, a distribuição de bottons, cartazes colados em murais e a oferta de brindes a empregados. O objetivo das campanhas de Endomarketing não é fazer as pessoas mais felizes - esse é apenas um dos resultados de uma ação exitosa.

O trabalho da área deve ter como meta proporcionar um ambiente em que os profissionais possam produzir mais e melhor. "Fazemos Endomarketing para aumentar índices de produtividade, níveis de qualidade e alinhar o pensamento das pessoas à estratégia da empresa. A visão romântica tem que ficar para trás", ressalta Analisa de Medeiros Brum, Fundadora e Presidente da HappyHouse Brasil, em entrevista à TV Mundo do Marketing.

Valor da informação
Mais do que motivar os colaboradores, as organizações desejam hoje engajá-los. Buscam profissionais comprometidos com resultados - seja em programas, projetos, processos ou, principalmente, reestruturações, demandadas neste momento de incertezas. "Bem mais complexo do que ter pessoas felizes é manter os profissionais engajados mesmo em cenários não muito felizes", reconhece Analisa.

A missão é difícil, mas não impossível. E o caminho mais promissor é o da transparência. Para atingir o objetivo é preciso antes de mais nada encarar o fato de que as pessoas estão mais exigentes, afinal, no mundo fora da empresa, têm cada vez mais informação disponível. Os canais internos de comunicação devem servir para conscientiza-las sobre os desafios que estão por vir e a importância que podem desempenhar nesse trajeto. Não pode haver tabu dentro da companhia quanto aos assuntos a serem abordados.

O conteúdo deve ser sofisticado e atraente. Os números não podem permanecer escondidos, porque ocultos abrem espaço para a imaginação por parte dos colaboradores. Quando houver resultados, eles precisam ser comemorados e as contribuições de cada um, valorizadas. Assim, a equipe se sentirá parte do todo e tende a demonstrar comprometimento. "As pessoas não resistem à mudança e à reestruturação. Elas resistem à falta de informação. Precisam entender os sentidos de uma mudança e os benefícios para a empresa para participarem", afirma a Presidente da HappyHouse.

Alinhamento entre empresa e empregados
Antes de benefícios e incentivos, os funcionários desejam hoje ver sentido na atividade das empresas para as quais trabalham e, consequentemente, no papel que desempenham. O engajamento surge quando eles se sentem importantes e participativos na estratégia. E a comunicação interna e o endomarketing servem para isso: vender a companhia, ou seja, mostrar o valor dela para o público interno.

Ninguém gosta, nem luta pelo que não conhece. Por isso, é importante haver uma estratégia de aproximação e alinhamento entre a empresa e os empregados. "Não adianta a empresa ter uma meta, um desafio, se isso não for dito para as pessoas. O primeiro investimento que precisa ser feito é em canais. Depois, em campanhas de endomarketing. O líder deve ser o primeiro e principal canal de comunicação. Há companhias que implantam, por exemplo, o blog do presidente", diz Analisa.

É importante ainda que a informação circule por meio dos canais oficiais de modo contínuo e sistemático. Somente assim haverá resultado. Conheça estas e outras recomendações assistindo ao hangout completo com Analisa de Medeiros Brum, que foi transmitido ao vivo e agora está disponível na TV Mundo do Marketing:

Powered by Postcron

BUSCADOR DE HASHTAGS PARA SEUS POSTS





Comentários


Acervo

Publicidade

Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2018.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2018. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss