Publicidade

Patrocínio

Publicidade
Publicidade Publicidade Publicidade
Mundo do Marketing Inteligência

Artigos

Gestão por indicadores na prática: o que esperar de São Paulo?

João Dória se orgulha em dizer que é um GESTOR e que resolverá os problemas com GESTÃO. Se assim o é, não poderá ignorar a primeira pesquisa Data Folha de avaliação de seu governo

Por | 21/03/2017

pauta@mundodomarketing.com.br

Compartilhe

O prefeito de São Paulo, João Dória, se orgulha em dizer que é um GESTOR e que resolverá os problemas da cidade com GESTÃO. Se assim o é, não poderá ignorar os dados da primeira pesquisa Data Folha de avaliação de seu governo para calibrar suas próximas ações.

Para analisar, não basta parar na primeira página. É preciso comparar com o passado, mergulhar no detalhe e pensar no futuro, considerando as relações de causa e consequência. É preciso pensar nas decisões a serem tomadas. É preciso pensar que os recursos são limitados e a priorização é necessária.

Avaliação Geral
Em seu primeiro mês de governo, o Prefeito João Dória obteve uma avaliação positiva de 44% (bom/ ótima), neutra de 33% (regular) e negativa de 13% (ruim / péssimo). 10% não soube responder. Se compararmos com a avaliação do ex-prefeito Fernando Haddad após 3 meses, é uma avaliação positiva.

Após três meses de governo, o ex-prefeito Fernando Haddad possuía uma avaliação positiva de 31% (bom/ ótima), neutra de 42% (regular) e negativa de 14% (ruim / péssimo) e 14% não sabiam responder. Após 11 meses de governo, a avaliação piorou ficando com uma avaliação positiva de apenas 18% (bom/ ótima), neutra de 40% (regular) e negativa de 39% (ruim / péssimo).

Após um ano de governo a avaliação de Fernando Haddad era melhor do que a avaliação dos ex-prefeitos Celso Pitta e Gilberto Kassab (1º mandato), equivalente as avaliações de Jânio Quadros e Luiza Erundina e pior que Paulo Maluf, Marta Suplicy, Gilberto Kassab (2º mandato) e José Serra, esse último como a melhor aprovação entre os demais, com 41% de avaliações positivas após o primeiro ano de governo.

Se conseguir manter ou aumentar a aprovação de seu governo, a aprovação de 44% de João Dória o colocaria como o prefeito com mais alta aprovação em São Paulo no primeiro ano. Para conseguir isso, será chave entender o que a população acha de seus planos e ajustar as prioridades. 

Aumento da velocidade nas vias marginais
Exceto o então prefeito e candidato Haddad, todos os demais candidatos identificaram que falar sobre o aumento da velocidade das marginais e a "indústria da multa" era um ponto aproximação com os eleitores. Não é de se estranhar que o prefeito Dória tenha iniciado a ação de aumento da velocidade nas vias marginais em seu primeiro mês de mandato. Ao observar o resultado da ação na população de São Paulo, a velocidade deverá subir em outras vias.

Em 2014, 81% considerava o transito ruim/ péssimo e 4% bom/ ótimo. Esse número melhorou em 2015 para 71% ruim / péssimo e 8% bom/ ótimo. Com a elevação da velocidade, a avaliação do transito praticamente não mudou, ficando no início de fevereiro com 70% para ruim/ péssimo e 7% para bom / ótimo.

Considerando que não houve uma percepção de piora no transito e 57% da população se declarou a favor do aumento da velocidade nas pistas marginais de São Paulo (e 37% contra), devemos esperar que a velocidade volte a subir em outras pistas.

Corujão da Saúde
Essa foi a iniciativa com melhor avaliação na pesquisa Data Folha. 67% de avaliações positivas (bom/ ótimo), 11% de avaliações neutras (regular) e apenas 6% de avaliações negativas (ruim/ péssimo). Esses resultados são consistentes na maioria das estratificações (gênero, idade, escolaridade, renda familiar e ocupação), mas apresenta uma sensível queda entre eleitores do ex-prefeito Fernando Haddad, com 53% de avaliações positivas (bom/ ótimo), 17% de avaliações neutras (regular) e 14% de avaliações negativas (ruim/ péssimo).

De forma geral, 13% acreditam que o programa atenderá todas as pessoas dentro do prazo, 47% acreditam que atenderá a maioria das pessoas no prazo e 37% acreditam que atenderá a minoria das pessoas no prazo. Esses resultados são consistentes na maioria das estratificações. Podemos perceber, entretanto, uma avaliação mais crítica entre a população com até 2 salários mínimos (o que não afeta a avaliação geral da iniciativa) e eleitores do ex-prefeito Fernando Haddad.

Com nos indicadores (avaliação fortemente positiva da iniciativa geral e visão menos otimista da população de baixa renda), é de se esperar que a iniciativa prossiga e que os esforços de comunicação sejam direcionados para a população de baixa renda, principais usuários.

É picho! É grafite!
A avaliação da operação Cidade Linda apresenta alguns insights interessantes. Por mais que a população aprove a iniciativa (59% de avaliação bom/ ótimo), 85% da população declarou ser a favor de muros cobertos de grafite, 97% contra a pichação. Contudo, mesmo com a aprovação do programa, 61% da população declarou achar que a Prefeitura agiu mal ao cobrir os grafites da Av. 23 de Maio com tinta cinza.  Mais do que isso, não existe um consenso sobre dever existir áreas específicas para grafite (52%) ou o grafite ser liberado em qualquer parte da cidade (45%). 

Com base nos resultados, é de se esperar que nos próximos meses os rumos do programa Cidade Linda mudem, passando a existir uma maior diferenciação entre pichação e grafite, maior valorização do grafite e intensificação das ações contra a pichação.

Viés de partido
Também chama a atenção o grande viés de partido. Entre as principais decisões de um gestor estão as definições de segmentação e mercado alvo. Essas decisões são especialmente importantes na hora da calibração das ações planejamento com base em indicadores.

Nesse sentido, é muito fácil observar um grande viés de partido. Seja para o Corujão da Saúde, Cidade Linda, Aumento da Velocidade nas Marginais e na avaliação geral, os eleitores do ex-prefeito Haddad avaliam de forma muito mais crítica as ações do prefeito Dória, influenciando fortemente a avaliação média para baixo. A avaliação dos eleitores do ex-prefeito Haddad é muito inferior mesmo em relação aos eleitores da candidata Marta Suplicy e do candidato Celso Russomano.

A avaliação negativa e o pessimismo dos eleitores do ex-prefeito Haddad com a iniciativa Corujão da Saúde sugerem que a crítica ao Prefeito Dória independe da ação. Dessa forma, considerando uma gestão por indicadores, tenho a expectativa que o Prefeito priorize as ações apoiadas por seus eleitores e pelos eleitores de Marta e Celso Russomano, considerando que sempre será criticado por eleitores do Haddad, que tenderão a ter sua opinião desconsiderada dado sua fonte de viés político.

A força da comunicação
Como gestor, o Prefeito sabe como as percepções afetam a realidade. O resultado positivo de sua avaliação também é fruto da alta visibilidade derivada da proximidade dos meios de comunicação e alto investimento em comunicação digital. O reality show do prefeito deve continuar.

Gestão!
Podemos inferir que o executivo João Dória almeja levantar voos mais altos na política. Para isso é fundamental ser visto como uma renovação da política, como resiliente, criativo e capaz de resolver problemas públicos complexos. Partindo dessa premissa e com base nos dados da primeira pesquisa de opinião pública, o que você faria se estive nos sapatos engraxados do Prefeito João Dória?

Seja como for, se você tiver a oportunidade de jogar jan ken po com o Prefeito, aposte na pedra. Ele colocará tesoura. 

Por: Alexandre Salvador

Professor de cursos de pós-graduação e MBA, incluindo ESPM, FIA e FGV. Doutorando e Pesquisador na área de Gestão de Crise e Educação em Marketing pela FEA/USP






Comentários


Acervo

Publicidade

Publicidade

Voltar ao Topo

Copyright © 2006-2018.

Todos os direitos reservados.

Assine o Mundo do Marketing Inteligência

Copyright © 2006-2018. Todos os direitos reservados. Todo o conteúdo veiculado é de propriedade do portal www.mundodomarketing.com.br. É vetada a sua reprodução, total ou parcial sem a expressa autorização da administradora do portal.

Auditado por: Metricas Boss